Reflexão litúrgica na Solenidade da Epifania do Senhor

Peçamos ao Senhor que modifique nosso modo velho e viciado de ser, pensar e de agir. Acreditemos – pois é um fato – que a salvação não virá dos poderosos, nem do dinheiro, nem da sociedade consumista.
A primeira leitura faz referência à situação de luto em que vive o Povo da Antiga Aliança e o anúncio de que deve se despir dessas vestes e trajar as da alegria porque o Senhor virá a ele e o iluminará com sua própria Luz. Será o povo luz, que iluminará os demais.

No Evangelho, vemos representantes de povos estrangeiros vindos até os descendentes de Abraão, guiados por uma luz diferente e buscando entre eles o novo rei.

Acontece que os magos, ao buscarem o novo rei, vão a Jerusalém e até Herodes. Apesar de intuírem e buscarem o novo, eles seguem os costumes antigos. Mas Deus lhes dá, além da intuição e sensibilidade, o dom do discernimento. Quando eles conversam com o rei Herodes, percebem que ali está um assassino, um opressor, um autêntico títere dos imperadores romanos. Ora, o novo rei é um chefe que apascentará o povo, que o defenderá dos lobos, bem diferente de Herodes.

Também o dom do discernimento fará com que percebam que não poderão encontrá-lo em Jerusalém, a cidade do poder, onde estão os sacerdotes coniventes com uma ideologia conservadora e opressora.

As profecias falam na cidade de Davi, Belém. É bem menor que a capital, mas possui a graça de ter sido a terra do grande rei, do jovem pastor, oriundo de uma família pobre. Os magos seguem as profecias e o conselho interesseiro do rei e colocam-se de novo na estrada. Nesse momento em que estão em busca, novamente surge a estrela e os conduz a Belém. Encontram uma criança, com toda sua fragilidade, junto aos seus pais, cidadãos pobres.

Essa intuição que os tirou da acomodação de casa, que os colocou na estrada, que os guiou como o brilho de uma estrela, que não os abandonou junto ao rei Herodes, que novamente os conduziu até Belém, essa Luz é a manifestação do próprio Deus. Mas a iluminação não parou aí, ela os fez ver que o novo rei deveria ser novo em todos os sentidos, inclusive no modo novo de reinar. Enquanto os reis tradicionais reinavam sendo servidos pelos súditos, este iria servir seus subalternos.

O novo rei era pobre e filho de uma família pobre. Suas visitas eram pessoas simples, desclassificadas aos olhos do alto clero de Jerusalém. Um poder novo surgia e vinha dos fracos, dos humildes, mas esse poder contava com uma força diferente, uma força que impulsiona os corações e é guiada pela Sabedoria.

Ao mesmo tempo o Povo da Aliança deixa de ser um povo marcado pelo mesmo sangue e pela mesma cultura e passa a ser composto por aquelas pessoas que aceitam os ditames desse novo rei: amor, perdão, simplicidade de vida, generosidade e todos os valores contidos nos Evangelhos.

Peçamos ao Senhor que modifique nosso modo velho e viciado de ser, pensar e de agir. Acreditemos – pois é um fato – que  a salvação não virá dos poderosos, nem do dinheiro, nem da sociedade consumista.

Ela virá daquele que possui Luz, brilho próprio, daquele que é capaz de dar a vida a si mesmo, porque é a própria Vida, daquele que tem poder porque ama e serve, porque é o Amor.

Pe. Cesar Augusto dos Santos

LITURGIA DA PALAVRA

Primeira Leitura (Is 60,1-6)

Leitura do Livro do profeta Isaías:

1Levanta-te, acende as luzes, Jerusalém, porque chegou a tua luz, apareceu sobre ti a glória do Senhor.

2Eis que está a terra envolvida em trevas, e nuvens escuras cobrem os povos; mas sobre ti apareceu o Senhor, e sua glória já se manifesta sobre ti. 3Os povos caminham à tua luz e os reis ao clarão de tua aurora.

4Levanta os olhos ao redor e vê: todos se reuniram e vieram a ti; teus filhos vêm chegando de longe com tuas filhas, carregadas nos braços. 5Ao vê-los, ficarás radiante, com o coração vibrando e batendo forte, pois com eles virão as riquezas de além-mar e mostrarão o poderio de suas nações; 6será uma inundação de camelos e dromedários de Madiã e Efa a te cobrir; virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando a glória do Senhor.

– Palavra do Senhor.  Graças a Deus.

Responsório (Sl 71)

— As nações de toda a terra hão de adorar-vos, ó Senhor!

— As nações de toda a terra hão de adorar-vos, ó Senhor!

— Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus, vossa justiça ao descendente da realeza! Com justiça ele governe o vosso povo, com equidade ele julgue os vossos pobres.

— Nos seus dias a justiça florirá e grande paz, até que a lua perca o brilho! De mar a mar estenderá o seu domínio, e desde o rio até os confins de toda a terra!

— Os reis de Társis e das ilhas hão de vir e oferecer-lhe seus presentes e seus dons; e também os reis de Seba e de Sabá hão de trazer-lhe oferendas e tributos. Os reis de toda a terra hão de adorá-lo, e todas as nações hão de servi-lo.

— Libertará o indigente que suplica, e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. Terá pena do indigente e do infeliz, e a vida dos humildes salvará.

Segunda Leitura (Ef 3,2-3a.5-6)

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios:

Irmãos: 2Se ao menos soubésseis da graça que Deus me concedeu para realizar o seu plano a vosso respeito, 3ae como, por revelação, tive conhecimento do mistério.

5Este mistério, Deus não o fez conhecer aos homens das gerações passadas, mas acaba de o revelar agora, pelo Espírito, aos seus santos apóstolos e profetas: 6os pagãos são admitidos à mesma herança, são membros do mesmo corpo, são associados à mesma promessa em Jesus Cristo, por meio do Evangelho.

– Palavra do Senhor.  Graças a Deus.

Anúncio do Evangelho (Mt 2,1-12)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

1Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, 2perguntando: “Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”.

3Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado, assim como toda a cidade de Jerusalém.

4Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da Lei, perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer. 5Eles responderam: “Em Belém, na Judeia, pois assim foi escrito pelo profeta: 6E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe que vai ser o pastor de Israel, o meu povo”.

7Então Herodes chamou em segredo os magos e procurou saber deles cuidadosamente quando a estrela tinha aparecido. 8Depois os enviou a Belém, dizendo: “Ide e procurai obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-lo”. 9Depois que ouviram o rei, eles partiram. E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino.

10Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande.

11Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra.

12Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho.

— Palavra da Salvação.  Glória a vós, Senhor.

Anúncios

Uma consideração sobre “Reflexão litúrgica na Solenidade da Epifania do Senhor”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s