Arquivo da categoria: Papa Francisco

Vaticano: Papa vai criar 5 novos cardeais

O Papa anunciou neste domingo que criará novos cinco cardeais “que representam a universalidade da Igreja” em um Consistório marcado para o próximo dia 28 de junho.

Os futuros cardeais provêm da Espanha, Suécia, Laos, El Salvador e Mali:

São eles:

Dom Jean Zerbo, Arcebispo de Bamako, no Mali

Dom Juan Jose Omella, Arcebispo de Barcelona, na Espanha

Dom Anders Arborelius, Bispo de Estocolmo, Suécia

Dom Louis-Marie Ling Mangkhanekhoun, Bispo e Vigário apostólico de Paksé, Laos

Dom Gregório Rosa Cháves, Bispo auxiliar da Arquidiocese de San Salvador, El Salvador

Missa

No dia 29 de junho, Solenidade de São Pedro e Paulo, o Papa concelebrará com os novos cardeais a Santa Missa.

Por Radio Vaticano 

Portal Terra de Santa Cruz 

Vaticano: Papa agradece viagem a Fátima

O Papa agradeceu hoje no Vaticano a todos os que viveram com ele a peregrinação a Fátima, a 12 e 13 de maio, recordando em particular o “silêncio” da oração e a canonização de Francisco e Jacinta Marto.

“Ontem [sábado] à tarde regressei da peregrinação a Fátima – vamos saudar Nossa Senhora de Fátima – e a nossa oração mariana de hoje assume um significado particular, carregado de memória e de profecia, porque olha para a história com os olhos da fé”, disse, provocando uma salva de palmas de milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

Antes da tradicional recitação da oração do Regina Coeli, que no tempo pascal substitui o ângelus, Francisco passou em revista os vários momentos das mais de 23 horas que acabou de passar em território português.

Em Fátima, sublinhou o Papa, há um “rio” de oração que “corre há 100 anos” para pedir a proteção da Virgem Maria sobre o mundo.

“Agradeço ao Senhor por me te dado a oportunidade de deslocar-me aos pés da Virgem Maria como peregrino de esperança e de paz”, declarou.

O Papa elogiou o “silêncio orante de todos os peregrinos” que o acompanharam desde o início, no seu recolhimento, diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima na Capelinha das Aparições.

“Criou-se um clima de recolhimento e contemplativo, no qual se viveram vários momentos de oração”, referiu.

Francisco deixou uma referência à presença de “muitos doentes”, que considerou “protagonistas da vida litúrgica e pastoral de Fátima, como de qualquer santuário mariano”.

O Papa agradeceu “de coração”, pela sua viagem, “aos bispos, o bispo de Leiria-Fátima, às autoridades do Estado, o presidente da República, e a todos os que ofereceram a sua colaboração”.

Este sábado, ao deixar Portugal, Francisco enviou uma mensagem a Marcelo Rebelo de Sousa, na qual manifestava “profunda gratidão” ao povo português pelo seu “caloroso acolhimento e hospitalidade” e deixava votos de “paz e alegria” para o país.

Já o presidente da República Portuguesa, após a partida do Papa, enviou ao pontífice a seguinte mensagem: “Portugal agradece a inesquecível peregrinação de Vossa Santidade a Fátima”.

Por Radio Vaticano 

Portal Terra de Santa Cruz

A íntegra da homilia de Francisco na canonização dos pequenos pastores no centenário de Fátima

Confira abaixo a íntegra da homilia pronunciada pelo Papa na canonização dos pequenos Francisco e Jacinta Marto, na manhã de sábado, 13 de maio, em Fátima:

«Apareceu no Céu (…) uma mulher revestida de sol»: atesta o vidente de Patmos no Apocalipse (12, 1), anotando ainda que ela «estava para ser mãe». Depois ouvimos, no Evangelho, Jesus dizer ao discípulo: «Eis a tua Mãe» (Jo 19, 26-27). Temos Mãe! Uma «Senhora tão bonita»: comentavam entre si os videntes de Fátima a caminho de casa, naquele abençoado dia treze de maio de há cem anos atrás. E, à noite, a Jacinta não se conteve e desvendou o segredo à mãe: «Hoje vi Nossa Senhora». Tinham visto a Mãe do Céu. Pela esteira que seguiam os seus olhos, se alongou o olhar de muitos, mas… estes não A viram. A Virgem Mãe não veio aqui, para que A víssemos; para isso teremos a eternidade inteira, naturalmente se formos para o Céu.

Mas Ela, antevendo e advertindo-nos para o risco do Inferno onde leva a vida – tantas vezes proposta e imposta – sem-Deus e profanando Deus nas suas criaturas, veio lembrar-nos a Luz de Deus que nos habita e cobre, pois, como ouvíamos na Primeira Leitura, «o filho foi levado para junto de Deus» (Ap 12, 5). E, no dizer de Lúcia, os três privilegiados ficavam dentro da Luz de Deus que irradiava de Nossa Senhora. Envolvia-os no manto de Luz que Deus Lhe dera. No crer e sentir de muitos peregrinos, se não mesmo de todos, Fátima é sobretudo este manto de Luz que nos cobre, aqui como em qualquer outro lugar da Terra quando nos refugiamos sob a proteção da Virgem Mãe para Lhe pedir, como ensina a Salve Rainha, «mostrai-nos Jesus».

