Arquivo da categoria: Santuário Nacional de Aparecida -SP

A Cultura abraça a fé: Unidos de Vila Maria brilha no Anhembi com enredo sobre os 300 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida – Emoção e Fé!

Escola Samba Unidos de Vila Maria de SP lembrou 300 anos da aparição da imagem da padroeira do Brasil e misturou samba com canto religioso em desfile grandioso, solene e emocionante.   A Vila Maria chamou representantes da Igreja Católica para ajudar a desenvolver o enredo. A Igreja ajudou com a pesquisa histórica e pediu que se evitasse a nudez e que o respeito e bom comportamento fossem mantidos, assim a escola de samba fez na avenida, acolheu as orientações da igreja e deu um show a parte uma linda e emocionante homenagem a Nossa Senhora Aparecida.

A rainha de bateria Dani Bolina, por exemplo, usou figurino “comportado”. Foram 3500 componentes e cinco carros na avenida, em uma hora de desfile.

No enredo chamado “Aparecida – a rainha do Brasil: 300 anos de amor e fé no coração do povo brasileiro”, a Vila Maria mostrou os vários milagres atribuídos a ela e a devoção dos seguidores.

A comissão de frente encenou a história da aparição da imagem em 1717, diante de três pescadores. Após acharem a imagem de barro, eles voltaram a jogar a rede no rio. A rede voltou repleta de peixes, diz a história – o primeiro milagre atribuído a ela.

Até a representação de Nossa Senhora na música popular brasileira foi mostrada no enredo “Romaria”, de Renato Teixeira, “Nossa senhora, cuida do meu coração”, de Roberto e Erasmo Carlos e “Negra Mariama”, de Milton Nascimento.

maria 01.jpg

maria-7

vila-maria-alm4768-alan-morici-g1

Confira o enredo e todo seu significado

Ficha Técnica – Enredo 2017

Presidente
Adilson José
Supervisão Geral
Direção de Carnaval
(Demis Roberto e Marcelo Muller)
 
Pesquisa Histórica
Marcelo Muller
 
Argumentação e Desenvolvimento de Enredo
Sidnei França

Desenvolvimento do Enredo

Prece de Abertura – Cântico da Aparição
Aparecida das Águas… Do Caminho de Vila Rica ao Milagre da Fartura… Óh, Virgem Santa!
 
Prece nº 1 – Cântico de Devoção
Nossa Senhora da Conceição Aparecida… No Cortejo da Fé Ardente, Um “Caso de Amor e Devoção”
 
Prece nº 2 – Cântico de Luz
No Percurso da História o Teu Brilho Reluz… A Coroa é de Ouro, o Manto é Azul!
 
Prece nº 3 – Cântico dos Milagres
Nas Súplicas do Povo, o Clamor de Salvação e Liberdade… Milagres da “Mãe Negra”
 
Prece nº 4 – Cântico de Proteção
Embala Nossa Pátria Mãe Gentil… És Consagrada Padroeira… A Rainha do Brasil!
 
Prece nº 5 – Cântico de Paz
No Coração dos Fieis, o Relicário da Paz… 300 Anos de Amor!

Apresentação do Enredo

Todas as vezes que venho ver Aparecida
Venho pensando e tentando entender a imagem pequena,
Maria morena, ferida e alquebrada, no rio jogada, depois encontrada
Escola de fé!
A rede pescou, o povo juntou, de manto a cobriu, da cor do Brasil
E então coroou…
E o pobre e o rico, o branco e o negro, caboclos e índios se deram as mãos
Mil vezes Aparecida!
(Padre Zezinho)

 

Sob a luz do carnaval, o Grêmio Recreativo Cultural Social Escola de Samba Unidos de Vila Maria faz de seu desfile um momento de profunda celebração da fé. Emoção infinita e inesgotável, que embala na procissão do carnaval os divinos mistérios que envolvem um dos maiores símbolos de fé do povo brasileiro.
Um inexplicável sentimento toma conta de toda uma comunidade. Sentimento que floresce, cresce, comove, arrebata e propaga dentre todos os sambistas. Corações se inundam de amor. Almas reluzem na fé. Formada por um povo fiel, devoto e apaixonado, a nossa Escola de Samba faz do samba oração em louvor a ela… A Rainha dos Céus, Mãe dos Homens: Nossa Senhora da Imaculada Conceição Aparecida!
Deixamos a ti – Virgem Santa – a nossa felicidade plena em forma de preces. Preces entoadas por milhares de corações “unidos”, reunidos e guardados por teu manto de amor. Desfilando com o brilho da tua luz, dedicamos a ti o nosso canto mais puro de “amor e devoção”, pois a fé em ti é sublime e inabalável.
Rogai por nós, iluminai teus filhos… Óh, Mãe de Deus!

Avante, com fé… Unidos de Vila Maria


Sinopse do Enredo

“Sempre que o meu pranto rolar
Ponha sobre mim suas mãos
Aumenta minha fé e acalma o meu coração”
(Trecho de “Nossa Senhora”, de Erasmo Carlos e Roberto Carlos)


Prece de Abertura – Cântico da Aparição
Aparecida das Águas… Do Caminho de Vila Rica ao Milagre da Fartura… Óh, Virgem Santa!
Óh! Mãe Aparecida… Vieste a nós!
Pelos Caminhos do Ouro, no Vale do Paraíba, naquele quinhão de terra, rincão do Brasil, tem início uma linda história de fé… A tua história!
Chega ao pequeno vilarejo a notícia de que o Conde de Assumar, Governador da Província de São Paulo e das Minas Geraes, estaria de passagem por ali a caminho de Vila Rica – terra de muito ouro e reluzentes diamantes.
Convocados pelo poder local e iluminados pelos céus, três pescadores seguem a procura de peixes no Rio Paraíba. Desceram o rio e nada conseguiram… Depois de muitas tentativas, eis que um deles lançou a rede nas águas e apanhou o corpo de uma imagem de barro… Era Nossa Senhora da Conceição, sem a cabeça. Lançou novamente a rede e apanhou a cabeça da mesma imagem.
Bendita rede, iluminada trama de humilde ofício!… Dali em diante, peixes chegaram em abundância para aqueles três humildes pescadores… Eis o primeiro milagre… O milagre da fartura!
 
“Aparecida” das Águas… Do Caminho de Vila Rica ao Milagre da Fartura… Óh, Virgem Santa!
 
Prece nº 1 – Cântico da Devoção
Nossa Senhora da Conceição Aparecida… No Cortejo da Fé Ardente, Um “Caso de Amor e Devoção”
Óh! Mãe Aparecida… Espalhaste em nossos corações o teu louvor!
No auge do esplendor barroco do Vale do Paraíba a devoção foi crescendo no meio do povo sofrido e muitas graças foram alcançadas por aqueles que rezavam diante de ti, a santa que “apareceu”… Desde então és tu… “Aparecida”!
De um oratório de família, viraste posse do vigário, foste aberta à visitação pública… Mas foi graças aos bandeirantes e aos tropeiros – que ali faziam suas paragens rumo às riquezas das Geraes – que a fama dos teus poderes extraordinários, Nossa Senhora da Imaculada Conceição “Aparecida”, foi se espalhando pela vastidão desse país menino.
O número de fiéis aumentava a cada dia… A louvação à ti, Mãe Santa, crescia, multiplicava, e número de romeiros só fazia aumentar… Eis no coração do povo a louvação à Rainha dos Céus!
Na peregrinação do povo à Mãe Virgem, os caminhos da fé ardente… Para aquela gente simples e sofrida daquele projeto de nação, foi o alento…
No cortejo da fé ardente, és um “caso de amor e devoção”!
Prece nº 2 – Cântico de Luz
Óh! Virgem… No Percurso da História o Teu Brilho Reluz… A Coroa é de Ouro, o Manto é Azul!
Óh! Mãe Aparecida… Iluminaste este povo com o brilho da fé!
A tua luz foi vista por famosos estrangeiros… A fé misericordiosa em ti ganhou retrato na pintura de Debret… Naturalistas registraram costumes em teu louvor… Saint-Hilaire se encanta ao observar sinais de profunda comoção à tua imagem,
Em tua capela teria rezado Dom Pedro I, pedindo luz e proteção para a mais nobre missão de sua existência: A Independência do Brasil!
Também da nobreza vieram presentes a ti em sinal de agradecimento… Presentes da Princesa Isabel, que dariam a forma definitiva pela qual te tornaria popularmente conhecida: O manto e a coroa!
Surge a Basílica Velha… Através da Estrada de Ferro do Norte, a fé em ti – Nossa Senhora Aparecida – percorre distâncias e arrebata rincões inimagináveis… De fenômeno da fé local, torna-te estandarte da crença do povo brasileiro… És a santa nos trilhos da fé!
Óh! Mãe Amantíssima, no percurso da história o teu brilho reluz… A coroa é de ouro, o teu manto é azul!
Prece nº 3 – Cântico dos Milagres
Nas Súplicas do Povo, o Clamor de Salvação e Liberdade… Milagres da “Mãe Negra”
Óh! Mãe Aparecida… Tem de piedade de nós!
Dia-a-dia, sol a sol… Súplica, gratidão, clamor e fé!
Milhares de fieis percorrem distâncias muito além do que se possa sequer imaginar para a ti pedir, mas também para agradecer… Vem dos quatro cantos do Brasil devotos testemunhando milagres atribuídos à vossa misericórdia… Romeiros em preces clamam: Rogai por nós… Óh! Mãe Santa!
Muitos são teus milagres popularmente reconhecidos… Milagre da onça, testemunho da fé na salvação… Milagre do cavalo preso, exemplo da fé que comove e impulsiona… Milagre das velas, demonstrando a fé persistente que acende a alma… Porém, milagre maior foi o do Negro Zacarias, pois igual a este jamais se viu. Verdadeiro louvor da fé na liberdade. Dádiva divina que serviu de alento e esperança no raiar de um novo tempo… A fé rompeu grilhões!
Para quem clama por ti, Virgem Aparecida, é certa a graça a alcançar, pois a verdadeira fé – absoluta e altaneira – faz sonhar com o fim dos percalços do caminho e acreditar no impossível.
Afinal, nas súplicas do povo o clamor de salvação e liberdade… Os teus milagres são nosso amparo… Milagres da Mãe Negra!
Prece nº 4 – Cântico de Proteção
Embala Nossa Pátria Mãe Gentil… És Consagrada Padroeira… A Rainha do Brasil!
Óh! Mãe Aparecida… Cobriste este país com teu sagrado manto… Olhai por nós!
Desde muito tempo, quando o Brasil sequer sabia o tamanho do Brasil, tua pequena imagem se tornara símbolo da identidade de um povo moreno na pele e rico na fé.
E fora tua divina proteção – materialização de súplicas atendidas – que fizeram com que singela e amorosa figura se perpetuasse na memória e no sentimento da nação, entrando em todos os lares.
Conhecendo intimamente todos os corações brasileiros.
Inestimável a identificação e imensa a confiança do povo em sua santa de devoção, escolhida por corações radiantes de fé, sendo proclamada honrosamente a “Rainha do Brasil”… Porém, clamor maior não poderia haver senão a consagração definitiva: Padroeira!
De lá para cá, batizaste Marias, Aparecidas, Cidos, Cidas e Cidinhas… Culturalmente se faz presente nas telonas dos cinemas, nas telinhas da TV… Abençoaste uma legião de caminhoneiros que percorre as artérias desse país… Nos rodeios, a fé sertaneja exalta a ti, Santa Protetora!
E as canções… Ah! São tantas as canções de fé… Da “romaria de caipira, Pirapora, Nossa Senhora de Aparecida”, dos fieis peregrinos que pedem para cuidar da “sua vida, do seu destino, do seu caminho”… Cuida dos filhos teus!
Orgulhosamente, és tu o símbolo maior dessa pátria mãe gentil… És a nossa Padroeira… A Rainha do Brasil!
Prece nº 5 – Cântico de Paz
No Coração dos Fieis, o Relicário da Paz… 300 Anos de Amor!
Óh! Mãe Aparecida… Zelai por nós e cubra-nos de amor!
Em teu louvor foi consagrada a cidade onde escolheste se tornar “Aparecida”… Um Santuário foi erguido em tua fé… Abrigo do povo, casa de Deus… Cenário da infinita beleza da fé popular.
Virgem Mãe… Cubra de paz esse povo sofrido, sedento de amor, de compaixão e de esperança… Proteja a todos sob teu manto… Cuida daqueles que se curvam diante de sua misericórdia… Relicário da paz!
Hoje, a Unidos de Vila Maria clama pelo futuro desse país menino que ainda aprende a cuidar dos filhos teus… Filhos que esperam por ti… Óh! Mãe de Deus!
Nossa Senhora Aparecida… Tua luz nos guia e aponta o caminho. A ti cantamos em louvor…
São sessenta e cinco minutos em romaria, por 300 anos de amor!
Rogai por nós, óh! Mãe… Amém!
 

Sidnei França: Carnavalesco Unidos de Vila Maria


AGORA CANTE E ESCUTE O ENREDO – UMA VERDADEIRA ORAÇÃO 
Aos teus pés vou me curvar
Senhora de aparecida
A prece de amor que nos uniu
Salve a rainha do BrasilPedi aos céus
Para iluminar essa jornada
Seguir com fé na caminhada
Santa aparecida dessas águas
Fez a nossa rede prosperar
Virgem Conceição Imaculada
Os teus feitos vão se revelar
Num choro incontido
O nó na garganta
A história marcada em devoção
Jóia da princesa pra te coroar
Presente que acalanta o coração

Oh senhora, oh senhora
Reluz teu manto azul bordado em ouro
A benção de viver a tua glória

Milagre
É lindo ver o povo venerando
Pagando promessas em oração
Negra mãe, divina liberdade
Do impossível és a salvação
O cortejo vem te receber
E eu já posso ouvir a cantoria
É gente abraçada a chorar
Vila Maria abraçada vem pedir
Pátria mãe gentil
Não deixa de exaltar a padroeira
Pro bem do meu país
Nos dê a paz bendita e verdadeira

A escola Unidos de Vila Maria é uma das mais tradicionais de São Paulo, criada em 1954. Desde 2002 participou todos os anos do grupo Especial, exceto em 2014, quando foi campeã do Acesso. Sua melhor colocação recente foi o vice-campeonato em 2007 e o 5º lugar no grupo das campeãs de 2016.

Foi um feito histórico que ficará marcado na mente de todo o povo Brasileiro, no ano nacional Mariano a famosa frase que viralizou  nas redes sociais nos últimos meses e é tema de uma canção do Ministério de Música Colo de Deus “acaso não sabeis que sou da Imaculada” – “acaso não sabeis que 2017 é da imaculada”, vem confirmado que Maria está olhando por todos nós Brasileiros, que Ela intercede sempre pelas nossas necessidades. Podemos dizer com base na frase que 2017 é todo da Imaculada sem sombra de dúvida pois, até no carnaval Ela imperou como Rainha da nossa Nação.

Nota 10 para a cúpula da Igreja que autorizou essa manifestação de fé, cultura e devoção a Virgem Maria Mãe Aparecida – Parabéns a Escola Unidos de Vila Maria, foi um belo e respeitoso desfile. Que pelas mãos de Maria venha o título de Campeã do Carnaval Paulistano 2017.

Aos teus pés vou me curvar, Senhora de aparecida, A prece de amor que nos uniu, Salve a rainha do Brasil – SALVE MARIA !!

Por Bruno Henrique / Gestor do Portal Terra de Santa Cruz

Referências/fontes: http://www.unidosdevilamaria.com.br – Fotos: g1.com

Nossa Senhora Aparecida no Carnaval, por Dom Odilo Scherer

Sou muito devoto da Mãe de Jesus, Nossa Senhora, invocada com carinho sob muitos títulos. Desde criança, aprendi a rezar o terço, a cantar à “Mãezinha do Céu” e a me consagrar a ela todos os dias. Com o povo católico, alegro-me pela comemoração dos 300 anos do achado da imagem sagrada da Mãe Aparecida e escrevi, recentemente, uma carta pastoral à Arquidiocese de São Paulo, com o título “Viva a Mãe de Deus e nossa”, sobre o lugar de Maria no coração de Deus, de Jesus Cristo e da Igreja, não podendo estar ausente do coração dos cristãos. E fico triste cada vez que se desrespeita a Mãe de Jesus; é como se fosse destratada minha própria mãe.

Desejo, pois, desfazer dúvidas e temores a respeito da “homenagem a Nossa Senhora Aparecida” que a escola de samba “Unidos de Vila Maria” vai fazer no carnaval de 2017, em São Paulo. No dia 25 de março de 2015, fui procurado pelos representantes da citada escola de samba. Em vista do 3º centenário do encontro da imagem sagrada nas águas do rio Paraíba do Sul, achavam que seria a ocasião propícia para apresentar o tema de Aparecida num enredo do carnaval de 2017, como um tributo a Nossa Senhora Aparecida. Indaguei sobre o formato da proposta que apresentavam e, desde logo, procurei verificar se era algo sério, que não desrespeitasse minimamente a Mãe de Jesus, ou debochasse da fé do povo católico. Obtive todas a explicações que desejava e lhes informei que era necessário refletir e que a “autorização” pedida não dependia apenas do arcebispo de São Paulo. Eles, desde logo, se dispuseram a aceitar todas as orientações de nossa parte. Mais ainda: pediram uma supervisão, da parte da Igreja, para os preparativos da homenagem.

Nossa Senhora Aparecida no Carnaval

A questão foi levada ao conhecimento do Conselho Pro-Santuário Nacional de Aparecida, encarregado de acompanhar, em nome da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a vida pastoral e administrativa do Santuário. Participam do Conselho, além do Arcebispo de Aparecida e do Presidente da CNBB, vários outros arcebispos do Brasil e também o Reitor da Basílica. O pedido da “Vila Maria” foi exposto na reunião de 27 de março de 2015. Levantaram-se várias questões e foram pedidos esclarecimentos, em vista de uma resposta à Escola Unidos de Vila Maria.

O Conselho, por unanimidade, deu parecer favorável à iniciativa, mas recomendou que fossem observados alguns critérios: 1. Respeito à imagem de Nossa Senhora Aparecida, à fé e à religiosidade do povo católico; 2. Fidelidade aos fatos históricos; 3. Apresentação da genuína piedade mariana católica, sem sincretismos; 4. Decoro no desfile da escola, sem exposição de nudez; 5. Supervisão dos preparativos pelo Santuário de Aparecida e pela Arquidiocese de São Paulo.

“Para alguns, a iniciativa pode parecer chocante, pois o carnaval e o sambódromo não seriam os locais mais adequados para homenagear Nossa Senhora”.

A agremiação aceitou sem reservas todos esses critérios. Os Diretores da “Unidos de Vila Maria” asseguraram que também eles são devotos de Nossa Senhora Aparecida e, longe de desrespeitarem a Mãe de Deus, eles lhe queriam tributar uma singela homenagem, em nome de todos os brasileiros. O Reitor do Santuário Nacional e representantes da Arquidiocese de São Paulo acompanharam a elaboração da proposta do desfile. Antes da confecção das alegorias, os projetos e a letra do samba-enredo foram mostrados e receberam sugestões. Por isso, até o presente, não há motivos para pensar que a imagem de Maria seja profanada, nem que seja desrespeitada a fé dos católicos. Na sede da “Unidos de Vila Maria” há um nicho com a imagem de Nossa Senhora Aparecida, sempre com flores, e as pessoas rezam diante dela.

A apresentação consistirá numa série de alegorias, música e danças, narrando o encontro da imagem, o contexto histórico e social da época, as primeiras devoções e milagres, a relação da Princesa Isabel com Aparecida, oferecendo o manto e a coroa, a construção das duas basílicas, as romarias e o significado cultural da devoção a Nossa Senhora Aparecida. Trata-se de algo mais amplo do que uma homenagem religiosa.

“Mas será que Maria não gostaria de chegar lá, onde mais se faz necessária a sua presença?”

Para alguns, a iniciativa pode parecer chocante, pois o carnaval e o sambódromo não seriam os locais mais adequados para homenagear Nossa Senhora. Até pode ser, pois tudo depende da intenção e da forma como as coisas são feitas. No caso em questão, a intenção é boa e a forma também. O lugar seria impróprio para honrar a puríssima Virgem Maria? Mas será que Maria não gostaria de chegar lá, onde mais se faz necessária a sua presença?

Pensemos bem: não rezamos a Santa Missa em praças, estádios e ginásios de esporte, onde tantas coisas pouco decorosas acontecem e são ditas? Não levamos nós o Santíssimo Sacramento para as praças e avenidas, onde acontecem injustiças e violência e prostituição? Para as cracolândias e outros locais, onde se profana a dignidade humana e o santo nome de Deus? Não foi para os pecadores que Jesus veio ao mundo? E sua Mãe Santíssima não iria com Ele a esses locais? E Jesus não entrou na casa de publicanos e pecadores, escandalizando fariseus e mestres da Lei? E não permitiu que uma mulher, conhecida de todos como pecadora, banhasse seus pés com as lágrimas, os beijasse e ungisse com perfume? E os católicos não poderiam honrar o nome de Deus, professar sua fé e prestar homenagem a Nossa Senhora também no sambódromo?

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo

Por A12.com

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz- A serviço da Evangelização

“São Vocês que Tomam Posse da Minha Vida e do Meu Ministério”, diz Dom Orlando Brandes em Cerimônia de Posse na Arquidiocese de Aparecida-SP

Os 13 sinos do Campanário de Aparecida badalaram de maneira forte várias notas que indicavam um dia de celebração, de comunhão e de alegria. A manhã nublada do dia 21 de janeiro de 2017 agora está marcada na história de Aparecida. É um dia de forte emoção, de um novo passo, um dia que presenteia o Santuário Nacional de Aparecida e a Arquidiocese com um novo pastor. Hoje foi dia de Boas-Vindas, momento em que dom Orlando Brandes recebe o báculo das mãos do Cardeal dom Raymundo Damasceno Assis, antecessor querido pelo povo, que deixa a arquidiocese após 13 anos de muita dedicação, compromisso e boa-vontade.

Dom Orlando recebe a missão em um momento muito especial, pois é um Ano Mariano, um tempo em que se comemora os 300 anos do encontro da Imagem de Aparecida e uma ocasião histórica para o Santuário Nacional.

Durante a celebração de posse na missa das 9h, todo o povo de Deus acolheu o novo arcebispo espontaneamente, com palmas, com jeito caloroso e com muita alegria.

O altar central repleto de bispos e arcebispos de todo o Brasil, também contou com a presença do Núncio Apostólico no Brasil, dom Giovanni D’Aniello, que fez questão de exortar palavras de boas-vindas e acolhimento e agradecer o empenho e o cumprimento da missão de dom Damasceno nos últimos 13 anos.

Posse de Dom Orlando Brandes no Santuário Nacional_Fotos: Denílson Luís/Santuário Nacional
Posse de Dom Orlando Brandes_Fotos: Denílson Luís Santuário Nacional

Na animação da celebração, o missionário redentorista e ecônomo do Santuário Nacional, padre Daniel Antônio, representou todo o Povo da Arquidiocese em agradecimento ao Cardeal Damasceno por toda a sua vida dedicada à Igreja no Brasil. “Com certeza o seu nome já está escrito entre aqueles que muito colaboraram para a história da devoção à Rainha e Padroeira do Brasil”, disse.

Ao novo arcebispo, deu as mais festivas boas-vindas. “Como cristãos batizados e devotos de Nossa Senhora, dizemos com o senhor que somos operários de Deus e por isso, juntos, queremos ajudá-lo na obra evangelizadora da Igreja”.

Representantes das Paróquias e dos três Santuários da Arquidiocese de Aparecida fizeram procissão, seguidos pela Imagem de Nossa Senhora Aparecida e a de Santo Antônio de Sant’Ana Galvão. Enquanto cantavam o “Hino dos 300 Anos”.

O Colégio de Consultores da Arquidiocese de Aparecida também posicionou-se para acolher o novo arcebispo, quando, na sequência, dom Orlando também passou por todas as Naves do Santuário aspergindo a Assembleia.

Durante a homilia fez saudação aos presentes, as irmãs Mensageiras do Amor Divino, as religiosas missionárias Claretianas, todo o povo da arquidiocese e o clero diocesano, os missionários redentoristas, peregrinos e romeiros e autoridades políticas e públicas.

Dom Orlando pediu orações e de maneira forte disse: “São vocês que tomam posse da minha vida e do meu ministério em Aparecida”.

Lembrou a consagração do padre Vitor Coelho: “Embora indigno de pertencer ao número de vossos filhos e filhas, mas cheio do desejo de participar dos benefícios de vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o meu entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis; consagro-vos a minha língua para que sempre vos louve e propague a vossa devoção; consagro-vos o meu coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas…”

Mencionou que Deus conhece todas as coisas antes de acontecerem e que não está em Aparecida por acaso, nem por interesse, nem por conveniência e que substituir dom Damasceno é um privilégio imerecido.

A equipe de reportagem do Portal A12, ele disse, antes da celebração, que gosta muito da bíblia, da Igreja que é missionária e que nunca esquece os mais pobres e que o Povo da arquidiocese pode esperar um bispo em busca de um espírito de comunhão, espírito de família. “Podem me procurar para o diálogo, para o entendimento, quero logo, imediatamente conhecer as paróquias, as lideranças. Quero dar um apoio muito grande aos padres, aos fiéis e também ao Santuário, com bastante unidade com os missionários redentoristas. Tenham toda a liberdade de colocar os seus pensamentos, suas sugestões, pois eu quero aprender”.

Fez uma alusão desse novo momento com o encontro da Imagem, dizendo que os pescadores eram três e que tudo começou com um pequeno grupo e depois a Imagem foi para as casas. “Eu acredito muito nesse pequeno grupo que depois virou multidão. Hoje somos 12 milhões de peregrinos que anualmente passam por aqui, vamos acreditar na ‘Igreja família’, na Igreja em casa, vamos lançar as redes nas aguas mais profundas”.

Dom Orlando também falou que da mesma maneira como a Imagem é de barro, nós também somos, e por isso somos frágeis. “Assim como a Imagem quando foi quebrada, foi o pecado que quebrou o nosso relacionamento com Deus, entre nós, conosco mesmos e com a natureza. Pelo o fato de ter sido encontrada no Rio Paraíba do Sul, temos a obrigação e a responsabilidade com a natureza, com àgua, com a ecologia, com todo esse projeto de salvar a nossa casa comum. Santuário rima com santidade, me ajudem a ser mais santo, vamos todos sermos mais santos e o Brasil será bem melhor”, finaliza.

Ao final da celebração representantes do clero, do município, dos leigos e dos religiosos falaram palavras de apreço e acolhimento ao novo pastor de Aparecida.

Antes da leitura da Ata de posse, o reitor do Santuário, Padre João Batista entregou de maneira simbólica a chave da casa dos Redentoristas, também a Imagem Fac-Símile de Aparecida e o Manto produzido pelas Irmãs Carmelitas e falou em nome de toda a família da Campanha dos Devotos

 

Fotos: Denílson Luís – Santuário Nacional de Aparecida 

Fonte: A12.com

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

 

Papa Francisco concede indulgência plenária aos fiéis durante o Ano Nacional Mariano

Remissão poderá ser alcançada com peregrinação ao Santuário de Aparecida ou a paróquias dedicadas à padroeira do Brasil

Os fiéis brasileiros poderão alcançar indulgência plenária durante o Ano Nacional Mariano. A Penitenciária Apostólica anunciou o pedido do papa Francisco para o reconhecimento do ano jubilar em curso no Brasil e a concessão da indulgência para aqueles que “verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade” visitarem na forma de peregrinação a basílica do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP), ou qualquer igreja paroquial do Brasil dedicada à padroeira do país.

Convocado pela Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o Ano Nacional Mariano foi estabelecido como um tempo para celebrar, fazer memória e agradecer pelos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição no rio Paraíba do Sul. A iniciativa de proclamação, aprovada pela 54ª Assembleia Geral da CNBB, teve início no dia 12 de outubro de 2016 e segue até o dia 11 de outubro de 2017.

Indulgência

Para alcançar a indulgência plenária, serão necessárias as condições habituais: a confissão sacramental, a comunhão eucarística e a oração na intenção do santo padre, o papa. O documento enviado pelo Supremo Tribunal da cúria romana ressalta que a remissão será concedida “aos fiéis verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade, se em forma de peregrinação visitarem a basílica de Aparecida ou qualquer Igreja paroquial do Brasil, dedicada a Nossa Senhora Aparecida”.

No local, deverão “devotamente participar das celebrações jubilares ou de promoções espirituais ou ao menos, por um conveniente espaço de tempo, elevarem humildes preces a Deus por Maria”. A conclusão deste momento deve acontecer com a Oração Dominical, pelo Símbolo da Fé e pelas invocações da Beata Maria Virgem, em favor da fidelidade do Brasil à vocação cristã, impetrando vocações sacerdotais e religiosas e em favor da defesa da família humana”.

“A indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa. O fiel bem-disposto obtém esta remissão, em determinadas condições, pela intervenção da Igreja que, como dispensadora da redenção, distribui a aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações (isto é, dos méritos) de Cristo e dos santos” (Paulo VI, Constituição Apostólica Indulgentarium doctrina, Normae I: AAS 59 (1967) 21)

Idosos e enfermos

O documento enviado pelo organismo do Vaticano também estabelece uma condição especial para a obtenção das indulgências pelos devotos fiéis impedidos de fazer sua peregrinação por conta da velhice ou por grave doença. Igualmente poderão alcançar se “assumida a rejeição de todo pecado, e com a intenção de cumprir onde em primeiro lugar for possível as três condições, espiritualmente se dedicarem diante de alguma pequena imagem da Virgem Aparecida, a funções ou peregrinações jubilares, ofertando suas preces e dores ao Deus misericordioso por Maria”.

Orientações aos padres

De acordo com a orientação da Penitenciária Apostólica, os sacerdotes aos quais está confiado o cuidado pastoral da basílica de Aparecida e os párocos das paróquias que possuem o título de Nossa Senhora Aparecida deverão “com animo pronto e generoso” se oferecer para a celebração da Penitência e muitas vezes administrar “a Sagrada Comunhão aos enfermos”.

O pedido de concessão da indulgência durante o Ano Nacional Mariano foi feito pelo arcebispo emérito de Aparecida (SP), cardeal Raymundo Damasceno Assis. Na solicitação, o cardeal explicou que durante o tempo jubilar na Igreja no Brasil serão realizadas “várias celebrações sagradas e peregrinações em honra da celeste Padroeira do Brasil não só na Basílica Nacional Santuário de Aparecida, mas também em todas as igrejas paroquiais dedicadas em honra d’Ela” para que cresça nos fiéis “piedoso afeto para com a ‘Virgem Aparecida’ e assim se tornem mais fortes nos veneradores d’Ela a fé, a esperança e a caridade, e eles próprios, refeitos pelos sacramentos, sejam mais e mais estimulados a conformarem a vida ao Evangelho”.

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

Papa concede ao Santuário Nacional título de Igreja-Catedral

Um decreto do Papa Francisco autorizou a transferência do título de Catedral Arquidiocesana de Aparecida da igreja Santo Antônio, em Guaratinguetá, ao Santuário Nacional de Aparecida. O documento foi enviado à Arquidiocese de Aparecida, no último dia 22 de outubro, e foi divulgado nessa semana pela instituição.

O Decreto da Congregação para os Bispos será promulgado pelo Delegado do Senhor Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni d’Aniello, durante a Santa Missa a ser celebrada no dia 12 de novembro, às 9h, no Santuário Nacional.

“Com a transferência, fica extinto o título de Catedral do templo dedicado a Deus, em honra de Santo Antônio, na cidade de Guaratinguetá, passando, então, o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida ao grau e dignidade de Igreja-Catedral da mesma Arquidiocese”, destaca o arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis, em nota oficial.

Segundo o cardeal, a transferência do título para o Santuário Nacional não retira a importância da igreja matriz de Santo Antônio, em Guaratinguetá, que é a primeira igreja da Arquidiocese.

Para o reitor do Santuário Nacional de Aparecida, padre João Batista de Almeida, a recepção desse título indica a importância do Santuário Nacional para a Igreja arquidiocesana. “A Catedral é a igreja oficial do Bispo, o bispo não tem uma paróquia, porque todas as paróquias são da Diocese, mas ele tem uma igreja oficial, a Catedral, e tem esse nome justamente por causa da cátedra. A cátedra está ligada a autoridade episcopal, e ele é e autoridade máxima, e por isso, a cátedra dele está ali”. Segundo o reitor, o título consolida uma atitude já assumida pelo arcebispo. “Dom Damasceno sempre fez os seus anúncios oficiais e as celebrações aqui do Santuário porque ele entendeu sempre que o Santuário é a Catedral”.

O que representa uma Catedral

Cátedra do bispo no Santuário Nacional (Elisangela Cavalheiro/A12) Cátedra de Dom Damasceno com seu brasão episcopal presente no Altar Central do Santuário. 

Um igreja-catedral é a igreja oficial do Bispo ou também igreja-mãe de todas as outras da diocese. Ela representa o sinal do magistério do Bispo e do seu poder como pastor daquela Igreja particular, bem como sinal da unidade dos fiéis na fé que o Bispo anuncia como autêntico pastor do rebanho. Nela fica a cátedra de um Bispo, que é a cadeira do bispo. 

Segundo José Aldazábal, grande liturgista, a palavra Cátedra tem sua origem no grego: kathedra, composta, por sua vez, da junção de duas palavras: kata (no alto) e hedra (assento). Da mesma raiz é a palavra cadeira. Chama-se cátedra a um assento solene.

Fonte: Com informações da assessoria da Arquidiocese de Aparecida. A12.com

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

Jovens farão homenagem às Mães em Aparecida

A Juventude do JUMI – Juventude em Missão, projeto do Santuário Nacional para a Juventude – fará homenagem especial às mães no Santuário Nacional de Aparecida.

Todo ano, no dia das mães, o Santuário Nacional de Aparecida dedica sua programação especialmente as mamães. Neste ano, a comemoração terá um toque diferente: a presença da juventude.

No dia 8 de maio, terá início também no Santuário a Semana da Juventude. Assim o reitor, Padre João Batista Almeida, fez um convite aos jovens: “O convite é que, como presente do dia das mães, o jovem venha participar da Missa das 10h com a sua mãe no Santuário Nacional”, explica o reitor do Santuário, padre João Batista Almeida.

 Neste dia, as mães serão homenageadas com um coral de 100 vozes que se apresentará.
Além disso, após a celebração, haverá show na Tribuna Bento XVI com a banda “Expresso HG” e descida de paraquedistas na explanada Papa João Paulo II.

Os atletas trarão a bandeira do JUMI – Juventude em Missão, projeto do Santuário Nacional para a Juventude – e de Nossa Senhora Aparecida.

Os presentes ainda poderão apreciar apresentações de dança, skate e outras atividades para a juventude. (MT/CNBB)

Por Aparecida(RV)

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz