O CRISTÃO LEIGO NUMA IGREJA “EM SAÍDA”/ Por Dom Pedro Cunha Cruz

O tema central da Assembleia dos Bispos neste ano de 2016 será sobre os “Cristãos Leigos e Leigas, sujeitos na Igreja e na Sociedade. Sal da terra e luz do mundo (Mt 5, 13-14)”. O propósito do tema é aquele de retomar e aprofundar a participação dos leigos e leigas na Igreja à luz do Concílio Vaticano II que destacou a variedade de ministérios, carismas e serviços. A Igreja como Povo de Deus deve ser vista a partir do sacerdócio comum dos fiéis e do sacerdócio ministerial ou hierárquico; embora se diferenciem essencialmente e não apenas em grau, ordenam-se mutuamente um ao outro; “pois um e outro participam, a seu modo, do único sacerdócio de Cristo” (LG, n.10).

Na verdade, o que o episcopado reunido quer propor é que cada fiel tome consciência do papel ativo na Igreja e no mundo. Retomar e reafirmar o papel significativo dos fiéis leigos como Povo de Deus e sujeitos ativos da missão evangelizadora ou protagonistas de uma sociedade mais humana e justa, é o objetivo central do tema proposto. Não é por nada que Papa Francisco tem lançado um vigoroso apelo a todo Povo de Deus que saia para evangelizar. Assim, toda a Igreja é convidada a sair para levar os homens e mulheres ao encontro com o Cristo vivo, pois ela está inserida no mundo como sinal da salvação e como servidora da humanidade. Todos nós somos chamados a superar qualquer tentativa de contraposição entre Igreja e mundo. No mundo e na Igreja, o mesmo povo vive sua dignidade e exerce sua missão (Cf. ChL, n.15).

Se de um lado o legado do Concílio foi aquele de propor uma leitura da realidade a partir da fé; de outro, a consciência desta missão evangelizadora requer uma postura de diálogo com as realidades concretas em que a Igreja se encontra inserida. Tal postura exige uma autêntica e permanente conversão dos sujeitos cristãos, em cada tempo e realidade. Essa cultura do encontro e da solidariedade constitui o antídoto à cultura individualista hoje reinante (Cf. EG, n.115), além de possibilitar a evangelização. Todos são, pelo batismo, sujeitos ativos de evangelização.

Portanto, a evangelização é dever da Igreja. Não cabe mais atribuir esta missão somente aos ministros ordenados. Daí o tema proposto assinalar perspectivas que ajudem a superar o clericalismo, o individualismo ou o comunitarismo que fecha o cristão em um grupo eclesial, sem a necessária abertura ao outro ou ao mundo. A Igreja não é chamada a ser uma ilha isolada, mas uma Igreja dos seguidores de Jesus Cristo, da escuta, do diálogo e do encontro, a fim de que possa servir como testemunha de Cristo e gerar força que transforme o mundo na dinâmica do amor de Cristo (Cf. EG, n.27-33). Ela vive para evangelizar. É o cristão que se coloca na escuta do Espírito Santo para transformar o mundo na direção do Reino de Deus. Que os frutos desta assembleia episcopal possam nos ajudar na formação de muitos leigos e leigas como sujeitos eclesiais que assumam com autenticidade o seu discipulado missionário na Igreja e no mundo.

DOM PEDRO CNBB

+ Dom Pedro Cunha Cruz
Bispo Diocesano da Campanha – MG

Fonte: www.diocesedacampanha.org.br  acesse e saiba mais….

Adaptação/Foto: Portal Terra de Santa Cruz

 

Anúncios

2 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s