Queridos peregrinos, temos Mãe. Agarrados a Ela como filhos, vivamos da esperança que assenta em Jesus, pois, como ouvíamos na Segunda Leitura, «aqueles que recebem com abundância a graça e o dom da justiça reinarão na vida por meio de um só, Jesus Cristo» (Rm 5, 17). Quando Jesus subiu ao Céu, levou para junto do Pai celeste a humanidade – a nossa humanidade – que tinha assumido no seio da Virgem Mãe, e nunca mais a largará. Como uma âncora, fundeemos a nossa esperança nessa humanidade colocada nos Céus à direita do Pai (cf. Ef 2, 6). Seja esta esperança a alavanca da vida de todos nós! Uma esperança que nos sustente sempre, até ao último respiro.

Com esta esperança, nos congregamos aqui para agradecer as bênçãos sem conta que o Céu concedeu nestes cem anos, passados sob o referido manto de Luz que Nossa Senhora, a partir deste esperançoso Portugal, estendeu sobre os quatro cantos da Terra. Como exemplo, temos diante dos olhos São Francisco Marto e Santa Jacinta, a quem a Virgem Maria introduziu no mar imenso da Luz de Deus e aí os levou a adorá-Lo. Daqui lhes vinha a força para superar contrariedades e sofrimentos. A presença divina tornou-se constante nas suas vidas, como se manifesta claramente na súplica instante pelos pecadores e no desejo permanente de estar junto a «Jesus Escondido» no Sacrário.

Nas suas Memórias (III, n. 6), a Irmã Lúcia dá a palavra à Jacinta que beneficiara duma visão: «Não vês tanta estrada, tantos caminhos e campos cheios de gente, a chorar com fome, e não tem nada para comer? E o Santo Padre numa Igreja, diante do Imaculado Coração de Maria, a rezar? E tanta gente a rezar com ele?» Irmãos e irmãs, obrigado por me acompanhardes! Não podia deixar de vir aqui venerar a Virgem Mãe e confiar-lhe os seus filhos e filhas. Sob o seu manto, não se perdem; dos seus braços, virá a esperança e a paz que necessitam e que suplico para todos os meus irmãos no Batismo e em humanidade, de modo especial para os doentes e pessoas com deficiência, os presos e desempregados, os pobres e abandonados. Queridos irmãos, rezamos a Deus com a esperança de que nos escutem os homens; e dirigimo-nos aos homens com a certeza de que nos vale Deus.

Pois Ele criou-nos como uma esperança para os outros, uma esperança real e realizável segundo o estado de vida de cada um. Ao «pedir» e «exigir» o cumprimento dos nossos deveres de estado (carta da Irmã Lúcia, 28/II/1943), o Céu desencadeia aqui uma verdadeira mobilização geral contra esta indiferença que nos gela o coração e agrava a miopia do olhar. Não queiramos ser uma esperança abortada! A vida só pode sobreviver graças à generosidade de outra vida. «Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto» (Jo 12, 24): disse e fez o Senhor, que sempre nos precede. Quando passamos através dalguma cruz, Ele já passou antes. Assim, não subimos à cruz para encontrar Jesus; mas foi Ele que Se humilhou e desceu até à cruz para nos encontrar a nós e, em nós, vencer as trevas do mal e trazer-nos para a Luz.

Sob a proteção de Maria, sejamos, no mundo, sentinelas da madrugada que sabem contemplar o verdadeiro rosto de Jesus Salvador, aquele que brilha na Páscoa, e descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e rica no amor.

Por Rádio Vaticano

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz

Especial Centenário de Fátima: Papa Francisco deixa Santuário em festa no final de uma peregrinação inédita à Cova da Iria

O Papa Francisco deixou hoje o Santuário de Fátima em festa, depois da missa conclusiva da peregrinação de 12 e 13 de maio, que este ano coincidiu com a comemoração do Centenário das Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria.

Durante este sábado, o Papa argentino presidiu à canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco Marto, dois dos videntes de Fátima e agora novos santos da Igreja Católica.

“Não podia deixar de vir aqui venerar a Virgem Mãe e confiar-lhe os seus filhos e filhas”, afirmou o Papa durante a homilia, em que pediu paz e esperança “para todos os seus irmãos no Batismo e em humanidade, de modo especial para os doentes e pessoas com deficiência, os presos e desempregados, os pobres e abandonados”.

Foto Arlindo Homem, Papa Francisco em Fátima

A visita do Papa a Portugal que teve como lema ‘Com Maria, peregrino na esperança e na paz’ e fica marcada pelo silêncio no recinto de oração, pelo encontro com doentes e com a decisão de fazer parte do percurso a pé até à Capelinha das Aparições, onde lembrou os “desterrados” da sociedade, propôs uma revolução da “ternura” e desafiou a rejeitar uma religião baseada na superficialidade.

Nessa celebração da noite de sexta-feira, o Papa argentino frisou que Maria não pode ser uma “santinha a quem se recorre para obter favores a baixo preço”.

“Se queremos ser cristãos, devemos ser marianos; isto é, devemos reconhecer a relação essencial, vital e providencial que une Nossa Senhora a Jesus e que nos abre o caminho que leva a Ele”, apontou.

Outro marco da “peregrinação” do Papa ao Santuário de Fátima foi a ‘Procissão do Adeus’.

