Festa da Sagrada Família – Família de Nazaré, modelo para as famílias cristãs do mundo.

Quando Deus quis, no seu amor, enviar seu Filho para morar entre nós, Ele escolheu uma família para receber Verbo Divino. Com isso Deus marcou com maior dignidade a família humana e mostrou que esta instituição é essencial para o desenvolvimento da pessoa.

A família de Nazaré tornou-se assim o modelo para as famílias cristãs do mundo. A bondade de Maria e a justiça de José deveriam ser as virtudes procuradas pelos pais e mães de família. Em Nazaré, Jesus aprendeu a andar, correr, brincar, comer, rezar, cresceu, estudou, foi aprendiz e auxiliar de seu pai adotivo José, a quem amava muito e por ele era muito amado também.

Jesus nasceu numa verdadeira família para receber tudo o que necessitava para crescer e viver, mesmo sendo muito pobre. Teve o amor dos pais unidos pela religião, trabalhadores honrados, solidários com a comunidade, conscientes e responsáveis por sua formação escolar, cívica, religiosa e profissional.

Essa família é o modelo de todos os tempos. É exemplar para toda a sociedade, especialmente nos dias de hoje, tão atormentada por divórcios e separações de tantos casais, com filhos desajustados e todos infelizes. A família deve ser criada no amor, na compreensão, no diálogo, com consciência que haverá momentos difíceis e crises.

Cada homem e cada mulher que deixam o pai e a mãe para se unirem em matrimônio e constituir uma nova família não o podem fazer levianamente, mas devem fazê-lo somente por um autêntico amor, que não é uma entrega passageira, mas uma doação definitiva, absoluta, total até a morte.

Por  Padre Evaldo César de Souza, CSsR – A12.com

Papa Francisco consagra as famílias à Família de Nazaré

Jesus, Maria e José, em Vós contemplamos o esplendor do verdadeiro amor e, confiantes, a Vós nos consagramos.

Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculos de oração, autênticas escolas do Evangelho e pequenas igrejas domésticas.

Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais haja nas famílias episódios de violência, de fechamento e divisão; e quem tiver sido ferido ou escandalizado, seja rapidamente consolado e curado.

Sagrada Família de Nazaré, fazei que todos nos tornemos conscientes do carácter sagrado e inviolável da família e da sua beleza no projeto de Deus.

Jesus, Maria e José, ouvi-nos e acolhei a nossa súplica. Amém.

Papa Francisco

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

SOLIDARIEDADE: Diocese de Rio Preto arrecada 50 toneladas de alimentos para doação ao Haiti

A Diocese de Rio Preto vai doar 50 toneladas de alimentos para o Haiti, país mais pobre das Américas e que foi atingido por furacão, que deixou 877 mortos, no início de outubro. A arrecadação é o resultado de 30 dias da campanha “Alimente a Esperança – Ajude o Haiti”, realizada nas 69 paróquias do bispado durante o mês de dezembro.

Os católicos de Rio Preto doaram arroz, feijão, macarrão, fubá e farinha de trigo. Todos os alimentos arrecadados serão enviados para Associação e Fraternidade São Francisco de Assis, entidade com sede em Jaci, onde serão abençoados às 10h30 desta quinta-feira, dia 29, pelo bispo de Rio Preto, Dom Tomé Ferreira da Silva.

De lá, os alimentos serão transportados em caminhões para o porto de Santos, onde serão embarcados em navio que deve chegar no fim de janeiro no Haiti. As doações irão para a Casa São Francisco de Assis na Providência de Deus em Porto Príncipe, capital do Haiti, mantida pela associação religiosa de Jaci. No início de outubro, o furacão Matthew atingiu o país. Em 2010, um terremoto devastou o país.

Um Exemplo a ser seguido pelas outras dioceses.

Informações: Por Marco Antonio dos Santos – www.diariodaregiao.com.br  – São José do Rio Preto

Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização

O Céu faz festa quando uma criança nasce, quando a vida se manifesta e vem até nós

De fato, a Vida manifestou-se e nós a vimos, e somos testemunhas, e a vós anunciamos a Vida eterna, que estava junto do Pai e que se tornou visível para nós” (1João 1, 2).

Estamos celebrando a vida eterna que Deus nos trouxe. Não dá para pensarmos na vida sem pensarmos nas crianças, sobretudo porque, quando uma criança nasce, a vida faz festa, porque o nascimento é um grande motivo de alegria não só para o pai e mãe, mas para todos aqueles que fazem parte desse contexto. O nascimento de uma criança deve ser motivo de festa para todo o universo!

O Céu faz festa quando uma criança nasce, quando a vida se manifesta e vem até nós. Cada vida é uma manifestação do amor de Deus entre nós, cada vida que vem à luz é uma manifestação da graça de Deus no meio de nós. É verdade que cada uma delas precisa se revestir da graça divina; e não é à toa que levamos nossas crianças para serem batizadas, para que, desde pequenas, recebam a graça de se tornarem também filhos e filhas de Deus.

Quem nos deu o dom da vida, esse presente, foi Jesus, Nosso Senhor e Salvador, foi o Seu nascimento que nos trouxe a vida nova, à qual somos chamados a viver. Por isso, nesse contexto das Oitavas de Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, queremos fazer uma reverência à vida, queremos realmente assumir a vida nova que Ele nos trouxe e que está pulsando no coração de uma mãe que está grávida. A vida que está pulsando em crianças que estão hospitalizadas e doentes. A vida que está pulsando em uma pessoa, mesmo sendo adulta ou já idosa, mas é uma vida e nós a amamos desde o momento de sua concepção até o último entardecer dela.

A vida de uma criança não é mais valiosa do que a de um idoso. Todos precisamos celebrar a vida, cuidar dela, porque é muito preciosa! É preciso dizer também que não basta viver, é dar-lhe sentido, celebrando-a como dom sagrado. E para que a vida seja celebrada, é preciso introduzir nela o sagrado, que é Deus, é Jesus, a vida nova que Ele trouxe a cada um de nós.

Permita-me dizer ao seu coração: dê qualidade a sua vida. Fala-se tanto em qualidade de vida, de levar a vida com qualidade, e sempre se lembra dos elementos para ter uma boa saúde, boa alimentação e exercícios físicos. Tudo isso é muito importante, não abra mão disso, dê qualidade à sua vida, mas não traga somente qualidade humana para sua vida, qualifique-a no sentido mais sagrado que ela tem. Dê um sabor divino a ela, dê-Lhe o sabor de Deus, o gosto d’Ele que sua vida merece. Que assim seja a vida na sua casa, com seus filhos, onde quer que você esteja.

Onde está o tempero da nossa vida? Manifeste que a sua vida tem gosto, que o tempero d’Ela é Jesus, pois Ele veio para ser sal, fermento, para ser luz! Jesus veio para trazer o equilíbrio interior que nossa vida tanto necessita.

Acolher Jesus é acolher a vida nova no Senhor!

criacas-portal

Deus abençoe você!

Por Padre Roger Araújo, Sacerdote e Jornalista da Comunidade Canção Nova

Adaptação/Foto: Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização 

Papa: “é tempo que as armas se calem definitivamente”- Bênção Urbi et Orbi

Ao meio-dia deste domingo de Natal, o Papa Francisco assomou ao balcão central da Basílica de São Pedro para a tradicional bênção Urbi et Orbi (para a cidade e para o mundo) do Pontífice.

Em suas intenções de paz, o Papa recordou as regiões em guerra e incentivou as negociações aos países que buscam a concórdia. Francisco também recordou as famílias que perderam entes queridos em atos de terrorismo.

Abaixo, a íntegra da mensagem de Francisco.

Queridos irmãos e irmãs, feliz Natal!

Hoje, a Igreja revive a maravilha sentida pela Virgem Maria, São José e os pastores de Belém ao contemplarem o Menino que nasceu e jaz em uma manjedoura: Jesus, o Salvador.

Neste dia cheio de luz, ressoa o anúncio profético:

«Um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado; tem a soberania sobre os seus ombros e o seu nome é: Conselheiro-Admirável, Deus herói, Pai-Eterno, Príncipe da Paz» (Is 9, 5).

O poder deste Menino, Filho de Deus e de Maria, não é o poder deste mundo, baseado na força e na riqueza; é o poder do amor. É o poder que criou o céu e a terra, que dá vida a toda a criatura: aos minerais, às plantas, aos animais; é a força que atrai o homem e a mulher e faz deles uma só carne, uma só existência; é o poder que regenera a vida, que perdoa as culpas, reconcilia os inimigos, transforma o mal em bem. É o poder de Deus. Este poder do amor levou Jesus Cristo a despojar-Se da sua glória e fazer-Se homem; e o levará a dar a vida na cruz e ressurgir dentre os mortos. É o poder do serviço, que estabelece no mundo o reino de Deus, reino de justiça e paz.

Por isso, o nascimento de Jesus é acompanhado pelo canto dos anjos que anunciam:

«Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens do seu agrado» (Lc 2, 14).

Hoje este anúncio percorre a terra inteira e quer chegar a todos os povos, especialmente aos povos que vivem atribulados pela guerra e duros conflitos e sentem mais intensamente o desejo da paz.

Paz aos homens e mulheres na martirizada Síria, onde já demasiado sangue foi versado. Sobretudo na cidade de Aleppo, cenário nas últimas semanas de uma das batalhas mais atrozes, é tão urgente assegurar assistência e conforto à população civil exausta, respeitando o direito humanitário. É tempo que as armas se calem definitivamente, e a comunidade internacional se empenhe ativamente para se alcançar uma solução negociada e restabelecer a convivência civil no país.

Paz às mulheres e homens da amada Terra Santa, eleita e predileta de Deus. Israelenses e palestinos tenham a coragem e a determinação de escrever uma página nova da história, onde o ódio e a vingança cedam o lugar à vontade de construir, juntos, um futuro de mútua compreensão e harmonia. Possam reencontrar unidade e concórdia o Iraque, a Líbia e o Iêmen, onde as populações padecem a guerra e brutais ações terroristas.

Paz aos homens e mulheres em várias regiões da África, particularmente na Nigéria, onde o terrorismo fundamentalista usa mesmo as crianças para perpetrar horror e morte. Paz no Sudão do Sul e na República Democrática do Congo, para que sejam sanadas as divisões e todas as pessoas de boa vontade se esforcem por embocar um caminho de desenvolvimento e partilha, preferindo a cultura do diálogo à lógica do conflito.

Paz às mulheres e homens que sofrem ainda as consequências do conflito no leste da Ucrânia, onde urge uma vontade comum de levar alívio à população e implementar os compromissos assumidos.

Concórdia, invocamos para o querido povo colombiano, que sonha realizar um novo e corajoso caminho de diálogo e reconciliação. Tal coragem anime também a amada Venezuela a empreender os passos necessários para pôr fim às tensões atuais e edificar, juntos, um futuro de esperança para toda a população.

Paz para todos aqueles que, em diferentes áreas, suportam sofrimentos devido a perigos constantes e injustiças persistentes. Possa o Myanmar consolidar os esforços por favorecer a convivência pacífica e, com a ajuda da comunidade internacional, prestar a necessária proteção e assistência humanitária a quantos, delas, têm grave e urgente necessidade. Possa a Península Coreana ver as tensões que a atravessam superadas num renovado espírito de colaboração.

Paz para quem perdeu uma pessoa querida por causa de brutais atos de terrorismo, que semearam pavor e morte no coração de muitos países e cidades. Paz – não em palavras, mas real e concreta – aos nossos irmãos e irmãs abandonados e excluídos, àqueles que padecem a fome e a quantos são vítimas de violência. Paz aos deslocados, aos migrantes e aos refugiados, a todos aqueles hoje são objeto do tráfico de pessoas. Paz aos povos que sofrem por causa das ambições econômicos de poucos e da avidez insaciável do deus-dinheiro que leva à escravidão. Paz a quem suporta dificuldades sociais e econômicas e a quem padece as consequências dos terremotos ou de outras catástrofes naturais.

Paz às crianças, neste dia especial em que Deus Se faz criança, sobretudo às privadas das alegrias da infância por causa da fome, das guerras e do egoísmo dos adultos.

Paz na terra a todas as pessoas de boa vontade, que trabalham diariamente, com discrição e paciência, em família e na sociedade para construir um mundo mais humano e mais justo, sustentadas pela convicção de que só há possibilidade de um futuro mais próspero para todos com a paz.

Queridos irmãos e irmãs!

“Um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado”: é o “Príncipe da Paz”. Acolhamo-Lo!

[depois da Bênção]

A vocês, queridos irmãos e irmãs, reunidos de todo o mundo nesta Praça e a quantos estão unidos conosco de vários países por meio do rádio, televisão e outros meios de comunicação, formulo os meus cordiais votos.

Neste dia de alegria, todos somos chamados a contemplar o Menino Jesus, que devolve a esperança a todo o ser humano sobre a face da terra. Com a sua graça, demos voz e demos corpo a esta esperança, testemunhando a solidariedade e a paz. Feliz Natal a todos!

 

Por Radio Vaticano 

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz – A serviço da Evangelização