Arquivo da categoria: Pastoral da Comunicação

Comunicar com coragem e alegria segundo o coração de Jesus: Mensagem dos Bispos para o Dia Mundial das Comunicações Sociais – Dioceses da Campanha, Guaxupé e Pouso Alegre

Não tenhais medo, que Eu estou contigo” (Is 43, 5).

Comunicar esperança e confiança, no tempo. Imbuídos do ânimo que o Papa Francisco contagia a todos, nós, Bispos da Província Eclesiástica de Pouso Alegre, vimos também deixar nossa mensagem de incentivo a todos os comunicadores espalhados pelas diversas paróquias de nossas (Arqui) Dioceses.

Em nossas (arqui) dioceses é visível o empenho, a animação e a busca de conhecimento de muitos padres e leigos no que diz respeito ao trabalho de comunicar a Alegria do Evangelho a todas as pessoas. É notório que cada ano que passa vê-se um aprimoramento dos trabalhos e uma inserção em várias plataformas de interação entre as pessoas e as comunidades. Estamos superando uma tendência de apenas mostrarmos acontecimentos e estamos fortalecendo a construção de conteúdos. Quantos programas de rádio, informativos paroquiais, programação em WebTV, conteúdos em várias redes sociais, mensagens e produtos de comunicação são elaborados com cuidado e carinho para levar aos fiéis um acesso à fé em Jesus Cristo.

Como nos lembra a saga do profeta Elias que caminhava para o Horeb, a Montanha do Senhor, para salvar a sua vida, ao sentir-se cansado desejou a própria morte. Foi necessário, então, parar debaixo de um “Junípero” (sob a inspiração do Espírito Santo) e acolher o que Deus lhe oferecia como repouso restaurador e alimento para a jornada.

Nós comunicadores sofremos a mesma tentação diante dos obstáculos e dificuldades. Quantos grupos pararam ou estão desanimados por que não encontram espaço e apoio. Vimos aqui para dizer-lhes: Não desistam! Podemos correr o risco de, muitas vezes, não agirmos corretamente para comunicar Jesus Cristo e seu Evangelho. Por isso precisamos refletir, encontrar caminhos.

Desta forma, seremos capazes de ouvir o que o Senhor nos fala: Levantem, retomem a caminhada e com coragem e alegria continuem a levar a Boa Nova de Jesus, “pois ainda tens um longo caminho para percorrer” (cf.1Reis 19, 1-7).

Contem com nossas orações, apoio e credibilidade. Como nos lembra o Papa Francisco em sua mensagem para o 51º Dia Mundial para as Comunicações Sociais: “A confiança na Semente do Reino de Deus e na lógica da Páscoa não pode deixar de moldar também nosso modo de comunicar”. Deixemo-nos ser moldados pelo amor de Deus e assim comunicaremos a verdadeira Vida.

Feliz Dia Mundial das Comunicações Sociais

Este slideshow necessita de JavaScript.

 Dom José Luiz Majella Delgado –  Arcebispo de Pouso Alegre

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dom Pedro Cunha Cruz – Bispo da Campanha

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dom José Lanza Neto – Bispo de Guaxupé

Fonte: www.diocesedacampanha.org.br – Mitra Diocesana da Campanha/MG Endereço: Rua Maestro Pompeu, 150 – Centro – CEP: 37.400-000 – Campanha (MG) – Fone: (35) 3261-1217 ou (35) 3261-2091

Foto Capa/ Animação Slides/Reprodução/Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

Quais são as regras que um fotógrafo deve respeitar dentro da igreja?

Como se comportar na igreja ao fotografar ou filmar eventos durante uma celebração? Há normas particulares a serem respeitadas?

Como se comportar na igreja ao fotografar ou filmar eventos durante uma celebração? Há normas particulares a serem respeitadas? É com o intuito de oferecer uma formação aos fotógrafos em geral, que deixamos algumas dicas dicas do liturgista e coordenador da revista italiana “Liturgia Culmen et Fons”, Enrico Finotti, sobre como fotografar dentro das igrejas com respeito aos ritos e celebrações. Ele explica que é preciso levar em consideração especialmente três aspectos:

escola-focus-camera-1

1. Sentido do sagrado

Seja ou não católico praticamente, para realizar de forma correta o serviço fotográfico (ou vídeo) em uma celebração litúrgica, é preciso ter o sentido do sagrado. Já quem é católico de verdade deve ter um mínimo de consciência de que, nas celebrações litúrgicas da Igreja, o Senhor está presente.

Estar em uma igreja não é a mesma coisa que estar em uma praça ou em outro lugar da vida cotidiana. O católico bem formado sentirá um impulso ao silêncio e à veneração, e cada um dos seus gestos será inspirado por tais sentimentos.

Mas também quem não é católico, se tiver senso de educação e respeito pelos outros, compreenderá com facilidade que é oportuno ter uma delicada atenção nos lugares de culto, onde seus semelhantes se encontram com o sobrenatural e exercem seu dever perante Deus segundo o que dita sua religião.

Este sentido do sagrado, portanto, ainda que seja específico para o cristão, deve estar presente em toda pessoa de boa vontade inspirada pelos princípios do respeito às convicções religiosas de cada um.

2. Conhecimento dos ritos

O fotógrafo, repórter etc, se verdadeiramente quiserem fazer um serviço profissional, não podem contentar-se com sua preparação técnica, mas também identificar a estrutura geral da celebração, seus momentos mais importantes e os passos do evento que quer fotografar ou filmar.

É comum observar em álbuns de casamento, crisma, primeira comunhão etc., uma desconcertante marginalização das coisas mais importantes e a ausência dos momentos centrais e mais significativos do evento celebrado.

Além disso, o conhecimento da celebração ritual proporciona as melhores indicações para não atrapalhar indevidamente sequências fortemente marcadas pela oração contemplativa e, portanto, não suscetíveis de distrações incômodas.

3. Regras práticas

Estabelecidos os princípios gerais, é possível recordar algumas normas básicas de intervenção:

– Os lugares celebrativos: altar, sacrário, ambão e sede, com toda a área do presbitério, que os rodeia a protege, não deveriam ter jamais a presença de operadores midiáticos (fotógrafos, camera man etc.). Os profissionais não podem subir as escadas do altar nem se aproximar dele, nem permanecer perto do sacrário, nem aceder ao ambão, nem à sede presidencial..

– As partes mais sagradas do rito: a Oração Eucarística (Cânon) com a consagração e elevação; a distribuição da comunhão; a proclamação do Evangelho e das leituras deveriam poder ser feitas com o máximo da sacralidade e em um clima de oração e escuta atenta de Deus, que primeiramente fala ao seu povo e depois se imola por ele e se entrega em alimento de vida eterna. É evidente que a capacidade e a perícia de um fotógrafo se manifestam precisamente nesses momentos singulares, ao tirar fotos sem ser percebido.

– Um serviço lateral e escondido: é mais fácil colocar uma câmera de vídeo em lugares fixos, porém, mais difícil o serviço fotográfico, tanto pelos flashes como pelo necessário deslocamento em pontos diversos.

Finotti conclui sua explicação recordando que este serviço pode ser uma ocasião formidável para dar um testemunho de fé aos próprios clientes. De fato, um fotógrafo com uma fé autêntica pode se tornar um catequista singular.

Mais ainda: seu trabalho o coloca em uma situação propícia para levar a cabo um eficaz apostolado litúrgico: quase como um mistagogo, ele pode levar seus clientes (com seu comportamento, duas decisões e seus conselhos, dados com cortesia e competência) ao sentido de uma celebração litúrgica autêntica e participante.

Fonte: site Aleteia

Adaptação: PORTAL TERRA DE SANTA CRUZ – A SERVIÇO DA EVANGELIZAÇÃO 

CNBB:Reunião com bispos referenciais da Pastoral da Comunicação antecede Encontro Nacional

A reunião também tem como objetivo fazer os últimos acordos de trabalho para 5º Encontro Nacional da Pascom, que começará na noite desta quinta-feira, 14 de julho, no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida, também em Aparecida. Dom Darci considera que a proximidade dos dois eventos vai favorecer a união e o trabalho dos bispos, coordenadores e agentes da Pascom.

“Esses dois encontros, realizados em sequência, podem nos dar uma grande oportunidade de renovar nossos compromissos da Pascom em todo o Brasil”, afirma o arcebispo, destacando que o tema do Encontro Nacional da Pascom, “Comunicação e Liturgia”,  é de grande importância para o serviço que a Pastoral da Comunicação pode prestar para a Pastoral Litúrgica.

A Pascom está organizada em 15 dos 18 regionais da CNBB e conta, em todos eles, com uma equipe de coordenação. Tendo como missão principal animar os planos de comunicação das dioceses e paróquias, atua em quatro eixos: mobilização, formação, produção de material e espiritualidade do comunicador.

Entre os bispos referenciais está presente e o arcebispo do Rio de Janeiro, cardeal Orani João Tempesta, que foi presidente da então Comissão Episcopal para a Educação, Cultura e Comunicação. A atual comissão tem ainda a participação dos bispos auxiliares de São Paulo (SP), dom Devair Araújo da Fonseca, e do Rio de Janeiro (RS), dom Roque Sousa.

Fonte:CNBB

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz – Boa Nova Web Radio– A serviço da evangelização!

Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil – Comentário sobre o Doc 99 da CNBB

O jornalista Everton Barbosa, assessor de Comunicação e Imprensa da Arquidiocese de Maringá, propõe uma reflexão pedagógica sobre o Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil, lançado em 2014 pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Uma iniciativa particular que tem o objetivo de divulgar o Documento 99 da CNBB e motivar ações concretas de comunicação nas diversas realidades das comunidades católicas do país.

De acordo com a apresentação da CNBB, “O Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil tem como objetivo motivá-la a atualizar e aprofundar os conhecimentos e referências sobre a natureza e a importância da comunicação para a vida da comunidade eclesial nos processos de evangelização e no diálogo com a sociedade, tanto de seus pastores quanto de seus fiéis, tendo presentes as mudanças pelas quais o mundo vem passando, entre as quais está o avanço acelerado das tecnologias.”

Fonte: Arquidiocese Maringa

Portal Terra de Santa Cruz