No final da despedida de Nossa Senhora de Fátima, Francisco saiu em papamóvel pelo meio do recinto de oração, para alegria e emoção de centenas de milhares de pessoas que acenaram para o Papa, de lenços e bandeiras no ar, transformando o espaço num mar de cores, das várias nacionalidades.

A visita do Papa Francisco à Cova da Iria entra agora na sua parte final, primeiro com um almoço com os bispos portugueses, na Casa Nossa Senhora do Carmo, onde o Papa argentino esteve alojado estes dias.

O episcopado português que deixou o recinto em grupo, juntamente com o núncio apostólico (representante da Santa Sé) em Portugal, D. Rino Passigato, distribuindo sorrisos pela multidão, muitos interagindo com grupos das suas respetivas dioceses, de norte a sul do país.

A cerimónia de despedida de Francisco está marcada para a Base Aérea de Monte Real, ponto que marcou também o início da visita do Papa argentino ao Santuário de Fátima.

Depois dos procedimentos protocolares, às 14h45, o voo papal irá seguir às 15h00 em direção ao Aeroporto de Roma/Ciampino.

A chegada do Papa a Roma está prevista para as 19h05 locais, menos uma hora em Fátima.

Infor: Agência Ecclesia

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz

Especial Centenário de Fátima: Papa proclamou santos Francisco e Jacinta Marto

O Papa Francisco proclamou hoje como santos os pastorinhos Francisco e Jacinta Marto, pelas 10h26, no início da Missa da peregrinação do 13 de maio em Fátima, uma celebração inédita em território português.

Francisco proferiu a fórmula de canonização, em português: “Em honra da Santíssima Trindade, para exaltação da fé católica e incremento da vida cristã, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e Nossa, depois de termos longamente refletido, implorado várias vezes o auxílio divino e ouvido o parecer de muitos Irmãos nossos no Episcopado, declaramos e definimos como Santos os Beatos Francisco Marto e Jacinta Marto e inscrevemo-los no Catálogo dos Santos, estabelecendo que, em toda a Igreja, sejam devotamente honrados entre os Santos. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

O momento foi sublinhado com duas salvas de palmas pelas centenas de milhares de pessoas presentes no recinto de oração da Cova da Iria.

Foto Lusa, Papa Francisco em Fátima

A procissão de entrada incluiu o andor com a imagem de Nossa Senhora e os dois relicários em forma de candeias com as relíquias de Francisco e Jacinta, transportados pela postuladora da Causa da Canonização dos dois Pastorinhos, irmã Ângela Coelho, e pelo assessor da Postulação, Pedro Valinho Gomes, ladeados por cerca de 20 crianças e jovens, com idades compreendidas entre os 9 e os 16 anos.

Antes da ladainha dos santos, com referências a várias figuras portuguesas, o bispo de Leiria-Fátima pediu formalmente ao Papa que os dois pastorinhos sejam inscritos no “catálogo dos santos” e apresentou uma breve biografia de ambos.

A assembleia cantou o Hino dos Pastorinhos, cuja festa litúrgica se celebra a 20 de fevereiro, data da morte de Santa Jacinta Marto.

D. António Marto e a postuladora da causa agradeceram depois ao Papa: “Santo Padre, em nome da Santa Igreja, agradeço ardentemente a proclamação feita por Vossa Santidade e peço humildemente se digne ordenar que seja redigida a Carta Apostólica relativa à Canonização efetuada”.

A decisão faz com que o culto aos novos santos tenham um âmbito universal, na Igreja Católica.

Homilia lembra sofrimentos da humanidade e pede mobilização contra indiferença

O Papa Francisco disse que, a sua presença em Fátima para a celebração do 13 de maio foi sempre inquestionável, apelando a uma mobilização contra a “indiferença”.

“Irmãos e irmãs, obrigado por me acompanhardes! Não podia deixar de vir aqui venerar a Virgem Mãe e confiar-lhe os seus filhos e filhas”, disse, na homilia da Missa a que presidiu esta manhã, no altar do recinto de oração na Cova da Iria.

Perante centenas de milhares de pessoas, que o têm acompanhado desde a sua chegada, na sexta-feira, o Papa quis deixar uma mensagem de esperança e de paz aos que mais sofrem.

“Suplico [a paz e a esperança] para todos os meus irmãos no Batismo e em humanidade, de modo especial para os doentes e pessoas com deficiência, os presos e desempregados, os pobres e abandonados”, declarou, na terceira intervenção em solo português.

Francisco afirmou que em Fátima se dá uma “verdadeira mobilização geral” contra a “indiferença” que gela o coração humana e “agrava a miopia do olhar”.

“Não queiramos ser uma esperança abortada”, prosseguiu.

A homilia da Missa conclusiva da peregrinação internacional aniversária do 13 de maio abordou depois o tema do sofrimento, referindo aos peregrinos que o próprio Jesus “se humilhou e desceu até à cruz”.

“Sob a proteção de Maria, sejamos, no mundo, sentinelas da madrugada que sabem contemplar o verdadeiro rosto de Jesus Salvador, aquele que brilha na Páscoa, e descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e rica no amor”, apelou.

O Papa Francisco está a realizar a sua primeira visita a Portugal, no contexto do centenário das aparições e da canonização dos pastorinhos Francisco e Jacinta Marto.

1nv__1454

A Missa prosseguiu depois com o canto do Glória. Após a homilia do Papa, os peregrinos vão rezar para que os direitos das crianças sejam respeitados.

VEJA A SANTA MISSA COMPLETA NO VÍDEO ABAIXO

“Por todas as crianças e suas famílias, para que a exemplo dos santos Francisco e Jacinta os inspire a descobrir o sentido da vida e o valor da oração e da penitência, e para que vejam os seus direitos respeitados sempre”, refere a intenção de oração que vai ser proclamada em inglês.

A oração dos fiéis será rezada em várias línguas, recordando os governantes e a necessidade de um mundo “mais fraterno”, os doentes, os migrantes e refugiados.

Depois da Comunhão, o Papa vai saudar e abençoar os doentes com o Santíssimo Sacramento. D. António Marto vai dirigir um discurso de agradecimento do Papa, no final da Missa.

Por Portal Terra de Santa Cruz

Referências e fotos: Agência Ecclesia Portugal 

Especial Centenário de Fátima: Papa abraçou criança curada por intercessão dos Santos Francisco e Jacinta Marto durante canonização

O Papa Francisco abraçou hoje em Fátima a criança brasileira curada por intercessão dos pastorinhos Francisco e Jacinta Marto, canonizados esta manhã na Cova da Iria.

O pequeno Lucas subiu ao altar de mãos dadas com a sua mãe e com a irmã Ângela Coelho, a responsável pelo processo que levou à proclamação dos dois mais jovens videntes de Fátima como santos.

A criança, a sua irmã e os seus pais participaram no cortejo de apresentação dos dons, na Missa conclusiva da peregrinação aniversária internacional do 13 de maio.

Quando tinha cinco anos, Lucas estava a brincar com a irmã Eduarda e caiu de uma janela com 6 metros e meio de altura e, ao bater com a cabeça no chão, fez um “traumatismo craniano muito grave, com perda de tecido cerebral”, lembrou João Batista, pai das crianças, num encontro com jornalistas, esta semana.

Os pais da criança curada por intercessão dos pastorinhos disseram em Fátima que Lucas foi salvo dois dias após as irmãs do Carmelo de Campo Mourão, no Brasil, rezarem a Francisco e Jacinta Marto, e afirmaram “imensa alegria” por ser este o milagre da canonização.

Após ter feito um traumatismo craniano grave, no dia 3 de março de 2013, os prognósticos dos médicos indicavam baixas possibilidades de sobrevivência e, se sobrevivesse, “teria uma recuperação muito demorada ficando certamente com graves deficiências cognitivas ou mesmo em estado vegetativo”, referiu o pai da criança do Brasil.

João Batista disse que Lucas “está completamente bem, sem nenhum sintoma ou sequela” e é agora o que “era antes do acidente”, na “sua inteligência, seu caráter, é tudo igual”.

A cura representou a etapa final no processo de canonização de Francisco e Jacinta Marto, que começou há mais de meio século, já após a trasladação dos restos mortais de Francisco e Jacinta Marto para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

A 30 de abril de 1952, D. José Alves Correia da Silva, bispo de Leiria, procedeu à abertura dos dois processos diocesanos sobre a vida, virtudes e fama de santidade de Francisco e de Jacinta, que contou com 140 sessões e 52 testemunhos.

Esta fase diocesana só seria encerrada em 1979, seguindo então para o Vaticano, onde em 1989 o Papa João Paulo II assinou o decreto de heroicidade das virtudes do Francisco e da Jacinta.

As duas crianças, as mais novas dos videntes de Fátima, tornam-se neste 13 de maio os mais jovens santos não-mártires na história da Igreja Católica, 17 anos após a sua beatificação, também na Cova da Iria.

Foto Arlindo Homem, Papa saúda criança curada pela intercessão dos pastorinhos

Foto Arlindo Homem, Papa saúda criança curada pela intercessão dos pastorinhos

Infor: Agência Ecclesia 

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz

Especial Centenário de Fátima: Papa apresenta Fátima como manto de Luz sobre a humanidade.

O Papa Francisco afirmou hoje em Fátima que as aparições de 1917 na Cova da Iria foram um “manto de luz” sobre a humanidade, com uma mensagem de esperança.

“No crer e sentir de muitos peregrinos, se não mesmo de todos, Fátima é sobretudo este manto de Luz que nos cobre, aqui como em qualquer outro lugar da Terra quando nos refugiamos sob a proteção da Virgem Mãe”, realçou, na homilia da Missa a que presidiu no Santuário, perante centenas de milhares de pessoas.

Na Missa conclusiva da peregrinação internacional do 13 de maio, a primeira do centenário das aparições, o Papa quis agradecer “as bênçãos sem conta que o Céu concedeu nestes cem anos, passados sob o referido manto de Luz que Nossa Senhora, a partir deste esperançoso Portugal, estendeu sobre os quatro cantos da Terra”.

Francisco retomou um tema que tem marcado as suas intervenções, apresentando a Virgem Maria como “Mãe”.

“Uma «Senhora tão bonita»: comentavam entre si os videntes de Fátima a caminho de casa, naquele abençoado dia 13 de maio de há cem anos atrás”, declarou.

Segundo o Papa, a mensagem de Fátima quer alertar “para o risco do Inferno” para onde leva a vida “sem-Deus e profanando Deus nas suas criaturas”.

