“Unidade e alegria sacerdotal” – Homilia de Dom Pedro C. Cruz – Missa da Unidade Diocesana (Santos Óleos)

Missa da Unidade – A unidade dos presbíteros com o bispo neste dia é fundamental. Daí a importância de todo o presbitério participar, em todo mundo, desta celebração do Santo  Crisma, onde a nossa unção com óleo da alegria é recordada e renovada. O Decreto Christus Dominus, n. 16 lembra aos bispos: “tratem sempre com especial caridade os sacerdotes, que compartilham de suas funções e solicitude…considerando filhos e amigos, para que possam exercer com fidelidade e fruto o seu ministério”.

    A unidade que celebramos hoje está alicerçada no amor à vontade divina e na caridade e fraternidade sacerdotal; insto é que nos ajuda a construir uma unidade de vida. O sacerdote deve tender a ela sempre por um novo motivo. O crescimento desta unidade entre nós se fundamenta sempre no amor fraterno e na caridade pastoral,  além do testemunho como reflexo de nossa vida interior. “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa-Nova  (Lc 4,18). Se formos pastores desejosos do amor de Cristo e da consequente caridade pastoral, seremos também um Evangelho vivo. Somos portadores de uma consagração ontológica que se estende por tempo integral (não existe folga ou férias do nosso ser padre, nós o somos 24h).

   Nesta celebração recordamos nossa identidade d efundo conferida no sacramento da ordem, sobre a qual se desenvolve fecundamente a graça de nosso pastoreio. Como dizia São João Bosco, é sacerdote no altar e no confessionário, como na escola, pelas ruas e em toda parte. Este ministério não pode ficar na periferia de nossa, mas no seu próprio centro.

   Estamos reunidos hoje nesta celebração porque queremos também reforçar a nossa unidade interior, além daquela com todo presbitério; pois a ruptura da unidade interior no sacerdote gera um esfriamento de sua caridade e ardor pastoral, ou seja, do “amor vigilante do mistério que traz em si para o bem da igreja e da humanidade” (João Paulo II, Pastores dabo Vobis, n. 72). Lembramos  assim, que o sacerdócio ministerial, na medida em que se configura ao ser e ao agir sacerdotais de Cristo, introduz sempre uma novidade na vida e na espiritualidade de quem recebeu este bom. Portanto, não podemos nunca deixar de aprofundar a nossa “consciência de ser ministro” (PDV, N 25); isto é de grande importância para vida espiritual do sacerdote e para a eficácia do seu próprio ministério. Tal foi a “consciência de Jesus” ao tomar o livro do profeta Isaías e afirmar; “hoje se cumpriu esta passagem da escritura que acabaste de ouvir” (Lc 4, 21)

  “Jesus nos ama…fez de nós um reino, sacerdotes para seu Deus e Pai” (Ap 1, 5.6). Nós presbíteros fomos chamados na Igreja com uma vocação e missão especial, ou seja, amar a Jesus incondicionalmente; ser pastores com Ele, como Ele e por Ele. “Recebemos uma graça especial para sermos pastores santos” (PO 12). Paulo VI já nos levava a questionar ao dizer: “Se és sacerdote, por que não és santo? E, se não és santo, para que és sacerdote?”. Deus dá aos pastores um caminho para santificar-se. Exercendo autêntica e incansavelmente seu ministério no Espírito de Cristo, cada atividade ministerial produz santidade (PO 13). Desta forma, contemplando O Bom Pastor, os ministros ordenados alcançarão o vínculo o vínculo da perfeição sacerdotal que leva à unidade suas vidas e atividades. Imitamos a Cristo em sua entrega e em seu serviço. “É a doação de nós mesmos que mostra o amor de Cristo por seu rebanho, através de nosso modo de pensar e agir, nosso modo de comportar-nos com o povo” (CF PDV 23). A caridade específica de ministros de Deus, não permite tratar mal o rebanho a nós confiado, mas a leva-lo cada vez mais a Deus, como pontes que devemos ser e não muros da discórdia, da divisão, da insensibilidade e até da infâmia. Somos ministros da misericórdia, para além de um ano só que já vivemos dedicado a ela.

   Nesta Santa Eucaristia, queremos renovar nossa consciência de ministros de Cristo.  Nem sempre conseguimos atingir um ideal projetado por nossa boa intenção, para fazer tudo e só aquilo que Deus quer; mas se não atingimos este ideal, temos que nos confiar à Providência e deixarmos o restante nas mãos de Deus .  Mais uma vez repito, para atingirmos esta unidade temos que trabalhar sempre em comunhão com o bispo e com todo o presbitério. Trabalhamos assim, os presbíteros encontrarão a unidade da própria vida na própria unidade da missão da igreja (CF PO 14).  Assim seremos sempre consolados e transbordantes de alegria (Unção da Alegria). Lutemos contra tudo aquilo que nos tenta roubar a alegria. Tenhamos sabedoria e força para irmos adiante com alegria, fazendo  também o que nos resulta agradável ou cômodo e servindo alegremente também àqueles a quem no custa aceitar.

  Por fim, mesmo vivendo cada vez mais em uma cultura do ódio, da perseguição, da violência, da intolerância (lembremos de nossos irmãos, cristão coptas, mortos em pleno Domingo de Ramos e tantos outros ainda perseguido), queremos compreender e viver a unidade e harmonia em nossas vidas de pastores e ministros de Deus. Vivemos em um tempo difícil, seja na economia na ética, na política, na área social e previdenciária, em várias esferas da existência, mas queremos agradecera Jesus hoje, sua presença  seu amor por cada um de nós. A nossa unidade deve ser um sinal de contradição a esta cultura dilacerada pela discórdia e divisão.  Como pastores, sentimos a necessidade de encontrar, cada vez mais a unidade e harmonia entre nós, em nossa vida e nosso ministério. Porém, a unidade e a harmonia dependem só do nosso esforço; assim não sentiremos nosso ministério e nossa vida como uma carga pesada. Antes, teremos sabedoria e fortaleza para ir adiante com alegria.

Obrigado pelo “sim” de cada irmão presbítero que se renova neste dia e pelo trabalho que cada um realiza pelo “bom povo” do rebanho campanhense.

DSC05327.JPG

Assista ao Vídeo da Homilia 

Louvado seja nosso senhor Jesus Cristo!

Dom Pedro Cunha Cruz – Bispo diocesano da Campanha/MG

dom-pedro-cunha-brasao-2012 PNG

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização

Semana Santa- Sermão do Encontro. Proferido pelo Cônego João Luís da Silva em Campanha/MG

Nesta terça-feira santa 11/04, na praça Dr. Jefferson de Oliveira, com a presença de inúmeros fiéis, aconteceu o doloroso encontro de Maria e Jesus. Proferiu o sermão desta noite, o Reverendíssimo Cônego João Luís da Silva da Cidade de Nepomuceno/MG.

DSC04982

DSC04916

Compacto do Sermão:
“Somos todos caminheiros” assim se inicia o sermão.
Mesmo em vale de lágrimas, o que vale é o caminho, a verdade e a vida, essa é a caminhada ideal. Esse é um encontro único entre mãe e filho, mostrando a profundidade do amor de Deus por nós.

O que sente nosso coração diante desse drama? Os muitos sofrimentos do nosso povo em desencontros no caminho dá vida. A necessidade de um encontro pessoal com Deus, é preciso perceber a importância do outro em nossa vida. A pessoa não basta a si mesmo,. Através do encontro com si mesmo, percebemos a importância do outro é dos dons de Deus. Devemos nos abrir para conviver com o outro através de Deus.

A família (casais, país e filhos, irmãos) forma um importante encontro, onde deve haver princípios éticos que norteiam a felicidade. Na presença de Deus sempre, temos que aprender a respeitar as diferenças, preservando a convivência e o diálogo.
A Igreja tem chamado a atenção para a importância da família, da defesa da família, com respeito, ética, dignidade, em nome do AMOR. Uma boa convivência familiar, leva-nos à unidade dá comunidade através de encontro de casais, catequese, pastorais, para assim construirmos um mundo novo. Um mundo marcado por encontros incontáveis que dão sentido à vida.

A necessidade de ações solidárias para com as pessoas que mais precisam: doentes, idosos, carcerários, os que se isolam. Foi isso que Jesus nos ensinou… o encontro com homens, mulheres, crianças, jovens; justos e pecadores, ricos e pobres; até mesmo com aqueles que resistem ao projeto de vida, justiça, de paz e de amor.

Precisamos ter sensibilidade em nossos corações para acolher Jesus com muito carinho, na presença de nosso irmão. Temos que levar as pessoas ao encantamento com os projetos de Jesus; e de encontro em encontro, Jesus procura lares para ser acolhido.
E nesse encontro de Maria com seu filho, o que sentimos? A presença de Deus na vida deles. Só Deus é nosso defensor, protetor e nossa fortaleza. Assim podemos compreender o significado de vc tanta força perante tanta dor. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”

DSC04918
O que nos trouxe aqui hoje? O amor a Jesus, o amor para com Maria. A gratidão a Deus, que nos salva e se entrega através do amor.
Somente com Deus em nós, venceremos o desamor que provoca tanto sofrimento. Só com Deus poderemos encontrar sentido para nossa vida. Olhemos para Jesus é Maria: não podemos desistir. A força é a luz de Deus na eucaristia, nas boas obras, no amor aos irmãos são o caminho que nós levam ao céu. Nos encontros nossos de cada dia construiremos o reino de Deus. E… só Jesus é o caminho que nos leva a Deus!

Este slideshow necessita de JavaScript.

DSC04988.JPG

Coral Campanhense entoa o Moteto PATER MI minutos antes da procissão do Senhor dos Passos sair da Igreja para o sermão do encontro. Confira o vídeo!

Texto: Rondelli Fernandes – Colaboração/Edição/Fotos: Bruno Henrique – Gestor do Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização !!