Arquivo da categoria: CNBB

Semana Nacional da Família 2017 – Por Dom Orani

A Igreja sempre procurou servir ao bem da família. Por um lado, por acreditar ser ela além da célula Mãe da sociedade e o santuário da vida, mas é também a “Igreja doméstica” (Constituição Dogmática Lumen Gentium, n. 11). E, por outro, porque está convencida de que “o bem-estar da pessoa e da sociedade humana e cristã está intimamente ligado com uma favorável situação da comunidade conjugal e familiar (Constituição Pastoral Gaudium et Spes, n. 47).

capa_hora_familia_2017

Logo no início de seu pontificado, o Papa São João Paulo II publicou uma Exortação Apostólica sobre a família, como conclusão, precisamente, dos temas tratados e um Sínodo de Bispos sobre a família. Nela, ele afirma com convicção que a evangelização depende essencialmente da saúde espiritual dessa instituição, porque, “onde uma legislação antirreligiosa pretende impedir até a educação na fé, onde uma incredulidade difundida ou um secularismo invasor tornam praticamente impossível um verdadeiro crescimento religioso, aquela que poderia ser chamada “Igreja doméstica” fica como único ambiente, no qual crianças e jovens podem receber uma autêntica catequese” (Papa São João Paulo II, Exortação Apostólica Familiares consortio, n. 52).

Amar a família significa saber estimar os seus valores e possibilidades, promovendo-os sempre. Amar a família significa descobrir os perigos e os males que a ameaçam, para poder superá-los. Amar a família significa empenhar-se em criar um ambiente favorável ao seu desenvolvimento. E, por fim, forma eminente de amor à família cristã de hoje, muitas vezes tentada por incomodidades e angustiada por crescentes dificuldades, é dar-lhe novamente razões de confiança em si mesma, nas riquezas próprias que lhe advém da natureza e da graça e na missão que Deus lhe confiou. É necessário que as famílias do nosso tempo tomem novamente altura! É necessário que sigam a Cristo” (Papa São João Paulo II, Exortação Apostólica Familiares consortio, Conclusão).

A cada ano, durante o mês de agosto onde temos a graça de celebramos aqui no Brasil o mês vocacional, celebramos a semana nacional da família. A Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) disponibilizou o subsídio “Hora da Família” 2017, com temas para os encontros da Semana Nacional da Família, que, iniciando com o Domingo do Dia dos Pais, neste ano acontece de 13 a 19 de agosto. O tema é: “Família, uma luz para a vida em sociedade” está em sintonia com o impulso da Igreja no Brasil para que seja percebida a importância das ações dos cristãos leigos e leigas na sociedade. É um modo de aprofundar e divulgar o documento do Papa Francisco, a “Amoris Laetitia” que inicia lembrando que “ ALEGRIA DO AMOR que se vive nas famílias é também o júbilo da Igreja. Apesar dos numerosos sinais de crise no matrimónio – como foi observado pelos Padres sinodais – «o desejo de família permanece vivo, especialmente entre os jovens, e isto incentiva a Igreja». Como resposta a este anseio, «o anúncio cristão sobre a família é verdadeiramente uma boa notícia»

Temos muitas atividades criativas e diferentes para a Semana da Família. Nossa sugestão é para que os movimentos familiares, encontristas, equipistas e em conjunto com o Setor ou Dimensão da Família e seus vários aspectos da Pastoral familiar trabalhem unidos para testemunhar a vida da família cristã nos tempos atuais. A sugestão do subsídio da Igreja no Brasil, para cada dia da semana, tem um tema com oração e com reflexão para cada dia. Temas sugeridos: 1º Encontro: O perfil mariano da Igreja; 2º Encontro: A família; 3º Encontro: A necessária mudança de mentalidade e de estrutura; 4º Encontro: Igreja, comunhão na diversidade; 5º Encontro: O perdão na família: fonte de reconciliação e libertação; 6º Encontro: Serviço cristão no mundo; 7º Encontro: A família promotora da misericórdia na sociedade.

Além dos tradicionais encontros celebrativos para o Dia das Mães e o Dia dos Pais, o Hora da Família 2017 traz uma sugestão de Leitura Orante (Lectio Divina) com o tema “Valor e virtude do amor”, a partir do texto bíblico de 1Cor 13. Lembremos das palavras proféticas de São João Paulo II: “o futuro da humanidade passa pela família”.