“Queridos peregrinos, temos Mãe. Temos Mãe! Agarrados a Ela como filhos, vivamos da esperança que assenta em Jesus”, apelou, provocando uma salva de palmas da assembleia.

Francisco apresentou o exemplo dos recém-canonizados São Francisco Marto e Santa Jacinta, “a quem a Virgem Maria introduziu no mar imenso da Luz de Deus e aí os levou a adorá-lo”.

“Daqui lhes vinha a força para superar contrariedades e sofrimentos”, acrescentou.

O Papa falou numa “presença divina” constante na vida dos novos santos, que se manifestou “na súplica instante pelos pecadores e no desejo permanente de estar junto a «Jesus Escondido» no Sacrário”.

O Papa Francisco está a realizar a sua primeira visita a Portugal, no contexto do centenário das aparições e da canonização dos pastorinhos Francisco e Jacinta Marto.

Infor: Agência Ecclesia

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz

ESPECIAL FÁTIMA 100 ANOS: Criança curada por intercessão dos pastorinhos acompanhará a canonização em Fátima

A criança brasileira curada por intercessão dos Beatos Francisco e Jacinta Marto estará na canonização desses dois videntes da Virgem Maria, no dia 13 de maio, em Fátima, Portugal.

A informação foi confirmada pelo site oficial da visita do Papa Francisco a Fátima, segundo o qual, a criança que recebeu a cura milagrosa acompanhará a celebração junto com sua família.

“No dia 11 de maio, a família vai fazer uma declaração em Fátima sobre o milagre, estando disponível para falar com a Comunicação Social, assistindo, no dia 13, à canonização dos dois Pastorinhos”, informa o comunicado no site.

Entretanto, ressalta que “até lá, a família não vai dar entrevistas nem fazer declarações, por pretender que o seu testemunho seja feito no Santuário de Fátima”.

Explicam ainda que “a identidade da criança, por ser menor, e pormenores exatos da cura estão sob reserva, não podendo ser divulgados pela Postulação da Causa da Canonização dos Santos”.

O milagre reconhecido pelo Papa e que levará à canonização de Francisco e Jacinta, segundo a Rádio Vaticano, diz respeito a uma criança que ficou em coma após cair por acidente de uma janela de cerca de sete metros de altura e teve que ser operada.

Embora os médicos tenham previsto que a criança ficaria com graves sequelas por conta do traumatismo crânio-encefálico, três dias depois, recebeu alta e não ficou com qualquer dano.

O reconhecimento de um milagre realizado por sua intercessão depois da beatificação é um processo da competência da Congregação para a Causa dos Santos, regulado pela Constituição Apostólica Divinus Perfectionis Magister , promulgada pelo Papa São João Paulo II em 1983.

Uma comissão de teólogos analisou a decisão da comissão de peritos ou científica sobre o milagre e recomendou à Congregação a aceitação do mesmo.

Em seguida, o decreto da Congregação para a Causa dos Santos declarando como santos os dois beatos foi submetido à aprovação do Papa Francisco no dia 23 de março.

No último dia 20 de abril, durante o Consistório Ordinário Público para a Canonização dos Beatos, no Vaticano, o Pontífice confirmou que a canonização de Francisco e Jacinta será no dia 13 de maio, em Fátima.

Foto: Facebook Santuário de Fátima

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

ESPECIAL FÁTIMA 100 ANOS: Este foi o milagre que levará à canonização dos Pastorinhos de Fátima

Lucas, um menino brasileiro, foi quem, aos 5 anos, recebeu a cura milagrosa por intercessão dos pastorinhos Francisco e Jacinta, após cair de uma janela e ficar em coma; uma história que foi contada pelos pais do menino curado.

ESPECIAL FÁTIMA 100 ANOS: A Virgem Maria não é uma “santinha” que dá favores baratos, diz Papa Francisco

No marco da vigília de oração pelos 100 anos das aparições da Virgem de Fátima, o Papa Francisco recordou aos fiéis reunidos no santuário mariano que Santa Maria é “Mestra de vida espiritual” e não uma “santinha” que outorga “favores a baixo preço”.

Já se passava das 21h (hora local) quando o Santo Padre chegou ao Santuário de Fátima e rezou em silêncio por cerca de quatro minutos. Em seguida, realizou a bênção das velas das centenas de milhares de pessoas reunidas no local.

Em sua oração, o Santo Padre pediu a Deus que, “por intercessão da Virgem Maria, que aqui se manifestou revestida de Tua luz, faça com que perseveremos na fé”.

Na mensagem que pronunciou pouco depois, o Santo Padre, citando Paulo VI, assegurou que “e queremos ser cristãos, devemos ser marianos” e disse que “sempre que rezamos o Terço, neste lugar bendito como em qualquer outro lugar, o Evangelho retoma o seu caminho na vida de cada um, das famílias, dos povos e do mundo”.

Francisco incentivou a ser “peregrinos com Maria”, mas questionou: “Qual Maria? Uma ‘Mestra de vida espiritual’, a primeira que seguiu Cristo pelo caminho ‘estreito’ da cruz dando-nos o exemplo, ou então uma Senhora ‘inatingível’ e, consequentemente, inimitável?”.

“A ‘Bendita por ter acreditado’ sempre e em todas as circunstâncias nas palavras divinas, ou então uma ‘Santinha’ a quem se recorre para obter favores a baixo preço?”.

O Papa insistiu no questionamento sobre se confiamos na “Virgem Maria do Evangelho venerada pela Igreja orante, ou uma esboçada por sensibilidades subjetivas que A veem segurando o braço justiceiro de Deus pronto a castigar: uma Maria melhor do que Cristo, visto como Juiz impiedoso; mais misericordiosa que o Cordeiro imolado por nós”.

O Santo Padre assinalou que “grande injustiça fazemos a Deus e à sua graça, quando se afirma em primeiro lugar que os pecados são punidos pelo seu julgamento, sem antepor – como mostra o Evangelho – que são perdoados pela sua misericórdia”.

“Devemos antepor a misericórdia ao julgamento e, em todo o caso, o julgamento de Deus será sempre feito à luz da sua misericórdia. Naturalmente a misericórdia de Deus não nega a justiça, porque Jesus tomou sobre Si as consequências do nosso pecado juntamente com a justa pena”.

Francisco destacou que em Santa Maria “vemos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos mas dos fortes, que não precisam de maltratar os outros para se sentirem importantes”.

“Tomados pela mão da Virgem Mãe e sob o seu olhar, podemos cantar, com alegria, as misericórdias do Senhor. Podemos dizer-Lhe: A minha alma canta para Vós, Senhor”, assegurou.

O Papa destacou também que “nenhuma outra criatura viu brilhar sobre si a face de Deus” como Santa Maria, que “deu um rosto humano ao Filho do eterno Pai, podendo nós agora contemplá-Lo nos sucessivos momentos gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos da sua vida, que repassamos na recitação do Rosário”.

“Com Cristo e Maria, permaneçamos em Deus”, incentivou.

Concluindo sua mensagem, o Santo Padre presidiu a oração do Santo Terço em diversos idiomas, como português, árabe, espanhol, inglês e francês.

Infor: ACIDIGITAL 

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

ESPECIAL FÁTIMA 100 ANOS: Na Capela das Aparições, Papa Francisco reza pelo mundo e pela paz

Francisco rezou diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima e ofereceu a Rosa de Ouro, presente especial que os Papas oferecem em visitas marianas

Uma multidão acolheu o Papa Francisco na Cova da Iria, em Fátima, Portugal, nesta sexta-feira, 12. O local é significativo para a Igreja por ser onde Nossa Senhora apareceu às três crianças pastoras, há 100 anos.

O Santo Padre chegou em carro aberto e saudou os fiéis. Já na Capela das Aparições, rezou em silêncio, por alguns minutos, à frente da imagem de Nossa Senhora de Fátima. Em seguida, rezou em voz alta pedindo pelos sofrimentos do mundo.

“No mais íntimo do teu ser, no teu Imaculado Coração, vê as dores da família humana que geme e chora neste vale de lágrimas. No mais íntimo do teu ser, no teu Imaculado Coração, adorna-nos do fulgor de todas as joias da tua coroa e faz-nos peregrinos como peregrina foste Tu”, pediu.

“E assim seremos, como Tu, imagem da coluna luminosa que alumia os caminhos do mundo, a todos mostrando que Deus existe, que Deus está, que Deus habita no meio do seu povo, ontem, hoje e por toda a eternidade”.

A oração foi concluída com a consagração jubiliar rezada junto com os fiéis.

Depois, Francisco ofereceu a Nossa Senhora a Rosa de Ouro. Um presente que, na realidade, é de prata; uma distinção que os Papas fazem em visitas marianas. Uma exclusividade do Pontífice, desde o século IX.

É a segunda vez que um Papa entrega pessoalmente a Rosa de Ouro em Portugal. O primeiro foi Bento XVI, em 2010.

O momento oracional foi concluído com a bênção.

Francisco retornará à Capelinha das Aparições às 17h15 (horário de Brasília), para a oração do Terço e a bênção das velas. No sábado, 13, presidirá à Canonização de Francisco e Jacinta Marto.

Infor: Canção Nova e Rádio Vaticano

Foto: Reprodução CTV

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

ESPECIAL FÁTIMA 100 ANOS: Todos os cristãos devem ser marianos, diz Papa Francisco em Fátima

Francisco abençoou as Velas e participou da oração do Terço na Capelinha das Aparições

Na noite desta sexta-feira, 12, primeiro dia da Peregrinação do Papa Francisco ao Santuário de Fátima, em Portugal, o Santo Padre abençoou as velas na Capelinha das Aparições e recitou o terço com a multidão presente em Fátima para as comemorações do Centenário das Aparições.

Desde já desejo assegurar aos que estão unidos a mim, aqui ou em qualquer outro lugar, que os tenho todos no coração. Sinto que Jesus lhes confiou a mim e, a todos, abraço e confio a Jesus, ‘principalmente os que mais precisam», como Nossa Senhora nos ensinou a rezar”, disse o Pontífice em seu discurso.

Francisco destacou que sempre que o Terço é rezado, seja em Fátima ou em qualquer outro lugar, o Evangelho retoma o seu caminho na vida de cada um, das famílias, dos povos e do mundo.

“Se queremos ser cristãos, devemos ser marianos; isto é, devemos reconhecer a relação essencial, vital e providencial que une Nossa Senhora a Jesus e que nos abre o caminho que leva a Ele”, enfatizou o Santo Padre.

Francisco afirmou ainda que “devemos antepor a misericórdia ao julgamento e, em todo o caso, o julgamento de Deus será sempre feito à luz da sua misericórdia”.

O Papa disse ainda que sempre que as pessoas olham para Maria, voltam a acreditar na força revolucionária da ternura e do carinho. “Nela vemos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos mas dos fortes, que não precisam maltratar os outros para se sentirem importantes. Esta dinâmica de justiça e de ternura, de contemplação e de caminho ao encontro dos outros é aquilo que faz d’Ela um modelo eclesial para a evangelização. Possamos, com Maria, ser sinal e sacramento da misericórdia de Deus que perdoa sempre, perdoa tudo.”

Após o discurso, Francisco acompanhou a oração do terço, e em seguida, recolheu-se à Casa do Carmo, onde pernoita.

Neste domingo, 13, último dia da visita do Papa a Portugal, o Santo Padre preside a Cerimônia de Canonização dos Pastorinhos Francisco e Jacinta, em unidade com as celebrações do centenário das aparições de Fátima.

Por Rádio Vaticano e Site oficial de Fátima

Foto: papa2017.fatima.pt

 

ESPECIAL FÁTIMA 100 ANOS: FÁTIMA PREPARA-SE PARA CANONIZAÇÃO DE JACINTA E FRANCISCO

O Papa Francisco irá como peregrino ao Santuário de Fátima, por ocasião dos festejos dos 100 anos das aparições da Virgem Maria aos três pastorinhos.

O Pontífice partirá do Aeroporto Fiumicino, em Roma, às 14 horas de sexta-feira (hora italiana), devendo chegar às 16h20 (hora portuguesa) na Base Aérea de Monte Real.

No sábado, dia 13 de maio, preside a Missa com o rito de canonização de Jacinta e Francisco Marto, a partir das 5h50 de Brasília.

santos_pastorinhos2017
Imagens oficiais dos novos santos da Igreja

18342124_1270355019739209_2833885258262390809_n  18342230_1270355009739210_4519889645214313120_n

As duas crianças, as mais novas dos videntes de Fátima, vão tornar-se a 13 de maio os mais jovens santos não-mártires na história da Igreja Católica, 17 anos após a sua beatificação, também na Cova da Iria,

O antigo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, que acompanhou este processo, recorda que antes da beatificação dos pastorinhos de Fátima, em 2010, a Igreja acreditava que as crianças, devido à sua idade, “ainda não tinham a capacidade de praticar em grau heroico as virtudes cristãs”.

“Eu aqui fiz uma revolução, porque estava convencido de que o Francisco e a Jacinta praticaram as virtudes cristãs que talvez não tenham os adultos”. Dom José Saraiva Martins.

O cardeal dá como exemplo a atitude dos pastorinhos durante os interrogatórios de agosto de 1917, nos quais se mostraram prontos a morrer, recusando mentir.

“Preferir morrer a dizer uma mentira: gostaria de saber quantos adultos teriam esta heroicidade”, realça Dom José

A causa de canonização dos pastorinhos contou, ao longo dos anos, com o apoio de fiéis e responsáveis da Igreja em todo o mundo, que escreveram ao Vaticano para solicitar que o mesmo avançasse.

Foi no pontificado de João Paulo II que se decidiu analisar, com a ajuda de peritos – teólogos, psicólogos, pedagogos – a possibilidade de beatificar crianças que morreram aos 10 e 9 anos, superando a oposição existente.

O processo começou há mais de meio século, já após a trasladação dos restos mortais de Francisco e Jacinta Marto para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

A 30 de abril de 1952, D. José Alves Correia da Silva, bispo de Leiria, procedeu à abertura dos dois processos diocesanos sobre a vida, virtudes e fama de santidade de Francisco e de Jacinta, que contou com 140 sessões e 52 testemunhos.

Esta fase diocesana só seria encerrada em 1979, seguindo então para o Vaticano, onde em 1989 o Papa João Paulo II assinou o decreto de heroicidade das virtudes do Francisco e da Jacinta

“Os decretos das virtudes dos irmãos Marto, e a consequente concessão do título de veneráveis, representam um momento verdadeiramente significativo para a História da Igreja, na medida em que, pela primeira vez, e depois de um longo período de reflexão teológica iniciada precisamente em resposta à Causa dos dois pastorinhos de Fátima, é reconhecida a heroicidade das virtudes e a maturidade de fé de crianças não-mártires, abrindo assim o precedente para que a santidade das crianças seja reconhecida”, refere uma nota do Santuário de Fátima.

Após esta decisão, seguiu-se o necessário reconhecimento de milagres atribuídos à intercessão dos pastorinhos, que levaram à sua beatificação e, agora, canonização, alargando o seu culto para o âmbito universal, na Igreja Católica.

Informações- AGÊNCIA ECCLESIA / RADIO VATICANO 

Fotos: Radio Vaticano 

Por Portal Terra de Santa Cruz 

Papa aos bispos do CELAM: “Despojar-se dos filtros clericais”

Gostaria de poder visitar o Santuário de Aparecida”: com estas palavras, o Papa se dirige aos bispos de toda a América Latina, reunidos na Assembleia do CELAM, Conselho Episcopal Latino-americano em São Salvador, El Salvador, de 9 a 12 de maio.

A mensagem de Francisco é inteiramente inspirada na Padroeira do Brasil,da qual este ano se celebram 300 anos do achado, nas águas do Rio Paraíba (SP).

Definindo Aparecida como “uma escola de discipulado”, o Papa releva três aspectos daquele acontecimento, começando pelos pescadores que encontraram a imagem:

“Um grupo de homens que sabiam enfrentar as incertezas do rio, que viviam na insegurança de não ter o que levar para seus filhos. Conheciam a ambivalência entre a generosidade do rio e a agressividade de suas ondas e a inclemência de um dos pecados mais graves que castiga nosso continente: a corrupção. A corrupção, como um câncer, está corroendo a vida cotidiana dos povos”.

O segundo aspecto é a Mãe. “No relato de Aparecida, a encontramos suja de lama no rio. Ali ela esperava seus filhos, em meio a suas lutas e anseios. Maria estava ali, onde os homens tentam ganhar suas vidas”.

E enfim, o Papa ressalta o encontro. Depois de restaurá-la e limpá-la, os pescadores a levaram para casa, um lar aonde os moradores da região iam encontrá-la. “Esta presença se fez comunidade, Igreja. As redes não se encheram de peixes, se transformaram em comunidade”.

Hoje, 300 anos depois, como filhos, somos chamados a escutar e aprender o que aquele acontecimento continua a nos dizer:

“Aparecida não traz receitas mas chaves, critérios, pequenas grandes certezas para iluminar e sobretudo, acender o desejo de nos despojar de todo o desnecessário e voltar às raízes, ao essencial, à atitude que fez de nosso continente a terra da esperança. Aparecida renova nossa esperança em meio a tantas inclemências”, frisa o Papa.

Em seguida, Francisco convida os bispos latino-americanos a aprender a escutar e conhecer o Povo de Deus, dando-lhe a importância e o lugar merecidos.

“Isto significa despojar-nos de nossos preconceitos, racionalismos e esquemas funcionalistas para conhecer como o Espírito atua no coração deste homens e mulheres. Como temos a aprender da fé desta gente; a fé de mães e avós que não têm medo de se sujar, pois sabem que o mundo está cheio de injustiças, onde a impunidade da corrupção continua cobrando vidas e desestabilizando cidades”.

A partir daí, segue a exortação do Papa: “Não tenhamos medo de arriscar e nos comprometermos com os ‘sujos’… isto não é heroicidade… nem ser kamikazes… Somente deixando de ser auto-referenciais seremos capazes de nos re-centrarmos Naquele que é fonte de Vida e Plenitude”.

Concluindo, Francisco lembrou a passagem da exortação Evangelii Gaudium:

“Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada com ser o centro, e que acaba presa num emaranhado de obsessões e procedimentos. Se alguma coisa nos deve santamente inquietar e preocupar a nossa consciência é que haja tantos irmãos nossos que vivem sem a força, a luz e a consolação da amizade com Jesus Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida. Mais do que o temor de falhar, espero que nos mova o medo de nos encerrarmos nas estruturas que nos dão uma falsa protecção, nas normas que nos transformam em juízes implacáveis, nos hábitos em que nos sentimos tranquilos, enquanto lá fora há uma multidão faminta e Jesus repete-nos sem cessar: ‘Dai-lhes vós mesmos de comer’” (Mc 6, 37).

Na conclusão, o Papa Francisco lembra. “Na medida em que nos envolvermos com a vida de nosso povo fiel e sentirmos a profundidade de suas feridas, podemos ver, sem filtros clericais, o rosto de Deus”.

Por Rádio Vaticano 

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da evangelização!

ESPECIAL FÁTIMA 100 ANOS: Confira a oração que o Papa fará na Capelinha em Fátima

O primeiro compromisso público do Papa em sua próxima peregrinação à Fátima será a visita à Capelinha das Aparições, no dia 12 de maio, por volta das 18h45, após a sua chegada à Base Militar.

O Vaticano divulgou segunda-feira (08/05) o missal das celebrações pontifícias da peregrinação apostólica e a oração que ele fará na Capelinha.

Francisco se apresenta como bispo vestido de branco, evocando a Senhora da veste branca no local onde há cem anos mostrou os desígnios da misericórdia do nosso Deus.

“Seremos, na alegria do Evangelho, a Igreja vestida de branco, da alvura branqueada no sangue do Cordeiro derramado ainda em todas as guerras que destroem o mundo em que vivemos”, diz a oração.

O Papa recorda o exemplo dos bem-aventurados Francisco e Jacinta, os pastorzinhos que vai canonizar no dia seguinte, 13 de maio, e de todos os que se confiam à mensagem do Evangelho.

“Percorreremos, assim, todas as rotas, seremos peregrinos de todos os caminhos, derrubaremos todos os muros e venceremos todas as fronteiras, saindo em direção a todas as periferias, aí revelando a justiça e a paz de Deus”, diz a prece, que se conclui com a consagração do Papa a Virgem do Rosário de Fátima.

Na sequência, Francisco deposita seu presente junto à imagem, a Rosa de Ouro, um dom específico dos Pontífices a Santuários marianos

Antes de se retirar para a Casa de Nossa Senhora das Dores, onde passará a noite, Francisco permanece ainda alguns minutos em oração silenciosa na Capelinha.

O Papa retorna às 21h30 para a bênção das velas e ele mesmo acende uma.  Em seguida, Francisco faz uma breve alocução para a introdução dos mistérios do terço, que prossegue conduzido pelo Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin.

Info: Rádio Vaticano 

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização