Vaticano dita normas para sepultamento de mortos, cremação e conservação de cinzas

O Vaticano apresentou um documento sobre o sepultamento de defuntos e a conservação de cinzas em caso de cremação, elaborado pela Congregação para a Doutrina da Fé, presidida pelo Cardeal Gerhard Müller.

Com estas novas normas incluídas na instrução intitulada Ad resurgendum cum Christo se proíbe algumas práticas amplamente difundidas na atualidade entre os católicos, como a conservação das cinzas no lar, jogar as cinzas do defunto no mar ou usá-las para fazer lembrancinhas.

A cremação é lícita e as cinzas devem ser conservadas em um lugar sagrado

A Igreja estabelece agora que “onde por razões de tipo higiênico, econômico ou social se escolhe a cremação; escolha que não deve ser contrária à vontade explícita ou razoavelmente presumível do fiel defunto, a Igreja não vê razões doutrinais para impedir tal práxis; uma vez que a cremação do cadáver não toca o espírito e não impede à onipotência divina de ressuscitar o corpo. Por isso, tal fato, não implica uma razão objetiva que negue a doutrina cristã sobre a imortalidade da alma e da ressurreição dos corpos”.

O texto indica que “a Igreja continua a preferir a sepultura dos corpos uma vez que assim se evidencia uma estima maior pelos defuntos; todavia, a cremação não é proibida, ‘a não ser que tenha sido preferida por razões contrárias à doutrina cristã’”.

As cinzas, estabelece o texto, “devem ser conservadas, por norma, em um lugar sagrado, isto é, no cemitério ou, se for o caso, numa igreja ou em um lugar especialmente dedicado a esse fim determinado pela autoridade eclesiástica”.

A instrução estabelece que “a conservação das cinzas em um lugar sagrado pode contribuir para que não se corra o risco de afastar os defuntos da oração e da recordação dos parentes e da comunidade cristã. Por outro lado, deste modo, se evita a possibilidade de esquecimento ou falta de respeito que podem acontecer, sobretudo depois de passar a primeira geração, ou então cair em práticas inconvenientes ou supersticiosas”.

Não se pode conservar as cinzas no lar

A Congregação para a Doutrina da Fé assinala que está totalmente proibida “a conservação das cinzas em casa”. “Somente em casos de circunstâncias graves e excepcionais, dependendo das condições culturais de carácter local, o Ordinário, de acordo com a Conferência Episcopal ou o Sínodo dos Bispos das Igrejas Orientais, poderá autorizar a conservação das cinzas em casa”.

“As cinzas, no entanto, não podem ser dividias entre os vários núcleos familiares e deve ser sempre assegurado o respeito e as adequadas condições de conservação das mesmas”, diz também.

Não se pode dispersar as cinzas

O Papa Francisco também aprovou que “para evitar qualquer tipo de equívoco panteísta, naturalista ou niilista, não seja permitida a dispersão das cinzas no ar, na terra ou na água ou, ainda, em qualquer outro lugar. Exclui-se, ainda a conservação das cinzas cremadas sob a forma de recordação comemorativa em peças de joalharia ou em outros objetos, tendo presente que para tal modo de proceder não podem ser adotadas razões de ordem higiênica, social ou econômica a motivar a escolha da cremação”.

Por que essas proibições?

“Seguindo a antiga tradição cristã, a Igreja recomenda insistentemente que os corpos dos defuntos sejam sepultados no cemitério ou em um lugar sagrado”.

O texto recorda que em 1963, a Santa Sé estabeleceu que “seja fielmente conservado o costume de enterrar os cadáveres dos fiéis”, mas “acrescentando, ainda, que a cremação não é ‘em si mesma contrária à religião cristã’. Mais ainda, afirmava que não devem ser negados os sacramentos e as exéquias àqueles que pediram para ser cremados, na condição de que tal escolha não seja querida ‘como a negação dos dogmas cristãos, ou num espírito sectário, ou ainda, por ódio contra a religião católica e à Igreja’”.

Entretanto, a Congregação para a Doutrina da Fé destaca que “a prática da cremação difundiu-se bastante em muitas Nações” e “difundem-se, também, novas ideias contrastantes com a fé da Igreja”.

O Vaticano também recorda que “a inumação é, antes de mais, a forma mais idônea para exprimir a fé e a esperança na ressurreição corporal”.

“Enterrando os corpos dos fiéis defuntos, a Igreja confirma a fé na ressurreição da carne, e deseja colocar em relevo a grande dignidade do corpo humano como parte integrante da pessoa da qual o corpo compartilha a história”.

A Igreja adverte, portanto, que “não pode permitir comportamentos e ritos que envolvam concepções errôneas sobre a morte: seja o aniquilamento definitivo da pessoa; seja o momento da sua fusão com a Mãe natureza ou com o universo; seja como uma etapa no processo da reencarnação; seja ainda, como a libertação definitiva da ‘prisão’ do corpo”.

Por Radio Vaticano

Portal Terra de Santa Cruz

Adicione o nosso perfil no facebook, fale conosco!

Curta nossa página no Facebook e conheça o nosso canal no YouTube 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s