Arquivo da categoria: Artigos

Indulgência Plenária na Festa da Divina Misericórdia

Saiba por que a Igreja celebra, neste domingo, a festa da Divina Misericórdia e aprenda como lucrar a indulgência plenária nessa celebração.

A devoção à Divina Misericórdia, de acordo com as revelações de Nosso Senhor a Santa Faustina Kowalska, é um grande dom concedido à Igreja Católica no terceiro milênio. Essa expressão de piedade foi de tal modo reconhecida e aprovada pela Igreja que, em 2000, o Papa São João Paulo II — conterrâneo de Santa Faustina — instituiu para a Igreja universal a festa da Divina Misericórdia, a ser celebrada todos os anos, na Oitava da Páscoa.

Mas por que instituir essa festa justamente no segundo domingo do Tempo Pascal?

Além do pedido expresso de Jesus Misericordioso [1], uma das razões pode ser encontrada no fato de que, nesse dia, a liturgia católica relembra com particular intensidade dois grandes instrumentos da divina misericórdia para a salvação humana: os sacramentos do Batismo e da Penitência. Esses dois sacramentos são chamados também de “sacramentos de mortos”, porque foram “instituídos principalmente para restituir a vida da graça às almas mortas pelo pecado” [2]: o Batismo, como a porta pela qual todos temos de passar; e a Confissão, como uma “segunda tábua de salvação” [3], pois é por ela que são restituídos à graça os que voltaram a cair depois de terem sido batizados.

De fato, este domingo da Oitava da Páscoa era chamado, desde os primeiros tempos da Igreja, deDominica in albis. A expressão latina significa “em vestes brancas” e faz referência ao fato de que, durante essa celebração, os neófitos que foram batizados na Vigília Pascal pela primeira vez aparecem com suas vestes alvas, simbolizando a brancura da alma purificada do pecado. Também neste domingo, o Evangelho proclama a instituição do sacramento da Penitência, quando Nosso Senhor Ressuscitado se põe no meio dos discípulos e, soprando sobre eles, diz: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos.” (Jo 20, 22-23)

Para fazer com que vivêssemos mais intensamente esta celebração, o Papa São João Paulo II estabeleceu, em 2002, através de um decreto com “vigor perpétuo”, que este Domingo da Divina Misericórdia fosse enriquecido com a Indulgência Plenária, entre outras razões, para que os fiéis pudessem ” alimentar uma caridade crescente para com Deus e o próximo“. Os termos da concessão são os seguintes:

Concede-se a Indulgência plenária nas habituais condições (Confissão sacramental, Comunhão eucarística e orações segundo a intenção do Sumo Pontífice) ao fiel que no segundo Domingo de Páscoa, ou seja, da “Misericórdia Divina”, em qualquer igreja ou oratório, com o espírito desapegado completamente da afeição a qualquer pecado, também venial, participe nas práticas de piedade em honra da Divina Misericórdia, ou pelo menos recite, na presença do Santíssimo Sacramento da Eucaristia, publicamente exposto ou guardado no Tabernáculo, o Pai-Nosso e o Credo, juntamente com uma invocação piedosa ao Senhor Jesus Misericordioso (por ex., “Ó Jesus Misericordioso, confio em Ti”).

Concede-se a Indulgência parcial ao fiel que, pelo menos com o coração contrito, eleve ao Senhor Jesus Misericordioso uma das invocações piedosas legitimamente aprovadas.

Também aos homens do mar, que realizam o seu dever na grande extensão do mar; aos numerosos irmãos, que os desastres da guerra, as vicissitudes políticas, a inclemência dos lugares e outras causas do género, afastaram da pátria; aos enfermos e a quantos os assistem e a todos os que, por uma justa causa, não podem abandonar a casa ou desempenham uma actividade que não pode ser adiada em benefício da comunidade, poderão obter a Indulgência plenária no Domingo da Divina Misericórdia, se com total detestação de qualquer pecado, como foi dito acima, e com a intenção de observar, logo que seja possível, as três habituais condições, recitem, diante de uma piedosa imagem de Nosso Senhor Jesus Misericordioso, o Pai-Nosso e o Credo, acrescentando uma invocação piedosa ao Senhor Jesus Misericordioso (por ex., “Ó Jesus Misericordioso, Confio em Ti”).

