Escola da Fé: Paroquianos encerram o 2º módulo de formação- bíblico-pastoral em Campanha/MG

“Senhor a quem iremos nós? só tu tens palavra de vida eterna”
João 6,68

A Sagrada Escritura é um dos tesouros da Igreja que fundamentam a fé cristã, garantindo coragem, esperança, verdade, felicidade e plenitude para quem se põe a servir no Reino. Ao ensinar as verdades da fé, não podem permanecer inerte no ouvinte, mas deve por sua vez, apontar também as verdades que carecem de transformação na vida do cristão. De meras palavras escritas ela se coloca como Palavras Sagradas, pois o próprio Deus (que é trindade) se comunica com seu povo de variadas formas. Assim, a mensagem essencial permanece imutável, o amor fidedigno do Criador para com suas criaturas.


Acontece que as particularidades deste ensino e interpretação da Palavra podem se transformar em equívocos e perda do sentido sacro e fiel que se é atribuído a Bíblia. É deste modo que a Igreja em seu compromisso maternal, se preocupa com a interpretação correta e completa da Palavra de Deus. Estar em comunhão com o Magistério, a Tradição e o corpo eclesial é condição necessária para quem reza os textos sagrados e os pratica como condição para a felicidade.


A Escola da Fé de nossa Paróquia, em sua proposta de formar lideranças e agentes engajados na vida de oração e ação da Igreja, acreditou ser vigente e coerente com as diretrizes da Diocese da Campanha-MG, o tema da Palavra de Deus. Reunimos mais de quarenta participantes para rezar, entender e perceber a riqueza da Bíblia de forma simples e cautelosa, fiel e responsável e para assumir o compromisso que emana desta Palavra. Foram apresentados documentos e instruções da Igreja para se proceder a leitura e interpretação, estudado de maneira simplificada a formação do Povo de Deus, exposto a linha histórica dos escritos, explicado os fundamentos e realizado a Lectio Divina. Deste modo se pode assumir o compromisso de ser “praticantes da palavra e não meros ouvintes”(Tg 1,22).


A próxima semana deste ciclo de formação acontecerá a partir do dia 29 de junho com o tema “ A Doutrina Social da Igreja”, dirigido por professores, com o testemunho de missionários convidados.

Texto: Por Vinícius Thiago Amaral – coordenador das atividades e seminarista em serviço pastoral na Paróquia Santo Antônio – Campanha/MG

Fotos: Bruno Henrique Santos – Pastoral da Comunicação/ Gestor do  Portal Terra de Santa Cruz 

Veja mais fotos a página da Paróquia Santo Antônio 

Anúncios

I Encontro da Forania Nossa Senhora dos Campos

Neste domingo, 29 de maio, aconteceu o 1º encontro da forania Nossa Senhora dos Campos – Diocese da Campanha/MG . O encontro foi realizado na Comunidade Evangelizadora Magnificat (CEM). A forania tem como Vigário forâneo o Padre José Roberto de Souza, pároco da Paróquia do Mártir em Varginha/MG
Iniciado com a oração do ofício divino presidido pelo Pe. Daniel Meneses Fernandes (Pároco da Paróquia Nª Senhora do Carmo/Carmo de Minas) que após a oração, realizou com os participantes do encontro uma formação,  explicando a celebração do Ofício Divino e a importância de reza-lo em comunidade e a necessidade da incorporação desta celebração no dia a dia das paróquias.
Pe. Marcelo Alves dos Reis, SCJ (Vigário Paroquial na Paróquia Divino Espírito Santo/Varginha) passou uma formação muito rica sobre a Exortação Apostólica  Amoris laetitia (A alegria do amor) do Papa Francisco apresentada e publicada em 08 de abril de 2016 pelo Vaticano. Este documento trata do amor na família que refere-se a pratica da doutrina com a Alegria do Amor de que a Igreja é portadora, a alegria é fruto do Espírito Santo.
No período da tarde os participantes se reuniram em 20 grupos, para responder 2 perguntas com base na exortação: 1ª Qual tema da Exortação querem aprofundar? 2ª Como aplicar a exortação em nossa Paróquia?  Após essa partilha cada um finalizou com a produção de um oração na qual levaram para suas casas e famílias.
A Comunidade E. Magnificat apresentou um teatro, que teve a finalidade de mostrar a todos o real sentido do serviço a Igreja de Cristo, seja como Padre, Religiosos(as), Leigos(as) inseridos em pastorais e movimentos, mostrando que em primeiro lugar estamos todos a serviço do reino de Deus e para Deus e que sempre há espaço para outras pessoas que queiram servir a Deus na igreja. O serviço missionário, social, evangelizar, não é algo para nós sermos os destaques e sim para Deus ser, para ele ser exaltado e glorificado. 
O inédito encontro da Forania Nossa Senhora dos Campos composta por 19 paróquias, contou com aproximadamente 306 lideranças, foi um número bastante expressivo de pessoas. Com a presença do Bispo Diocesano Dom Pedro Cunha Cruz, o encontro encerrou-se com a santa missa presidida pelo mesmo concelebrada pelo Vigário Forâneo, pe. José Roberto de Souza (Paróquia do Mártir – Varginha/MG), pelo fundador da Comunidade E. Magnificat (CEM), pe. Pedro Paulo entre outros.
Paróquias presentes no encontro:
Paróquia Nossa Senhora do Carmo - Carmo de Minas/MG
Paróquia do Divino Espírito Santo - Elói Mendes/MG 
Paróquia Cristo Bom Pastor - Elói Mendes/MG
Paróquia São Bento - São Bento Abade/MG
Paróquia Sagrada Família  - Três Corações/MG
Paróquia Sagrado Coração de Jesus - Três Corações/MG
Paróquia Nossa Senhora Aparecida - Três Corações/MG
Paróquia Santa Rita - Três Corações/MG
Paróquia Santa Teresa - Três Corações/MG
Paróquia da Bem Aventurada Francisca de Paula - Nhá Chica - Três Corações/MG
Paróquia do Mártir São Sebastião - Varginha/MG
Paróquia Divino Espírito Santo  - Varginha/MG
Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Varginha/MG
Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe - Varginha/MG
Paróquia Santa Clara - Varginha/MG
Paróquia Santana - Varginha/MG
Paróquia Cristo Ressuscitado - Varginha/MG
Paróquia Cristo Luz dos Povos - Varginha/MG

FOTOS:  

 

 Créditos/ Fotos: Dulci Merces
Texto: Bruno Henrique/ Gestor do Portal Terra de Santa Cruz 

Papa a diáconos: encontrar e acariciar a carne do Senhor nos pobres de hoje

“Disponíveis na vida, mansos de coração e em diálogo constante com Jesus, não tereis medo de ser servos de Cristo, de encontrar e acariciar a carne do Senhor nos pobres de hoje.” Com essas palavras, na missa este domingo na Praça São Pedro, celebrando o Jubileu dos diáconos permanentes, o Papa Francisco os exortou no exercício de seu “ministério do serviço” na Igreja.

Provenientes de todas as partes do mundo, eles vieram a Roma nestes dias para o seu Jubileu, o “Jubileu dos diáconos permanentes” deste Ano Santo, e este domingo participaram da missa presidida pelo Pontífice.Missa na Praça São Pedro no Jubileu dos diáconos.

Partindo do Evangelho dominical, Francisco havia iniciado a homilia destacando a inseparabilidade dos termos “apóstolo” e “servo”:

“Os dois termos, apóstolo e servo, andam juntos, e jamais podem ser separados; são como que as duas faces duma mesma medalha: quem anuncia Jesus é chamado a servir, e quem serve anuncia Jesus”, frisou o Papa.

Francisco observou que o primeiro a nos mostrar isto mesmo foi o Senhor: “não veio para ser servido, mas para servir” (Lc 4,18).

E como Ele fez, assim são chamados a fazer os seus anunciadores. O discípulo de Jesus não pode seguir um caminho diferente do Mestre, mas, se quer levar o seu anúncio, deve imitá-Lo, como fez Paulo: almejar tornar-se servo, prosseguiu o Santo Padre, acrescentando:

“Por outras palavras, se evangelizar é a missão dada a cada cristão no Batismo, servir é o estilo segundo o qual viver a missão, o único modo de ser discípulo de Jesus. É sua testemunha quem faz como Ele: quem serve os irmãos e as irmãs, sem se cansar de Cristo humilde, sem se cansar da vida cristã que é vida de serviço.”

Após perguntar por onde começar para nos tornarmos “servos bons e fiéis”, Francisco indicou, como primeiro passo, que somos convidados a viver na disponibilidade.

Diariamente, frisou, “o servo aprende a desprender-se da tendência a dispor de tudo para si e de dispor de si mesmo como quer. Treina-se, cada manhã, a dar a vida, pensando que o dia não será dele, mas deverá ser vivido como um dom de si”.

Quem serve, observou, “não é um guardião cioso do seu tempo, antes renuncia a ser senhor do seu próprio dia. Sabe que o tempo que vive não lhe pertence, mas é um dom que recebe de Deus a fim de, por sua vez, o oferecer: só assim produzirá verdadeiramente fruto”.

Reiterando a natureza do serviço cristão que deve caracterizar o ministério do diaconato, o Papa disse ainda:

“Quem serve não é escravo de quanto estabelece a agenda, mas, dócil de coração, está disponível para o não-programado: pronto para o irmão e aberto ao imprevisto, que nunca falta sendo muitas vezes a surpresa diária de Deus.” O servidor “está aberto à surpresa, às surpresas diárias de Deus”, acrescentou.

“O servo sabe abrir as portas do seu tempo e dos seus espaços a quem vive ao seu redor e também a quem bate à porta fora do horário, à custa de interromper algo que lhe agrada ou o merecido repouso.”

A este ponto de sua reflexão sobre a disponibilidade no serviço, Francisco fez uma observação pastoral muito pertinente à vida da Igreja no dia a dia:

“O servidor não dá importância aos horários. Fico com o coração doído quando vejo horário – nas paróquias – de tal hora a tal hora. E depois desse horário? Não tem porta aberta, não tem sacerdote, não tem diácono, não tem leigo que receba as pessoas… Isso faz mal. É preciso não dar importância aos horários: ter essa coragem de deixar os horários de lado.”

Assim, queridos diáconos, “vivendo na disponibilidade, o vosso serviço será livre de qualquer interesse próprio e evangelicamente fecundo”, completou o Pontífice.

Antes de concluir sua reflexão, o Papa chamou a atenção dos diáconos, afirmando que “a mansidão é uma das virtudes dos diáconos”. E aí fez uma ulterior observação: “Quando o diácono é manso, é servidor e não se presta a fazer as vezes dos padres, imitando-os, não, não,… é manso.”

Francisco lembrou que o estilo de Deus é “manso e humilde de coração”.

“Manso e humilde são também os traços do serviço cristão, que é imitar Deus servindo os outros: acolhendo-os com amor paciente, sem nos cansarmos de os compreender, fazendo com que se sintam bem-vindos a casa, à comunidade eclesial, onde o maior não é quem manda, mas quem serve (Lc 22, 26).” E jamais gritar com os outros: jamais, acrescentou. “Assim na mansidão, queridos diáconos, amadurecerá a vossa vocação de ministros da caridade”, ressaltou.

Ao término da celebração, o Papa rezou a oração dominical do Angelus. Antes, agradeceu a todos os diáconos presentes, oriundos de toda a Itália e de vários países.

Recordou, entre outros, a tradicional peregrinação realizada este domingo na Polônia ao Santuário mariano de Piekary: “Que a Mãe da Misericórdia auxilie as famílias no caminho rumo à Jornada Mundial da Juventude de Cracóvia”, rezou o Pontífice, lembrando, ainda, outra importante inciativa:

“Quarta-feira próxima, 1º de junho, por ocasião do Dia Internacional da Criança, as comunidades cristãs da Síria, quer católicas, quer ortodoxas, viverão juntas uma oração especial pela paz, que terá como protagonistas propriamente as crianças. As crianças sírias convidam as crianças do mundo inteiro a se unirem à oração delas em favor da paz.”

Por Rádio Vaticana 

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz 

Fé e Oração: Fiéis celebram o Corpo e Sangue de Cristo em Campanha/MG

A festa de Corpus Christi acontece sempre 60 dias depois do Domingo de Páscoa ou na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, em alusão à quinta-feira santa quando Jesus instituiu o sacramento da eucaristia.É tradição enfeitar-se as ruas com desenhos que retratam a pessoa de Jesus Cristo, o cordeiro que se fez pequeno para morar em nosso coração.  A festa do Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV no dia 8 de Setembro de 1264.

Assim como em todas as Igrejas Católicas do mundo, fiéis participaram da Santa Missa de Corpus Christi na Catedral Diocesana de Santo Antônio de Pádua em Campanha/MG . A celebração foi presidida pelo pároco e cura da Catedral pe. Luzair Coelho de Abreu.

Logo a pós a celebração deu-se início a solene procissão com o Santíssimo Sacramento pelas ruas do centro de Campanha/MG . Equipes, movimentos e pastorais, trabalharam na confecção dos tapetes para a procissão, muito zelo e bom gosto na preparação e um belíssimo resultado na finalização . A procissão de Corpus Christi lembra a caminhada do povo de Deus, peregrino, em busca da Terra Prometida. O Antigo Testamento diz que o povo peregrino foi alimentado com maná, no deserto. Com a instituição da eucaristia o povo é alimentado com o próprio corpo de Cristo.

Os campanhenses acompanharam a procissão piedosamente contemplando Jesus Sacramentado ao retornar a igreja, todos receberam a bênção solene com o Santíssimo Sacramento.

Veja o Vídeo com a chegada da procissão na Catedral de Santo Antônio 

Vejam algumas imagens registradas pelo Portal Terra de Santa Cruz em Campanha/MG 

DSC08286.JPG

DSC08307.JPG

DSC08323.JPG

Vejam todas as fotos em nossos álbuns em nosso perfil no facebook

Álbum 1 e Álbum 2 

Texto/Fotos/Vídeo: Bruno Henrique Santos /Gestor do Portal Terra de Santa Cruz