Insistindo ainda no texto do Papa Francisco sobre a Família, Amoris Latetitia: 58. Diante das famílias e no meio delas, deve ressoar sempre de novo o primeiro anúncio, que é o «mais belo, mais importante, mais atraente e, ao mesmo tempo, mais necessário» e «deve ocupar o centro da atividade evangelizadora». É o anúncio principal, «aquele que sempre se tem de voltar a ouvir de diferentes maneiras e aquele que sempre se tem de voltar a anunciar, duma forma ou doutra», Porque «nada há de mais sólido, mais profundo, mais seguro, mais consistente e mais sábio que esse anúncio» e «toda a formação cristã é, primariamente, o aprofundamento do querigma

 E concluamos com a belíssima oração da Exortação Apostólica Amoris Laetitia, n.325 –  Oração à Sagrada Família:

Jesus, Maria e José, em vós contemplamos o esplendor do verdadeiro amor, confiantes, a Vós nos consagramos. Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculos de oração, autênticas escolas do Evangelho e pequenas igrejas domésticas. Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais haja nas famílias episódios de violência, de fechamento e divisão; e quem tiver sido ferido ou escandalizado seja rapidamente consolado e curado. Sagrada Família de Nazaré, fazei que todos nos tornemos conscientes do caráter sagrado e inviolável da família, da sua beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, ouvi-nos e acolhei a nossa súplica. Amém.

Orani João, Cardeal Tempesta, O.Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

Por Rádio Vaticano 

Portal Terra de Santa Cruz 

Novena e Festa da Padroeira do Brasil 2017!

A Novena e Festa da Padroeira do Brasil 2017 celebra os 300 anos do Encontro da Imagem de Nossa Senhora. Um momento especial de devoção e fé do povo brasileiro!

Novena e Festa 2017
Clique na imagem para conhecer a Novena
e Festa da Padroeira 2017! 

Todos os anos, em outubro, celebramos a Festa da Padroeira. Neste ano, a celebração acontecerá com um motivo especial: a comemoração dos 300 anos do Encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida nas águas do Rio Paraíba do Sul. São 300 anos de uma história de devoção, bênção e graça.

O livro da Novena e Festa da Padroeira 2017 chega para auxiliar todos os devotos da Rainha e Padroeira do Brasil nesse momento grandioso. A obra contém os textos da novena diária, os cânticos que serão entoados durante as celebrações e a missa da Solenidade de Nossa Senhora Aparecida.

Segundo Padre João Batista de Almeida, C.Ss.R, Reitor do Santuário Nacional, a expectativa é de que a novena seja feita por momentos especiais de oração e de que os encontros propostos, no livro, sejam restauradores de vida, recuperadores de dignidades perdidas e libertadores de escravidão assim como tem sido a história da devoção a Nossa Senhora Aparecida nestes 300 anos.

Você encontra a Novena e Festa da Padroeira no site editorasantuario.com.br ou meio da Central de Atendimento 0800 16 00 04

Por A12.com

Adaptação/Foto: Portal Terra de Santa Cruz

Mês Vocacional destaca exemplo da Virgem Maria e necessidade de vocações

“A messe é grande mas os operários são poucos”, afirma Dom Jaime Spengler

Todos os anos, durante o mês de agosto, a Igreja no Brasil convida os fiéis a refletirem sobre as vocações, em diferentes aspectos. Em 2017, o chamado “mês vocacional” irá focar no exemplo de Nossa Senhora.

Com o tema “A exemplo de Maria, discípulos missionários” e o lema “Eis-me aqui, faça-se”, a CNBB busca motivar a oração pelas vocações nas comunidades, paróquias e dioceses, além de conscientizar adolescentes e jovens ao chamado de servir a Igreja.

De acordo com o presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados da CNBB e arcebispo de Porto Alegre, Dom Jaime Spengler, a escolha da temática se deu por ‘Nossa Senhora ser exemplo de mulher de oração’.

“A oração é também o pedido que Nosso Senhor faz aos discípulos quando vê o tamanho da messe sem o número suficiente de pastores, a messe é grande mas os operários são poucos”, explica.

Para ele, a intenção deste ano é justamente alertar para o número de vocações sacerdotais e religiosas no Brasil. “É pedir ao Senhor da messe que envie operários. A oração é o meio privilegiado para suplicar, pedir ao Senhor que envie esses operários que a Igreja tanto precisa. O nosso povo sedento de Deus, sedento de transcendência, sedento do Evangelho necessita de pastores, de pessoas capazes de anunciar essa palavra como fez Maria, isto seja no Ministério Ordenado, seja através da Vida Consagrada, seja através do anuncio catequético, nas diversas atividades do cotidiano e também no mundo leigo”, destacou.

O mês vocacional é também celebrado no contexto do Ano Nacional Mariano, proclamado pela CNBB, por ocasião dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, no Rio Paraíba do Sul. Por isso, a escolha da temática dedicada a Nossa Senhora também se fez presente.

“A Igreja no Brasil realmente deseja neste mês de agosto de 2017 promover um grande mutirão e dentro das comemorações dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida realmente suplicar ao céu que não falte operários para a vinha. Esperamos que muitos jovens do sexo feminino, do sexo masculino possam responder como fez Maria: Eis-me aqui, faça-se segundo a tua palavra”, finalizou.

cartaz_mes_vocacional_cnbb

Material de apoio

Para ajudar nas reflexões do mês vocacional, a Comissão para os Ministérios Ordenados e a presidência nacional da Pastoral Vocacional/SAV todo ano propõe subsídio, editado pela Edições CNBB. Dessa vez, o material oferece um tríduo de oração pelas vocações.

Segundo o coordenador nacional da Pastoral Vocacional, padre Elias Silva, a proposta é oferecer celebrações vocacionais em torno da Palavra, momentos onde a comunidade possa se alimentar da Palavra rezando pelas vocações. “É uma forma de rezar pelas vocações e com todos os vocacionais seja pela vida religiosa, consagrada e todas as outras formas”.

Dom Jaime explica que com o subsídio, a Pastoral Vocacional do Brasil deseja promover a partir da Sagrada Escritura uma abordagem particular em torno da temática das vocações.

“Nós acreditamos que a Leitura Orante da Palavra é capaz de iluminar as buscas de todo ser humano e é a partir da Sagrada Escritura que nós podemos melhor compreender o que significa fazer a vontade de Deus, então foi preparado um pequeno subsídio para favorecer essa reflexão e essa oração também nas nossas comunidades, tendo sempre como pano de fundo a Sagrada Escritura, porque é a partir da Palavra que nós encontramos orientações seguras para as iniciativas da comunidade de fé”, destacou.

O material já está à venda no site da ‘Edições CNBB’.

Ao todo, o subsídio contém três sugestões de encontros com os temas:

1º) “A Vocação Nasce na Igreja”
2º) “A Vocação Cresce na Igreja”
3º) “A Vocação é Cultivada na Igreja”.

O material traz, ainda, roteiro oracional, cantos e reflexões do papa Francisco sobre as vocações e indica, também, três roteiros para auxiliar nas missas dominicais do Mês Vocacional:

7 de agosto – vocação ministério ordenado: diáconos, padres e bispos;
14 de agosto – vocação matrimonial;
21 de agosto – vocação à vida consagrada;
28 de agosto – vocação dos leigos.

O presidente nacional da Pastoral Vocacional, padre Elias Aparecido da Silva, ressalta que a data é um importante momento para a promoção vocacional nas comunidades.

“Precisamos aproveitar nossas assembleias reunidas, grupos já formados, momentos de oração comunitária e até mesmo os atos devocionais para insistentemente propor que todos rezem pelas vocações, para que o Senhor da messe envie santas e numerosas vocações, e ainda provocar nossos adolescentes e jovens para que respondam com generosidade ao chamamento de Deus”, sugere o sacerdote.

Portal Terra de Santa Cruz

 

Card. Hummes: Igreja não faz missão de vez em quando, é sempre missionária

De passagem por Roma dias atrás, Dom Claudio falou ao Programa Brasileiro da Rádio Vaticano, trazendo, entre outros assuntos o desafio da missão na realidade amazônica. Antes de situar a Missão Continental na Amazônia, o presidente da Repam dá-nos o contexto em que esse projeto foi proposto pela Conferência de Aparecida.

“A Missão Continental significava uma Igreja na América Latina articulada também na missão, e não apenas cada uma fazendo a sua missão em suas dioceses”, afirma Dom Claudio acrescentando que a missão permanente significava em primeiro lugar que a Igreja não faz apenas de vez em quando a missão, mas ela é sempre missionária. “Dentro deste próprio projeto de uma Missão Continental apareceu a questão da Amazônia”, disse ainda. Vamos ouvir (ouça clicando abaixo).

Cardeal Cláudio Hummes, O.F.M é  presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), também presidente da Repam – Rede Eclesial Pan-Amazônica.

Por Rádio Vaticano 

Portal Terra de Santa Cruz