Arquivo da categoria: Cristianismo

Túmulo de Jesus restaurado é apresentado na Igreja do Santo Sepulcro

O túmulo onde estaria enterrado Jesus Cristo segundo a tradição cristã foi apresentado nesta quarta-feira (22) durante uma cerimônia na Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, após uma restauração que durou nove meses.  As obras de restauração começaram em maio de 2016 para reformar a pequena capela em mármore e devolver sua cor original. Ela foi desmontada completamente e reconstruída à imagem e semelhança do que era.

Dignitários religiosos de distintas confissões cristãs participaram da cerimônia desta quarta, quando o pequeno templo foi exibido sem a estrutura metálica que antes dificultava a visão.

Resultado de imagem para tumulo de jesus

“Não é apenas uma doação feita à Terra Santa, é uma doação para o mundo inteiro”, afirmou o patriarca greco-ortodoxo Teófilo III de Jerusalém ante os convidados, entre os quais o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras.

“Antes o monumento estava completamente negro” devido à fumaça das velas dos peregrinos, explicou a restauradora-chefe Antonia Moropoulou. “Hoje recuperou sua verdadeira cor, a cor da esperança”, acrescentou.

As obras viveram em outubro um momento histórico, quando a lápide de mármore, que cobre o túmulo, foi retirada durante três dias. A última vez que homens puderam ter acesso ao coração do lugar mais sagrado do cristianismo foi em 1810, por ocasião de obras de restauração realizadas após um incêndio.

Resultado de imagem para tumulo de jesus

Nos anos 1960 e 1990 foram remodeladas várias partes da igreja, situada no setor antigo de Jerusalém, perto de dois lugares santos do judaísmo e do islã: o Muro das Lamentações e a Esplanada das Mesquitas. Mas não se tocou na capela.

Desta vez, ao longo de nove meses, o túmulo foi desmontado, limpo e restaurado praticamente em sua totalidade, incluindo as colunas e as cúpulas do edifício e seu interior. Foi aberta, inclusive, uma janela para que os peregrinos possam admirar a lápide do antigo túmulo.

Imagem relacionada

Desavenças

As obras custaram 3,4 milhões de euros, financiados pelas três principais confissões cristãs do Santo Sepulcro (greco-ortodoxos, franciscanos, armênios), assim como doadores públicos e privados. Samuel Aghoyan, o superior da Igreja armênia, está satisfeito que a capela tenha o aspecto de uma construção nova.

Segundo a tradição cristã, o corpo de Jesus Cristo foi depositado em um leito funerário entalhado em uma rocha depois de sua crucificação pelas mãos dos romanos no ano 30 ou 33. Os cristãos acreditam que ele ressuscitou e afirmam que as mulheres que chegaram três dias depois de sua morte para ungir o falecido não encontraram o corpo.

Alguns cristãos acreditam que Jesus foi enterrado no chamado túmulo do jardim, situado fora da muralha do setor antigo de Jerusalém. Mas, segundo Antonia Moropoulou, as obras permitiram demonstrar que o túmulo de Jesus se encontra na igreja do Santo Sepulcro.

Agora há outros projetos para reforçar a estrutura da capela e restaurar o chão da igreja, explica Samuel Aghoyan. O custo seria de seis milhões de dólares.

Para que estas obras possam ser realizadas, os greco-ortodoxos, a Igreja armênia e a católica, que custodiam o lugar, devem superar as divergências que no passado forçaram um adiamento do projeto.

Fonte:http://catholicus.org.br

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz

“O Cristianismo é a religião do fazer, não do dizer”, afirma Papa

Depois da viagem ao México, o Papa Francisco retomou esta terça-feira (23/02) a celebração da Missa na Casa Santa Marta. 

ossrom97072_articolo

Comentando a liturgia do dia, Francisco afirmou em sua homilia que a vida cristã é concreta, não uma religião feita de hipocrisia e vaidade. “Deus é concreto”, mas são muitos os cristãos “de aparência”, que fazem da pertença à Igreja um adorno sem compromisso, uma ocasião de prestígio, ao invés de uma experiência de serviço aos mais pobres.

O Papa entrelaça o trecho litúrgico do profeta Isaías com a passagem do Evangelho de Mateus para explicar mais uma vez a “dialética evangélica entre o dizer e o fazer”. A ênfase de Francisco recai sobre as palavras de Jesus, que desmarcara a hipocrisia dos escribas e fariseus, convidando os discípulos e a multidão a observarem aquilo que eles ensinam, mas não a se comportarem como eles:

“Religião do dizer”

“O Senhor nos ensina o caminho do fazer. E quantas vezes encontramos pessoas – também nós, eh! – na Igreja: ‘Oh, sou muito católico!’. ‘Mas o que você faz?’ Quantos pais se dizem católicos, mas nunca têm tempo para falar com os próprios filhos, para brincar com eles, para ouvi-los. Talvez seus pais estejam num asilo, mas estão sempre ocupados e não podem ir visitá-los e os abandonam. ‘Mas sou muito católico, eh! Eu pertenço àquela associação’. Esta é a religião do dizer: eu digo que sou assim, mas faço mundanidade”.

O “dizer e não fazer”, afirmou o Papa, “é uma enganação”. As palavras de Isaías, destacou, indicam o que Deus prefere: “Deixai de fazer o mal, aprendei a fazer o bem”. “Socorrei o oprimido, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva”. E demonstram também a infinita misericórdia de Deus, que diz à humanidade: “Vinde, debatamos. Ainda que vossos pecados sejam como púrpura, tornar-se-ão brancos como a neve”:

Fazer a vontade de Deus

“A misericórdia do Senhor vai ao encontro daqueles que têm a coragem de discutir com Ele, mas discutir sobre a verdade, sobre as coisas que fazem ou não fazem, só para corrigir. E este é o grande amor do Senhor, nesta dialética entre o dizer e o fazer. Ser cristão significa fazer: fazer a vontade de Deus. E, no último dia – porque todos nós teremos um, né? – naquele dia, o que o Senhor nos pedirá? Dirá: ‘O que disseram de mim?’. Não! Ele nos perguntará sobre as coisas que fizemos”.

A este ponto, o Papa mencionou o capítulo do Evangelho de Mateus sobre o juízo final, quando Deus pedirá contas ao homem sobre o que fez em relação aos famintos, sedentos, encarcerados, estrangeiros. “Esta – exclama Francisco – é a vida cristã. Dizer, somente, nos leva à vaidade, a fazer de conta de ser cristão. Mas não, não se é cristão assim”.

“Que o Senhor nos dê esta sabedoria de entender bem aonde está a diferença entre dizer e fazer e nos ensine o caminho do fazer e nos ajude a percorrê-lo, porque o caminho do dizer nos leva ao lugar aonde estavam os doutores da lei, os clérigos a quem gostava se vestir e ser como majestades, não? E esta não é a realidade do Evangelho! Que o Senhor nos ensine este caminho”.

Por Rádio Vaticana

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz – A Serviço da Evangelização