Se nem sequer isto pode ser feito, naquele mesmo dia poderão obter a Indulgência plenária todos os que se unirem com a intenção de espírito aos que praticam de maneira ordinária a obra prescrita para a Indulgência e oferecem a Deus Misericordioso uma oração e juntamente com os sofrimentos das suas enfermidades e os incómodos da própria vida, tendo também eles o propósito de cumprir logo que seja possível as três condições prescritas para a aquisição da Indulgência plenária.

Aproveitemos essa concessão da Igreja, por ocasião da festa da Divina Misericórdia, para fortalecermos o nosso amor a Cristo, vivendo a vida da graça, e mantermos “o espírito desapegado completamente da afeição a qualquer pecado”, pois só assim poderemos receber de Deus as indulgências que Ele, misericordiosíssimo, sempre nos quer conceder.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização

Domingo da Divina Misericórdia: “Jesus eu confio em vós”

A primeira leitura deste domingo nos relata a vida dos primeiros cristãos. Ela está estruturada sobre quatro colunas: o ensinamento dos apóstolos, a partilha dos bens, a partilha do pão ou Eucaristia e as orações em comum. 

O ensinamento dos apóstolos ou catequese provocava nos discípulos uma mudança de vida. A fé na palavra de Deus, revelada por e em Jesus Cristo, agora era explicada pelos apóstolos, e os cristãos deixavam de ser simples cidadãos, para com suas vidas, testemunharem Jesus Cristo. Esse testemunho veremos concretamente nas outras três colunas.

Se acreditavam em Jesus Cristo, elas criam que Deus era Pai de todos e isso os levava a um sentimento de radical fraternidade, daí a partilha de bens, a renúncia à propriedade particular, onde tudo é, livremente, colocado em comum e distribuído de acordo com as necessidades pessoais. Com isso não existe mais pobres.

A partilha do pão celebrava a memória de Jesus que partilhou sua vida. Assim, se reuniram para realizar o gesto e o mandamento de Jesus: “Fazei isso em minha memória de mim”.

O Senhor estava presente no meio deles de modo eucarístico e era partilhado como alimento, como sustento para o dia a dia.
Finalmente a Comunidade também se reunia para louvar o Senhor e, certamente, rezar o Pai-Nosso.

O autor dos Atos nos fala ainda que esse estilo de vida simples, fraterno e temente a Deus, suscitava a adesão de outras pessoas a fazerem parte do grupo dos amigos de Jesus.

Peçamos ao Senhor que nossa vida de batizados, de homens e mulheres que crêem em Jesus, seja fiel à nossa profissão de fé.

Para isso vale que cada noite nossa consciência diante do Senhor nos diga até onde vivemos nossa fé, se fomos capazes de partilhar nossos bens, nosso tempo, nossa atenção, nossa capacidade de ajudar o outro.

A partilha do pão eucarístico da vida que é Jesus deverá refletir o meu dia, meu ato de partilhar os bens que geram vida, com aquele irmão ou irmã, aquele próximo que é carente deles.

Por Radio Vaticano

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização

Festa da Misericórdia e Santa Faustina: Virtudes e desejos…

No Evangelho de São Mateus (18,3) Jesus fala: “Se não mudardes e não vos tornardes como as crianças, de modo algum entrareis no Reino dos Céus”. Também em São Marcos (10,15) o Senhor nos diz que é preciso acolher o Reino de Deus “como uma criança”. Nessas duas passagens podemos destacar duas virtudes de Santa Faustina que nos ajudam a compreender o modo como ela esperou ansiosamente e, de certa forma, antecipou as alegrias da Festa da Misericórdia.

A primeira virtude é a simplicidade

Faustina era, sem dúvida, simples como uma criança nas mãos de Deus, e o próprio Jesus apreciava essa atitude, dando-lhe graças para aperfeiçoá-la. De fato, disse-lhe Jesus: “quero ensinar-te a infância espiritual. Quero que sejas muito pequena, porque, quando és pequena, eu te carrego junto ao meu Coração” (Diário de Santa Faustina, 1481).

A segunda virtude é o reconhecimento

Santa Faustina aprendeu que aquilo que se recebe é dom gratuito e não uma forma de recompensa por nosso merecimento. Como exprime o Pe. Raniero Cantalamessa: “Acolher o Reino como uma criança significa acolhê-lo gratuitamente, como dom, não a título de merecimento. (…) As crianças sabem por instinto a diferença que há entre o merecimento e o privilégio e jamais renunciarão ao seu privilégio de serem crianças, pelo merecimento” (A vida em Cristo, Ed. Loyola, 1998, p. 52).

A Festa da Misericórdia

Há uma passagem do Diário que revela as alegrias do coração de Faustina, tanto por sua participação na obra da Misericórdia quanto pela Festa da Misericórdia. Assim escreveu ela: “Hoje recebi uma carta do Padre Sopocko, pela qual soube que ele pretende mandar imprimir um santinho de Jesus Misericordioso. Pediu-me que lhe enviasse certa oração, que ele quer colocar no verso, se conseguir a aprovação do Arcebispo. Oh! de quanta alegria se enche meu coração por Deus me ter permitido ver essa obra da Sua misericórdia. Oh! quão grandiosa esta obra do Deus Altíssimo! Eu sou apenas seu instrumento. Oh! quão ardentemente desejo ver essa Festa da Misericórdia Divina que Deus está exigindo através de mim, mas se for a vontade de Deus e se ela tiver que ser comemorada solenemente apenas depois da minha morte, eu já agora me alegro com ela e já a comemoro interiormente com a permissão do confessor” (Diário, 711).

051012-Santa-Faustinaa.jpg

O profundo desejo de Santa Faustina era ver a Festa da Misericórdia ser reconhecida pela Igreja. É uma atitude de respeito à vontade de Deus. Esse é, sem dúvida, o segredo de sua serenidade: embora seja uma exigência de Deus, tudo acontece no “tempo de Deus” e não no “tempo dos homens”.

Contudo, seu desejo não deixa de fazer eco no coração do próprio Jesus, que lhe declara: “Pelos teus ardentes desejos, estou apressando a Festa da Misericórdia” (Diário, 1082). Essa intimidade de Santa Faustina com Jesus, a ponto de mover o coração do Senhor, nos surpreende e ensina. Oxalá também nós tivéssemos esse mesmo nível de confiança em Jesus Misericordioso. Como os apóstolos, devemos sempre elevar a Deus, sem descanso, esse clamor: “Senhor, aumenta-nos a fé!” (Lc 17,5).

Por: Pe. Ednilson de Jesus, MIC – misericordia.org.br 

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização

VEJA PROGRAMAÇÃO DA FESTA DA MISERICÓRDIA EM CAMPANHA/MG E PARTICIPE

Cartaz Pronto

Dom Pedro proclama a Páscoa do Senhor na noite da Vigília Pascal em Campanha/MG – “A vigília das vigílias, aleluia Ele ressurgiu”

Na noite, em que Jesus Cristo passou da morte à vida, a Igreja convida os seus filhos a reunirem-se em vigília e oração. Na verdade, a Vigília pascal foi sempre considerada a mãe de todas as vigílias, é o coração do Ano litúrgico. Está celebração se estende por toda oitava da páscoa onde nós cantamos Aleluia o Cristo ressurgiu, as trevas foram dissipadas e ao longo do dia do Domingo de Páscoa e semana seguinte, a palavra de Deus vai nos mostrar nas leituras e no evangelho os acontecimentos pós ressurreição, vida nova.

DSC00394

E foi assim, cantando o Aleluia que sua Excelência Reverendíssima Dom Pedro Cunha Cruz, bispo diocesano da Campanha Proclamou a Páscoa do Senhor na noite da Vigília Pascal (Sábado Santo) na Catedral Diocesana de Santo Antônio em Campanha/MG

Concelebrou esta santa celebração pascal o Reverendíssimo Cônego Luzair Coelho de Abreu, pároco e cura da Catedral e Chanceler do bispado da Campanha. A animação litúrgica ficou a cargo do Coral Catedral.

A comunidade paroquial acolheu dois novos irmãos que foram batizados e crismado neste dia pascal, dia em que como Jesus eles também renascem, para uma vida nova em Deus. Com número expressivo de fiéis Dom Pedro destaca que “vivemos um momento forte e mais importante de nossa caminhada durante a semana santa, chegamos na Vigília pascal, a vigília das vigílias, o ponto culminante da história da humanidade. Cristo ressuscitou, as trevas foram dissipadas, já não há mais dor nem sofrimento, tudo passou. Aleluia Cristo Ressurgiu…” ao final da celebração, Dom Pedro concedeu a bênção solene para todos os fiéis presentes desejando-lhes feliz e santa páscoa!


Na Solene Vigília Pascal é celebrada a Missa da Ressurreição. Essa missa é precedida pela bênção do Fogo Novo e do Círio Pascal, benção da água Batismal e Renovação das Promessas do Batismo.

Fogo: Sinal da presença de Deus na história, em suas manifestações de salvação. Ligado ao fogo, temos o círio pascal que aceso no fogo novo lembra o Cristo ressuscitado.

Luz: Símbolo da vida. Representa a presença de Cristo que é vida e oferece vida e salvação ao homem. Jesus atravessa as portas da mansão dos mortos, vencendo e trazendo a luz para a humanidade.

Água: Também é sinal da vida que é comunicada ao cristão quando ele renasce pelo batismo para um mundo novo.


A celebração da Vigília pascal articula-se em quatro partes: 1) a liturgia da luz ou ‘lucernário’; 2) a liturgia da Palavra; 3) a liturgia batismal; 4) a liturgia eucarística.

1) A liturgia da luz consiste na bênção do fogo, na preparação do círio e na proclamação do louvor pascal. O lume novo e o círio pascal simbolizam a luz da Páscoa, que é Cristo, luz do mundo. O texto do evidencia-o quando afirma que ‘a luz de Cristo (…) dissipa as trevas de todo o mundo» e convida a «celebrar o esplendor admirável desta luz (…) na noite ditosa, em que o céu se une à terra, em que o homem se encontra com Deus!’.

DSC00268

2) A liturgia da Palavra propõe sete leituras do Antigo Testamento, que recordam as maravilhas de Deus na história da salvação e duas do Novo Testamento, ou seja, o anúncio da Ressurreição segundo os três Evangelhos sinópticos, e a leitura apostólica sobre o Batismo cristão como sacramento da Páscoa de Cristo. Assim, a Igreja, ‘começando por Moisés e seguindo pelos Profetas’ (Lc 24,27), interpreta o mistério pascal de Cristo. Toda a escuta da Palavra é feita à luz do acontecimento-Cristo, simbolizado no círio colocado no candelabro junto ao Ambão ou perto do Altar.

DSC00325.JPG

3) A liturgia batismal é parte integrante da celebração. Quando não há Batismo, faz-se a bênção da fonte batismal e a renovação das promessas do Batismo. Do programa ritual consta, ainda, o canto da ladainha dos santos, a bênção da água, a aspersão de toda a assembleia com a água benta e a oração universal. A Igreja antiga batizava os catecúmenos nesta noite e hoje permanece a liturgia batismal, mesmo sem a celebração do Batismo.

DSC00345

DSC00353.JPG

4) A liturgia eucarística é o momento culminante da Vigília, qual sacramento pleno da Páscoa, isto é, a memória do sacrifício da Cruz, a presença de Cristo Ressuscitado, o ápice da Iniciação cristã e o antegozo da Páscoa eterna.

DSC00395

O sábado pascal é iniciado com o fogo novo. O que ele nos remete?

A páscoa originalmente era uma celebração típica dos pastores. Depois passou a ser a grande festa da libertação dos hebreus, recordando sua saída do Egito. Mais tarde foi-lhe incorporada uma antiga festa agrícola dos pães sem fermento (ázimos).

Nesse dia a Igreja toda guarda luto pela morte de Jesus. Neste dia se faz também a comemoração das Dores de Nossa Senhora.

É uma celebração que relembra todos os sofrimentos de Nossa Senhora desde o nascimento de Jesus, culminando com a dor infinita à qual se viu exposto o coração de Maria, ao deixar seu divino Filho no sepulcro. Por maior que seja a solidão que algum coração humano já sentiu, por certo, sequer aproximará do amargor, do infinito abandono que se apossou do coração da mãe do Divino Amor.

DSC00340.JPG

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

Semana Santa- Sermão do Encontro. Proferido pelo Cônego João Luís da Silva em Campanha/MG

Nesta terça-feira santa 11/04, na praça Dr. Jefferson de Oliveira, com a presença de inúmeros fiéis, aconteceu o doloroso encontro de Maria e Jesus. Proferiu o sermão desta noite, o Reverendíssimo Cônego João Luís da Silva da Cidade de Nepomuceno/MG.

DSC04982

DSC04916

Compacto do Sermão:
“Somos todos caminheiros” assim se inicia o sermão.
Mesmo em vale de lágrimas, o que vale é o caminho, a verdade e a vida, essa é a caminhada ideal. Esse é um encontro único entre mãe e filho, mostrando a profundidade do amor de Deus por nós.

O que sente nosso coração diante desse drama? Os muitos sofrimentos do nosso povo em desencontros no caminho dá vida. A necessidade de um encontro pessoal com Deus, é preciso perceber a importância do outro em nossa vida. A pessoa não basta a si mesmo,. Através do encontro com si mesmo, percebemos a importância do outro é dos dons de Deus. Devemos nos abrir para conviver com o outro através de Deus.

A família (casais, país e filhos, irmãos) forma um importante encontro, onde deve haver princípios éticos que norteiam a felicidade. Na presença de Deus sempre, temos que aprender a respeitar as diferenças, preservando a convivência e o diálogo.
A Igreja tem chamado a atenção para a importância da família, da defesa da família, com respeito, ética, dignidade, em nome do AMOR. Uma boa convivência familiar, leva-nos à unidade dá comunidade através de encontro de casais, catequese, pastorais, para assim construirmos um mundo novo. Um mundo marcado por encontros incontáveis que dão sentido à vida.

A necessidade de ações solidárias para com as pessoas que mais precisam: doentes, idosos, carcerários, os que se isolam. Foi isso que Jesus nos ensinou… o encontro com homens, mulheres, crianças, jovens; justos e pecadores, ricos e pobres; até mesmo com aqueles que resistem ao projeto de vida, justiça, de paz e de amor.

Precisamos ter sensibilidade em nossos corações para acolher Jesus com muito carinho, na presença de nosso irmão. Temos que levar as pessoas ao encantamento com os projetos de Jesus; e de encontro em encontro, Jesus procura lares para ser acolhido.
E nesse encontro de Maria com seu filho, o que sentimos? A presença de Deus na vida deles. Só Deus é nosso defensor, protetor e nossa fortaleza. Assim podemos compreender o significado de vc tanta força perante tanta dor. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”

DSC04918
O que nos trouxe aqui hoje? O amor a Jesus, o amor para com Maria. A gratidão a Deus, que nos salva e se entrega através do amor.
Somente com Deus em nós, venceremos o desamor que provoca tanto sofrimento. Só com Deus poderemos encontrar sentido para nossa vida. Olhemos para Jesus é Maria: não podemos desistir. A força é a luz de Deus na eucaristia, nas boas obras, no amor aos irmãos são o caminho que nós levam ao céu. Nos encontros nossos de cada dia construiremos o reino de Deus. E… só Jesus é o caminho que nos leva a Deus!

Este slideshow necessita de JavaScript.

DSC04988.JPG

Coral Campanhense entoa o Moteto PATER MI minutos antes da procissão do Senhor dos Passos sair da Igreja para o sermão do encontro. Confira o vídeo!

Texto: Rondelli Fernandes – Colaboração/Edição/Fotos: Bruno Henrique – Gestor do Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização !!

 

S.SANTA 2017: Fiéis relembram a prisão de Cristo com emocionante sermão do Reverendíssimo Pe. Edson em Campanha/MG

DESTACAMOS PARA VOCÊ, OS PRINCIPAIS PONTOS DO SERMÃO DA PRISÃO DE JESUS, PROFERIDO PELO REVERENDÍSSIMO PADRE EDSON PEREIRA OLIVEIRA EM CAMPANHA/MG


“Segunda-Feira Santa, os fiéis relembram a prisão de Cristo e sua dolorosa caminhada até o Calvário.”

Tradicionalmente, logo após a missa, o cortejo seguiu em procissão até o Adro da Igreja Nossa Senhora das Dores onde o Reverendíssimo Padre Edson Pereira Oliveira – Vigário Paroquial da Campanha e Reitor do Seminário Propedêutico São Pio X, proferiu um breve, mas emocionante sermão.

Padre Edson, pediu aos presentes que olhassem a imagem de Nosso Senhor e cantassem com ele a bela canção Certo Galileu de autoria do Padre Zezinho.

E começou a falar da intenção de Jesus, que nem todos foram capazes de acolher. Lembrando sobre a noite em que Ele agiu com amor e recebeu desamor, dos que mais amava. Falou do gosto amargo da rejeição e uma condenação injusta. Falou da traição de um dos discípulos, dos quais Jesus mais confiava. Lembrou da agonia no Jardim das Oliveiras, daquele que sabia que iria experimentar a pior dor. Falou da oração ao invés da revolta com o Pai, da aceitação naquela noite de traição, do suor de sangue, do abandono dos discípulos na hora em que Ele mais precisava. E do beijo do traidor, que ainda balbuciou um “salve Divino Mestre”, em troca de 30 moedas. Destacou a ira de Pedro que ao ver o Mestre preso, cortou a orelha de um soldado e logo adiante, sua falta de força e fé diante do medo, o faz negar Jesus por três vezes.

DSC04824

DSC04810

Dos questionamentos feitos a Jesus, em tom de ironia e sarcasmo, onde Ele em silêncio aceitava as provocações, porque sabia que o coração do povo não estava preparado para receber o filho de Deus. Pois “se você ensina um sábio, ganhará um amigo, mas se você ensina um ignorante, terá um inimigo.”

E Jesus só falava a verdade, mas a verdade dói a quem não é da verdade, é mais fácil correr…!

Sutilmente, Padre Edson, trouxe tudo isso para os dias atuais e para nossa vida.

Coincidentemente, Domingo de Ramos no Egito, foi cercado de sangue e ramos, por causa do atentado em duas igrejas, onde morreram vários Cristãos Católicos, mártires dos tempos atuais. Vivemos um tempo de perseguição, onde seguir Jesus é perigoso.

DSC04792

Questionou, será que somos capazes de derramar nosso sangue por Jesus?  Você é capaz de dar sua vida por Jesus? Se SIM, você ganha à vida eterna. Se não… Está nas mãos de Deus.

DSC04789Quem você quer ser?

Judas? Aquele que trai que não age corretamente, que tira para si o que não lhe pertence, que se corrompe por 30 moedas?

Pedro? Aquele que nega? Que corre? Que abandona os amigos diante das dificuldades?

Ou Jesus? Aquele que falou a verdade, que sofreu as maiores humilhações, foi julgado, condenado, morto… Que passou por tudo isso, mas nunca deixou de CONFIAR NO PAI?

Cabe a cada um de nós a decisão, porque nós sabemos onde colocamos a nosso CONFIANÇA.

Que nós possamos, no nosso dia a dia, nos livrarmos das perseguições.

E não nos esqueçamos da frase do dia dita pele Rei dos Reis: “PAI, AFASTA DE MIM ESSE CÁLICE.”

Escrito por Rondelli Fernandes – Colaboradora do portal Terra de Santa Cruz 


Após o Sermão todos se dirigiram ao interior da igreja para veneração da imagem do Cristo Prisioneiro. Como é de tradição, o Coral Campanhense (60 anos de História) se faz presente mais um ano na Semana Santa da Campanha, entoando os belíssimos motetos.

DSC04796

DSC04815

DSC04814

DSC04812

DSC04818

Texto: Rondelli Fernandes – Edição/Fotos/Matéria: Bruno Henrique 

Portal Terra de Santa Cruz – a serviço da Evangelização 

Domingo de Ramos: Papa, Jesus está presente nos que padecem tribulações como Ele

Inicia-se neste Domingo de Ramos (09/04) a Semana Santa.

O Papa Francisco presidiu a missa deste domingo, na Praça São Pedro, que contou com a participação de vários fiéis e peregrinos, cerca de quarenta mil pessoas.

“Esta celebração tem, por assim dizer, duplo sabor: doce e amargo. É jubilosa e dolorosa, pois nela celebramos o Senhor que entra em Jerusalém, aclamado pelos seus discípulos como rei; ao mesmo tempo, porém, proclama-se solenemente a narração evangélica de sua Paixão. Por isso, o nosso coração experimenta o contraste pungente e prova, embora numa medida mínima, aquilo que deve ter sentido Jesus em seu coração naquele dia, quando rejubilou com os seus amigos e chorou sobre Jerusalém”, disse o Pontífice.

 https://youtu.be/EF8Bt7kBLCE

“Há trinta e dois anos a dimensão jubilosa deste domingo tem sido enriquecida com a festa dos jovens: a Jornada Mundial da Juventude, que, este ano, se celebra no âmbito diocesano, mas daqui a pouco viverá, nesta Praça, um momento sempre emocionante, de horizontes abertos, com a passagem da Cruz dos jovens de Cracóvia para os do Panamá.”

“O Evangelho, proclamado antes da procissão, apresenta Jesus que desce do Monte das Oliveiras montado num jumentinho, sobre o qual ainda ninguém se sentara; evidencia o entusiasmo dos discípulos, que acompanham o Mestre com aclamações festivas; e pode-se, provavelmente, imaginar que isso contagiou os adolescentes e os jovens da cidade, que se juntaram ao cortejo com os seus gritos. O próprio Jesus reconhece neste jubiloso acolhimento uma força irreprimível querida por Deus, respondendo assim aos fariseus escandalizados: «Eu vos digo, se eles se calarem, as pedras gritarão».”

“Mas este Jesus, cuja entrada na Cidade Santa estava prevista precisamente assim nas Escrituras, não é um iludido que apregoa ilusões, um profeta «new age», um vendedor de fumaça. Longe disso! É um Messias bem definido, com a fisionomia concreta do servo, o servo de Deus e do homem que caminha para a paixão; é o grande Padecente da dor humana”, frisou o Papa.

“Assim, enquanto festejamos o nosso Rei, pensemos nos sofrimentos que Ele deverá padecer nesta Semana. Pensemos nas calúnias, nos ultrajes, nas ciladas, nas traições, no abandono, no julgamento iníquo, nas pancadas, na flagelação, na coroa de espinhos… e, por fim, no caminho da cruz até à crucificação.”

“Ele tinha dito claramente aos seus discípulos: «Se alguém quer vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga». Nunca prometeu honras nem sucessos. Os Evangelhos são claros. Sempre avisou os seus amigos de que a sua estrada era aquela: a vitória final passaria através da paixão e da cruz. E, para nós, vale o mesmo. Para seguir fielmente a Jesus, peçamos a graça de o fazer não por palavras mas com as obras, e ter a paciência de suportar a nossa cruz: não a recusar nem jogar fora, mas, com os olhos fixos n’Ele, aceitá-la e carregá-la a cada dia.”

“Este Jesus, que aceita ser aclamado, mesmo sabendo que O espera o «crucifica-o!», não nos pede para O contemplarmos apenas nos quadros, nas fotografias, ou nos vídeos que circulam na rede. Não. Está presente em muitos dos nossos irmãos e irmãs que hoje, sim hoje, padecem tribulações como Ele: sofrem com o trabalho de escravos, sofrem com os dramas familiares, as doenças… Sofrem por causa das guerras e do terrorismo, por causa dos interesses que se movem por trás das armas que não cessam de matar. Homens e mulheres enganados, violados na sua dignidade, descartados…. Jesus está neles, em cada um deles, e com aquele rosto desfigurado, com aquela voz rouca, pede para ser enxergado, reconhecido, amado.”

“Não há outro Jesus: é o mesmo que entrou em Jerusalém por entre o acenar de ramos de palmeira e oliveira. É o mesmo que foi pregado na cruz e morreu entre dois ladrões. Não temos outro Senhor para além d’Ele: Jesus, humilde Rei de justiça, misericórdia e paz.”

Por Radio Vaticano