Arquivo da categoria: Centenário de Fátima

A íntegra da homilia de Francisco na canonização dos pequenos pastores no centenário de Fátima

Confira abaixo a íntegra da homilia pronunciada pelo Papa na canonização dos pequenos Francisco e Jacinta Marto, na manhã de sábado, 13 de maio, em Fátima:

«Apareceu no Céu (…) uma mulher revestida de sol»: atesta o vidente de Patmos no Apocalipse (12, 1), anotando ainda que ela «estava para ser mãe». Depois ouvimos, no Evangelho, Jesus dizer ao discípulo: «Eis a tua Mãe» (Jo 19, 26-27). Temos Mãe! Uma «Senhora tão bonita»: comentavam entre si os videntes de Fátima a caminho de casa, naquele abençoado dia treze de maio de há cem anos atrás. E, à noite, a Jacinta não se conteve e desvendou o segredo à mãe: «Hoje vi Nossa Senhora». Tinham visto a Mãe do Céu. Pela esteira que seguiam os seus olhos, se alongou o olhar de muitos, mas… estes não A viram. A Virgem Mãe não veio aqui, para que A víssemos; para isso teremos a eternidade inteira, naturalmente se formos para o Céu.

Mas Ela, antevendo e advertindo-nos para o risco do Inferno onde leva a vida – tantas vezes proposta e imposta – sem-Deus e profanando Deus nas suas criaturas, veio lembrar-nos a Luz de Deus que nos habita e cobre, pois, como ouvíamos na Primeira Leitura, «o filho foi levado para junto de Deus» (Ap 12, 5). E, no dizer de Lúcia, os três privilegiados ficavam dentro da Luz de Deus que irradiava de Nossa Senhora. Envolvia-os no manto de Luz que Deus Lhe dera. No crer e sentir de muitos peregrinos, se não mesmo de todos, Fátima é sobretudo este manto de Luz que nos cobre, aqui como em qualquer outro lugar da Terra quando nos refugiamos sob a proteção da Virgem Mãe para Lhe pedir, como ensina a Salve Rainha, «mostrai-nos Jesus».

Queridos peregrinos, temos Mãe. Agarrados a Ela como filhos, vivamos da esperança que assenta em Jesus, pois, como ouvíamos na Segunda Leitura, «aqueles que recebem com abundância a graça e o dom da justiça reinarão na vida por meio de um só, Jesus Cristo» (Rm 5, 17). Quando Jesus subiu ao Céu, levou para junto do Pai celeste a humanidade – a nossa humanidade – que tinha assumido no seio da Virgem Mãe, e nunca mais a largará. Como uma âncora, fundeemos a nossa esperança nessa humanidade colocada nos Céus à direita do Pai (cf. Ef 2, 6). Seja esta esperança a alavanca da vida de todos nós! Uma esperança que nos sustente sempre, até ao último respiro.

Com esta esperança, nos congregamos aqui para agradecer as bênçãos sem conta que o Céu concedeu nestes cem anos, passados sob o referido manto de Luz que Nossa Senhora, a partir deste esperançoso Portugal, estendeu sobre os quatro cantos da Terra. Como exemplo, temos diante dos olhos São Francisco Marto e Santa Jacinta, a quem a Virgem Maria introduziu no mar imenso da Luz de Deus e aí os levou a adorá-Lo. Daqui lhes vinha a força para superar contrariedades e sofrimentos. A presença divina tornou-se constante nas suas vidas, como se manifesta claramente na súplica instante pelos pecadores e no desejo permanente de estar junto a «Jesus Escondido» no Sacrário.

Nas suas Memórias (III, n. 6), a Irmã Lúcia dá a palavra à Jacinta que beneficiara duma visão: «Não vês tanta estrada, tantos caminhos e campos cheios de gente, a chorar com fome, e não tem nada para comer? E o Santo Padre numa Igreja, diante do Imaculado Coração de Maria, a rezar? E tanta gente a rezar com ele?» Irmãos e irmãs, obrigado por me acompanhardes! Não podia deixar de vir aqui venerar a Virgem Mãe e confiar-lhe os seus filhos e filhas. Sob o seu manto, não se perdem; dos seus braços, virá a esperança e a paz que necessitam e que suplico para todos os meus irmãos no Batismo e em humanidade, de modo especial para os doentes e pessoas com deficiência, os presos e desempregados, os pobres e abandonados. Queridos irmãos, rezamos a Deus com a esperança de que nos escutem os homens; e dirigimo-nos aos homens com a certeza de que nos vale Deus.

Pois Ele criou-nos como uma esperança para os outros, uma esperança real e realizável segundo o estado de vida de cada um. Ao «pedir» e «exigir» o cumprimento dos nossos deveres de estado (carta da Irmã Lúcia, 28/II/1943), o Céu desencadeia aqui uma verdadeira mobilização geral contra esta indiferença que nos gela o coração e agrava a miopia do olhar. Não queiramos ser uma esperança abortada! A vida só pode sobreviver graças à generosidade de outra vida. «Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto» (Jo 12, 24): disse e fez o Senhor, que sempre nos precede. Quando passamos através dalguma cruz, Ele já passou antes. Assim, não subimos à cruz para encontrar Jesus; mas foi Ele que Se humilhou e desceu até à cruz para nos encontrar a nós e, em nós, vencer as trevas do mal e trazer-nos para a Luz.

Sob a proteção de Maria, sejamos, no mundo, sentinelas da madrugada que sabem contemplar o verdadeiro rosto de Jesus Salvador, aquele que brilha na Páscoa, e descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e rica no amor.

Por Rádio Vaticano

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz

Solene Coroação da Virgem Gloriosa de Fátima – Arautos do Evangelho (Vídeo-áudio)

Solenidade de Nossa Senhora de Fátima 13 de Maio
Solene Coroação da Virgem Gloriosa de Fátima – Arautos do Evangelho

Conheça nosso canal no youtube

YOU-TUBE-BOTÃO-1024x297

Siga nosso site : www.portalterradesantacruz.com.br

Ficha
01 Narração – Introdução
02 Toque de Trompete
03 Cantate Domino
04 Narração – Entrada da Imagem Peregrina
05 Toque de Trompete
06 Toque de Percussão
07 Toque de Trompete
08 Vivas
09 Quão Formosa Sois, ó Maria!
10 Toque de Trompete
11 Ouverture da Obra “The Occasional Oratorio”
12 Ave Maria
13 Conclamação
14 Narração – Imposição do Santo Rosário
15 Toque de Trompete
16 Ouverture da Obra “The Royal Fireworks Music”
17 Toque de Trompete
18 Santa e Imaculada Rainha
19 Narração – Proclamação do Triunfo de Maria
20 Vossa Destra Merecerá
21 Narração – Invocação ao Espírito Santo
22 Vinde, ó Santo Espírito
23 Narração – Coroação da Imagem Peregrina
24 Toque de Trompete
25 Vinde Senhora e Reinai
26 Martial Symphony da Obra “Belshazzar, an Oratorio”
27 Narração
28 Marcia Trionfale dell’Opera Aida
29 Hallelujah Chorus da Obra “The Messiah, an Oratorio”
30 Narração – Consagração a Jesus por Maria
31 Oração
32 Encerramento – Ó Glória Incomparável
33 Narração – Cortejo de Saída
34 Hino Pontifício

Produção: Associação Internacional de Direito Pontíficio

Reprodução e Edição de Portal Terra de Santa Cruz
Gravação: Sob licença da Associação Cultural de Nossa Senhora de Fátima

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

Especial Centenário de Fátima: Papa Francisco deixa Santuário em festa no final de uma peregrinação inédita à Cova da Iria

O Papa Francisco deixou hoje o Santuário de Fátima em festa, depois da missa conclusiva da peregrinação de 12 e 13 de maio, que este ano coincidiu com a comemoração do Centenário das Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria.

Durante este sábado, o Papa argentino presidiu à canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco Marto, dois dos videntes de Fátima e agora novos santos da Igreja Católica.

“Não podia deixar de vir aqui venerar a Virgem Mãe e confiar-lhe os seus filhos e filhas”, afirmou o Papa durante a homilia, em que pediu paz e esperança “para todos os seus irmãos no Batismo e em humanidade, de modo especial para os doentes e pessoas com deficiência, os presos e desempregados, os pobres e abandonados”.

Foto Arlindo Homem, Papa Francisco em Fátima

A visita do Papa a Portugal que teve como lema ‘Com Maria, peregrino na esperança e na paz’ e fica marcada pelo silêncio no recinto de oração, pelo encontro com doentes e com a decisão de fazer parte do percurso a pé até à Capelinha das Aparições, onde lembrou os “desterrados” da sociedade, propôs uma revolução da “ternura” e desafiou a rejeitar uma religião baseada na superficialidade.

Nessa celebração da noite de sexta-feira, o Papa argentino frisou que Maria não pode ser uma “santinha a quem se recorre para obter favores a baixo preço”.

“Se queremos ser cristãos, devemos ser marianos; isto é, devemos reconhecer a relação essencial, vital e providencial que une Nossa Senhora a Jesus e que nos abre o caminho que leva a Ele”, apontou.

Outro marco da “peregrinação” do Papa ao Santuário de Fátima foi a ‘Procissão do Adeus’.

No final da despedida de Nossa Senhora de Fátima, Francisco saiu em papamóvel pelo meio do recinto de oração, para alegria e emoção de centenas de milhares de pessoas que acenaram para o Papa, de lenços e bandeiras no ar, transformando o espaço num mar de cores, das várias nacionalidades.

A visita do Papa Francisco à Cova da Iria entra agora na sua parte final, primeiro com um almoço com os bispos portugueses, na Casa Nossa Senhora do Carmo, onde o Papa argentino esteve alojado estes dias.

O episcopado português que deixou o recinto em grupo, juntamente com o núncio apostólico (representante da Santa Sé) em Portugal, D. Rino Passigato, distribuindo sorrisos pela multidão, muitos interagindo com grupos das suas respetivas dioceses, de norte a sul do país.

A cerimónia de despedida de Francisco está marcada para a Base Aérea de Monte Real, ponto que marcou também o início da visita do Papa argentino ao Santuário de Fátima.

Depois dos procedimentos protocolares, às 14h45, o voo papal irá seguir às 15h00 em direção ao Aeroporto de Roma/Ciampino.

A chegada do Papa a Roma está prevista para as 19h05 locais, menos uma hora em Fátima.

Infor: Agência Ecclesia

Reprodução: Portal Terra de Santa Cruz

Especial Centenário de Fátima: São Francisco e Santa Jacinta – Conheça a história dos irmãos de Fátima

Santo Francisco e Santa Jacinta, receberam as mensagens de Nossa Senhora de Fátima e souberam viver suas dores.

the_heroic_virtues_of_jacinta_and_francisco

No ano de 1908, nasceu Francisco Marto. Em 1910, Jacinta Marto. Filhos de Olímpia de Jesus e Manuel Marto. Eles pertenciam a uma grande família; e eram os mais novos de nove irmãos. A partir da primavera de 1916, a vida dos jovens santos portugueses sofreria uma grande transformação: as diversas aparições do Anjo de Portugal (o Anjo da Paz) na “Loca do Cabeço” e, depois, na “Cova da Iria”. A partir de 13 de maio de 1917, Nossa Senhora apareceria por 6 vezes a eles.

O mistério da Santíssima Trindade, a Adoração ao Santíssimo Sacramento, a intercessão, o coração de Jesus e de Maria, a conversão, a penitência… Tudo isso e muito mais foi revelado a eles pelo Anjo e também por Nossa Senhora, a Virgem do Rosário. Na segunda aparição, no mês de junho, Lúcia (prima de Jacinta e Francisco) fez um pedido a Virgem do Rosário: que ela levasse os três para o Céu. Nossa Senhora respondeu-lhe: “Sim, mas Jacinta e Francisco levarei em breve”. Os bem-aventurados vivenciaram e comunicaram a mensagem de Fátima. Esse fato não demorou muito. Em 4 de abril de 1919, Francisco, atingido pela grave gripe espanhola, foi uma das primeiras vítimas em Aljustrel. Suas últimas palavras foram: “Sofro para consolar Nosso Senhor. Daqui, vou para o céu”.

Jacinta Marto, modelo de amor que acolhe, acolheu a dor na grave enfermidade, tendo até mesmo que fazer uma cirurgia sem anestesia. Tudo aceitou e ofereceu, como Nossa Senhora havia lhe ensinado, por amor a Jesus, pela conversão dos pecadores e em reparação aos ultrajes cometidos contra o coração imaculado da Virgem Maria. Por conta da mesma enfermidade que atingira Francisco, em 20 de fevereiro de 1920, ela partiu para a Glória. No dia 13 de maio do ano 2000, o Papa João Paulo II esteve em Fátima, e do ‘Altar do Mundo’ beatificou Francisco e Jacinta, os mais jovens beatos cristãos não-mártires.

Papa Francisco canonizou os dois pastorinhos no dia 13 de Maio, durante a sua visita a Portugal por ocasião das comemorações do Jubileu de 100 anos das aparições de Nossa Senhora em Fátima.

santos-francisco-e-jacinta-detalhe

A celebração da Canonização foi marcada pela piedade é fé do povo português e vários peregrinos de todos os continentes presentes em Fátima. Veja como foi este dia memorável -> CANONIZAÇÃO DE FRANCISCO MARTO E JACINTA EM FÁTIMA, 100 A NOS DAS APARIÇÕES DA VIRGEM DO ROSÁRIO

Santo Francisco e Santa Jacinta, rogai por nós!

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização