Fórum das Letras homenageia Graciliano Ramos.

Entrará em cartaz, na próxima semana, a exposição “A palavra foi feita para dizer”, que homenageia o escritor Graciliano Ramos. A mostra estará em cartaz na Casa dos Contos durante o Fórum das Letras de Ouro Preto, que será realizado entre os dias 4 e 8 de novembro, na cidade mineira, símbolo do barroco nacional. Dividida em dois temas, a exposição contará com vídeos, fotos, capas e manuscritos que contam a história e as memórias do autor de “Vidas Secas”, um dos clássicos da literatura nacional. A visitação é gratuita.

Graciliano Ramos também ocupará lugar de destaque na programação do evento. Na abertura, a ensaísta Elizabeth Ramos e o autor Ricardo Ramos, netos do alagoano, participarão do debate “Graciliano Ramos e a Liberdade de Expressão”, juntamente com Wander Melo Miranda e Audálio Dantas. A conversa, mediada pela escritora Guiomar de Grammont, acontecerá no Cine Vila Rica, um dos locais mais nobres da cidade. Este ano, o Fórum das Letras de Ouro Preto será norteado pelo tema “Diversidade Cultural e Liberdade de Expressão e terá também a presença de Laerte, Jorge Mautner e Jards Macalé, entre outros.
O evento conta com patrocínio do Ministério da Cultura, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, BNDES, Petrobras (patrocinador exclusivo do Fórum das Letrinhas) e Samarco. Governo Federal: pátria educadora.

Mais informações: www.forumdasletras.ufop.br.

Fórum das Letras de Ouro Preto
Data: 4 a 8 de novembro
Local: Ouro Preto (consultar a grade de programação)
Gratuito

Fonte: Cultura em Revista 

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz

Beatificação Padre Victor – Pastoral Litúrgica Diocesana disponibiliza material para celebrar, o Tríduo Preparatório da Beatificação!

Convidamos as paróquias de nossa diocese a celebrar, neste tempo de profunda alegria, o tríduo de preparação para a Beatificação do Venerável Servo de Deus Francisco de Paula Victor – presbítero.

Abaixo, segue o link com o roteiro de celebração para as celebrações, bem como nele as indicações dos cantos a partir do nosso Hinário Litúrgico Diocesano.

BAIXE O MATERIAL AQUI

Maiores Informações : Paróquia Nossa Senhora D’Ajuda – Três Pontas

Fonte: Pastoral Litúrgica – Diocese da Campanha-MG

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz

 

38ª Semana do Aleijadinho de 16 a 21 de Novembro/Cultura em Revista

Inscrições abertas para Colóquio Internacional  A construção da fantasia: arquitetura e pintura na ordenação do espaço sagrado tridentino, em Ouro Preto

O colóquio internacional A construção da fantasia: arquitetura e pintura na ordenação do espaço sagrado tridentino, promovido pelo grupo de pesquisa Perspectiva Pictorum, da UFMG, integrante da programação da 38ª Semana do Aleijadinho (Ouro Preto/MG) está com inscrições abertas para ouvintes.

O grupo Perspectiva Pictorum realiza o colóquio a cada dois anos e, em 2015, traz para Ouro Preto o estudo da pintura em perspectiva, também chamada de “falsa arquitetura”.

As inscrições para ouvintes podem ser realizadas pelo sitewww.fafich.ufmg.br/perspectiva com vagas limitadas. A programação do colóquio inclui a participação de pesquisadores especialistas em arte, história e arquitetura barroca, como Alfredo Morales (Universidad de Sevilla); Luiz Freire e Rodrigo Baeta (UFBA); Celio Macedo (Ufop); Marcos Tognon e Mônica Farias (Unicamp); Danielle Pereira (Unesp); Maria Cláudia Almeida Orlando Magnani (UFVJM); Adalgisa Arantes Campos, Adriana Carvalho, André Dangelo, Aziz José de Oliveira Pedrosa, Celina Borges, Leandro Gonçalves Rezende, Magno Mello, Mônica Lage, Renata Nogueira Gomes de Morais e Walmira Costa (UFMG); Fumikazu Saito, Regiane Caire Silva e Carla Bromberg (PUC-SP); Martina Egger (Innsbruch – Áustria); Fauzia Farneti, Maria Teresa Bartoli e Silvio Van Riel (Università degli Studi di Firenze); Javier Navarro de Zuvillaga (Universidad Complutense de Madrid); Alex Bohrer (IFMG); Janaína Ayres (UFRJ); Danilo Matoso Macedo (FAU – UnB); Regiane Caires Silva e Marília Martha França Sousa (UMFA).

38 ª Semana do Aleijadinho

Em 2015, a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e o Museu Aleijadinho realizam a 38ª Semana do Aleijadinho – “Escultura, arquitetura e pintura nos caminhos das Minas: aparência e realidade”. O evento acontece entre os dias 16 e 21 de novembro. Desde sua primeira edição, em 1968, presta homenagem ao aniversário de morte do mestre e patrono das artes no Brasil Antônio Francisco Lisboa. A programação é composta por oficinas, exposições, lançamento de livro, concertos e debates, além do Colóquio Internacional sobre História da Arte.

A 38ª Semana do Aleijadinho conta com o apoio da Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Programa de Pós-Graduação em História (UFMG), Sistema SESI/FIEMG, IPHAN, Converso Comunicação, Assembléia Legislativa de Minas (ALMG), Orquestra Ouro Preto, Prefeitura de Ouro Preto, Secretaria de Turismo, Indústria e Comércio de Ouro Preto, Casa do Folclore de Ouro Preto, Ambienta, Anamar Transporte e Construções, Hotel Luxor, Hotel Minas Gerais, Pousada Arcádia Mineira, Anavladia – Fundição Artística, Coopeouro, CAPTACULT Captação e Projetos.

Programação

Colóquio Internacional “A arquitetura do engano: redes de difusão e o desafio da representação perspectiva no universo pictórico barroco”

18 DE NOVEMBRO – QUARTA-FEIRA

9h – Abertura

Presenças: Profª. Júlia Mitraud (Presidente da FAOP – Fundação de Arte de Ouro Preto); Cônego Luiz Carlos Cesar Ferreira Carneiro (Presidente do Museu Aleijadinho); Prof. Dr. Magno Mello (Grupo de Pesquisa Perspectiva Pictorum/UFMG); Prof. Dr. Fernando de Barros Filgueiras (diretor da FAFICH/UFMG)
Na Fundação de Arte de Ouro Preto – Faop (rua Alvarenga, 794 – Cabeças)

Núcleo temático: Arquitetura e falsa arquitetura: espaço como invenção
Presidência da mesa: Prof. Dr. Fumikazu Saito (Cesima – PUC-SP)

9h30 – Arquitecturas aéreas: campanarios, espadañas y miradores en la arquitectura sevillana de los siglos XVII y XVIII – Alfredo Morales (Universidad de Sevilla)

10h – Arquitetura artificial no teto da nave da Matriz de Nossa Senhora da Divina Pastora em Sergipe – Luiz Freire (UFBA) / Magno Mello (UFMG)

10h30 – Coffee-break

11h – Joaquim Gonçalves da Rocha e a pintura ilusionista em igrejas de Sabará, Caeté e Santa Luzia (MG) – Celio Macedo (Ufop)

11h30 – Debate

12h – Intervalo para almoço

Núcleo temático: Procedimentos práticos e artísticos: uma conexão entre tempo e espaço
Presidência da mesa: Prof.ª Drª. Adalgisa Arantes Campos (UFMG)

14h – Entre o Barroco e o Neoclássico: Hibridismo nos tetos de falsa arquitetura de Salvador (BA) – Mônica Farias (Unicamp)

14h30 – Os forros pintados em Mogi das Cruzes (SP): Séculos XVIII e XIX – Danielle Pereira (Unesp)

15h – José Soares de Araújo: De Braga ao Tijuco. Reflexões sobre uma pintura perdida – Maria Cláudia Almeida Orlando Magnani (UFVJM)

15h30 – Coffee-break

Núcleo temático: A coerência: pintura, restauro e conservação
Presidência da mesa: Prof. Dr. André Dangelo (UFMG)

16h – Igreja N. S. da Vitória de São Luís (MA): Considerações sobre as intervenções ocorridas no século XVIII até XX – Regiane Caire Silva (UFMA) / Marília Martha França Sousa (UFMA)

16h30 – Problemi di restauro e conservazione degli aparatti decorativi a finte architettura in Palazzo Niccolini – Silvio Van Riel (Università degli Studi di Firenze)

17h – Arquitetura e detalhes artísticos do solar da Glória – Entre a tradição e a modernização do Arraial do Tejuco (MG) – Celina Borges (UFMG)

17h30 – Debate

19 DE NOVEMBRO – QUINTA-FEIRA

Na Fundação de Arte de Ouro Preto – Faop (rua Alvarenga, 794 – Cabeças)
Núcleo temático: Perspectiva e quadratura: jogo de ilusões
Presidência da Mesa: Prof. Dr. Marcos Tognon (Unicamp)

9h – Il quadraturismo a Pontremoli: committenti e artisti – Fauzia Farneti (Università degli Studi di Firenze)

9h30 – Dos frescos dedicados a San Antônio em las capulas de dos iglesias madrileñas (siglos XVII e XVIII) – Javier Navarro de Zuvillaga (Universidad Complutense de Madrid)

10h – Coffee-break

10h30 – Perspectiva linear e medida em Del modo di misurare de Cosimo Bartoli – Fumikazu Saito (Cesima/PUC-SP)

11h – Lo sfondato prospettico dell’atrio di Palazzo Martelli e la tenda di Parrasio – Maria Teresa Bartoli (Università degli Studi di Firenze)

11h30 – Debate

12h – Intervalo para almoço

Núcleo temático: Máquinas de altar e ilusão pictórica
Presidência da mesa: Profª. Drª. Celina Borges (UFMG)

14h – As capelas de Vila Rica: Produção artística e oficinas no 1º quartel do século XVIII em Minas Gerais – Alex Bohrer (IFMG)

14h30 – A oficina do entalhador José Coelho de Noronha: artista, artífices e sua influência na talha mineira setecentista – Aziz José de Oliveira Pedrosa (UFMG)

15h – Coffee-break

Núcleo temático: Iconografia e literatura: questões de métodos
Presidência da mesa: Prof. Dr. Alfredo Morales (Universidad de Sevilla)

15h30 – O repertório iconográfico da capela de São José dos Homens Pardos ou bem casados de Ouro Preto: arte, fé, história – Leandro Gonçalves Resznde (UFMG)

16h – Livros de Ouro: técnicas, materiais e artífices – Walmira Costa (UFMG)

16h30 – Arquitetura e arte numa livraria em Vila Rica: O Divertimento Erudito de João Pacheco – Danilo Matoso Macedo (FAU – UnB)

17h – Debate

Na Igreja de São Francisco de Assis (Largo do Coimbra, s/nº – Centro)
Núcleo temático: Mecenas – Pintores e Arquitetos: arte e sociedade
Presidência da mesa: Prof. Dr. Magno Mello (UFMG)

19h – Mecenato de leigos na sacristia de São Francisco de Ouro Preto – Adalgisa Arantes Campos (UFMG)

19h30 – O Aleijadinho arquiteto revelado na análise do projeto de São Francisco de Assis de Ouro Preto – André Dangelo (UFMG)

20 DE NOVEMBRO – SEXTA-FEIRA

Na Fundação de Arte de Ouro Preto – Faop (rua Alvarenga, 794 – Cabeças)
Núcleo temático: Arquitetura e Espaço Cenográfico
Presidência da mesa: Prof. Dr. Luz Freire (UFBA)

14h – Arquitetura e cidade na América Hispânica: a configuração do cenário barroco da Cuzco Colonial – Rodrigo Baeta (UFBA)

14h30 – Arquitetura de Matriz Pombalina no Brasil: História, Técnica e Restauro – Marcos Tognon (Unicamp)

15h – Entre traças, dibujos e riscos: José Pereira Arouca no ofício de arquiteto – Mônica Lage (UFMG)

15h30 – Coffee-break

Núcleo temático: Teoria Arquitetônica e Tratadística Pictórica
Presidência da mesa: Prof. Dr. Rodrigo Baeta (UFBA)

16h – Falsa arquitetura e música: sobre os conceitos matemáticos e as mudanças na percepções visuais e auditivas – Carla Bromberg (PUC-SP)

16h30 – O tratadista Vicenzio Carducci: Um florentino na corte espanhola no Século XVII – Adriana Carvalho (UFMG)

17h – Filipe Nunes: Um estudioso da pespectiva no seicentos português – Renata Nogueira Gomes de Morais (UFMG)

18h – Intervalo

21 DE NOVEMBRO – SÁBADO

9h30 – Visita técnica dos convidados do Colóquio Internacional à Basília de Nossa Senhora do Pilar e ao Museu de Arte Sacra do Pilar
Com Carlos José Aparecido de Oliveira e Adalgisa Arantes Campos (UFMG)

Fonte: Cultura em Revista

Quer saber mais acesse: www.culturaemrevista.com.br

Adaptação e Apoio: Portal Terra de Santa Cruz

O amor de Cristo é fiel e não nos abandona.

Podemos desistir, afastar-nos de Deus, podemos ceder às diversas inquietações do mundo, mas, mesmo que estejamos passando pela sombra da morte ou pela aridez deste mundo, o Seu amor não nos abandona

“Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada?”(Romanos 8, 35).

Enfrentamos, no dia a dia da nossa vida, tantas situações contraditórias, difíceis e complicadas. Enfrentamos as perseguições próprias da vida, os sofrimentos que nos atormentam, a tribulação que bate à nossa porta; enfrentamos os perigos, a falta de segurança, a crise econômica, financeira e a crise de valores. Podemos nos perguntar: “O que, neste  mundo, com todas as dificuldades e tribulações, poderá nos afastar ou nos separar do amor que Deus tem por nós?”.

Se colocarmos no Senhor a nossa confiança e n’Ele depositarmos nossa vida e esperança, nenhuma dessas realidades vão nos separar do Seu amor! Pelo contrário, enfrentaremos as tribulações, superaremos as angústias, passaremos por cima das perseguições, sobreviveremos à nudez, ao perigo, às espadas e dificuldades dessa vida.

Não podemos nos entregar nem desanimar com aquilo que vem para nos derrubar. Se Deus é por nós, se Cristo é por nós, se o Espírito Santo é por nós, se o Reino de Deus está ao nosso lado, o que vai nos separar do amor de Deus? Somente a nossa vontade própria, a nossa falta de perseverança.

Deus jamais vai desistir de nós, da nossa casa, da nossa família, dos nossos. Podemos desistir, afastarmo-nos d’Ele, podemos ceder às diversas inquietações do mundo, mas mesmo que estejamos passando pela sombra da morte ou pela aridez deste mundo, o Seu amor não nos abandona. Deus não nos obriga, mas Seu amor nos persegue. Deus não nos força e Seu amor jamais há de nos abandonar.

Não vivamos pelo medo, pelas dúvidas e inquietação, nem nos entreguemos às tribulações. Passaremos por todas elas e em todas o Senhor estará conosco!

Há momentos que sentimos Deus tão perto de nós, há momentos que não sabemos nem se Deus existe, mas a convicção da fé nos dá a certeza de que em nenhum momento o Senhor nos abandona e Ele está ao nosso lado seja qual for a situação na qual passamos.

Que o nosso coração esteja colado n’Ele, preso a Ele, porque nada neste mundo há de nos separar do amor que o Senhor tem por nós!

Deus abençoe você!


Por Padre Roger Araújo, Sacerdote da Comunidade Canção Nova.

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz

São Simão e São Judas Tadeu, colunas da verdade do Reino.

Celebramos na alegria da fé os apóstolos São Simão e São Judas Tadeu. Os apóstolos foram colunas e fundamento da verdade do Reino

São Simão: Simão tinha o cognome de Cananeu, palavra hebraica que significa “zeloso”. Nicéforo Calisto diz que Simão pregou na África e na Grã-Bretanha. São Fortunato, Bispo de Poitiers no fim do século VI, indica estarem Simão e Judas enterrados na Pérsia. Isto vem das histórias apócrifas dos apóstolos; segundo elas, foram martirizados em Suanir, na Pérsia, a mando de sacerdotes pagãos que instigaram as autoridades locais e o povo, tendo sido ambos decapitados. É o que rege o martirológio jeronimita.

São Judas P

Outros dizem que Simão foi sepultado perto do Mar Negro; na Caucásia foi elevada em sua honra uma igreja entre o VI e o VIII séculos. Beda, pelo ano de 735, colocou os dois santos no martirológio a 28 de outubro; assim ainda hoje os celebramos. Na antiga basílica de São Pedro do Vaticano havia uma capela dos dois santos, Simão e Judas, e nela se conservava o Santíssimo Sacramento.

São Judas Tadeu: Judas, um dos doze, era chamado também Tadeu ou Lebeu, que São Jerônimo interpreta como homem de senso prudente. Judas Tadeu foi quem, na Última Ceia, perguntou ao Senhor: “Senhor, como é possível que tenhas de te manifestar a nós e não ao mundo?” (Jo 14,22).

São Judas P1

 

Temos uma epístola de Judas “irmão de Tiago”, que foi classificada como uma das epístolas católicas. Parece ter em vista convertidos, e combate seitas corrompidas na doutrina e nos costumes. Começa com estas palavras: “Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos chamados e amados por Deus Pai, e conservados para Jesus Cristo: misericórdia, paz e amor vos sejam concedidos abundantemente”. Orígenes achava esta epístola “cheia de força e de graça do céu”.

Segundo São Jerônimo, Judas terá pregado em Osroene (região de Edessa), sendo rei Abgar. Terá evangelizado a Mesopotâmia, segundo Nicéforo Calisto. São Paulino de Nola tinha-o como apóstolo da Líbia. Conta-se que Nosso Senhor, em revelações particulares, teria declarado que atenderá os pedidos daqueles que, nas suas maiores aflições, recorrerem a São Judas Tadeu. Santa Brígida refere que Jesus lhe disse que recorresse a este apóstolo, pois ele lhe valeria nas suas necessidades. Tantos e tão extraordinários são os favores que São Judas Tadeu concede aos seus devotos, que se tornou conhecido em todo o mundo com o título de Patrono dos aflitos e Padroeiro das causas desesperadas.

São Judas é representado segurando um machado, uma clava, uma espada ou uma alabarda, por sua morte ter ocorrido por uma dessas armas.

São Simão e São Judas Tadeu, rogai por nós!


Portal Terra de Santa Cruz

 

Sínodo 2015: Noção de continuidade ajudou a superar tensões, diz perito português

Padre Duarte da Cunha acompanhou trabalhos que ajudaram a reforçar papel da família na Igreja

Cidade do Vaticano, 27 out 2015 (Ecclesia) – O padre Duarte da Cunha, que acompanhou os trabalhos do Sínodo 2015 como perito nomeado pelo Papa, considera que as três semanas de debate sobre a família realçaram a “continuidade” da doutrina católica, superando tensões.

Foto: Ricardo Perna
Foto: Ricardo Perna

Em entrevista à Agência ECCLESIA e ‘Família Cristã’, o secretário do Conselho das Conferências Episcopais Europeias (CCEE) fala em dois anos de “muita reflexão”, desde que o Papa decidiu convocar os bispos de todo o mundo para debater a família, admitindo que “a certa altura houve uma tensão entre o que é novo e é antigo”.

“Todo o processo foi a compreensão desta continuidade, quer desde o Evangelho até agora, do Concílio Vaticano, da Humanae Vitae, da Familiaris Consortio. O que há de aprofundamento e de desenvolvimento, até relativamente aos conceitos e de mudança da realidade sociológica, não está em contradição com aquilo que é a continuidade”, precisa o especialista.

O sacerdote português refere que no ensinamento dos últimos Papas, “com as diferenças necessárias”, houve “uma continuidade, quer do amor à família, quer da verdade da família, de conceitos da teologia moral que são sempre válidos, mas que não podem ser sempre ditos da mesma maneira”.

Nos trabalhos da 14ª assembleia geral ordinária do Sínodo, este responsável encontrou participantes com um conhecimento concreto da doutrina, como no caso do planeamento familiar natural, contrariando a crítica de estarem apegados a conceitos mas longe da realidade.

“Depois há os outros mais aplicados à realidade, mais sensíveis aos problemas e que às vezes aparentemente descuram mais a doutrina. Isto também não é verdade”, prosseguiu.

No final do Sínodo, o relatório entregue ao Papa foi aprovado por unanimidade, símbolo da unidade e do “bom ambiente” com que decorreram os trabalhos.

O sacerdote português observa que a assembleia sinodal que se concluiu no domingo “exige que a pastoral, a moral, não sejam desligadas da reflexão teológica, doutrinal, sociológica do que é a realidade da família”.

“Isso foi algo que ao longo do processo dos dois anos às vezes parecia que estava em tensão, daí a insistência: não são duas coisas distintas, coisas separáveis”, relata.

Para o secretário do CCEE, é necessário compreender que “a moral é sempre consequência do ser” e que, no caso das famílias, as normas se referem à forma como “cada pessoa dentro desta realidade tem relações e dentro dessas relações qual é o comportamento”.

“A moral só se compreende, não porque se olha para a regras que são importantes, mas porque olhando para as relações reais, se percebe qual é o ideal, o que se deve fazer, o que Deus recomenda. Depois também se percebe que há coisas que são objetivamente más, não se podem fazer”, explica.

Dos pontos conclusivos, o padre Duarte da Cunha realça a preocupação com a formação de “comunidades de famílias” que sejam também o lugar onde se prepara para o casamento, “que os noivos sejam preparados para o casamento integrando uma equipa de casais da paróquia ou da associação”.

Outro aspeto que não era “tão evidente” está relacionado com o “dinamismo da família” como sujeito da pastoral do setor.

“Também há uma mudança da perspetiva da família, não só como tema moral mas também como dinâmica de amor, de misericórdia”, conclui.

Fonte Agência Ecclesia 

Adaptação Portal Terra de Santa Cruz

Sínodo dos bispos abre portas para integrar divorciados recasados.

Os 270 “padres sinodais”, entre bispos e cardeais, que representam os bispos de todo o mundo, aprovaram a suspensão de várias proibições.

VATICAN-POPE-AUDIENCE

O Sínodo de Bispos sobre a Família votou com ampla maioria um documento final de 94 parágrafos, que propõe “a integração” na Igreja dos divorciados que voltarem a se casar, após a análise de “caso a caso”. O texto foi entregue ao papa Francisco, que o divulgou ao público imediatamente.

Os 270 “padres sinodais”, entre bispos e cardeais, que representam os bispos de todo o mundo, aprovaram a suspensão de várias proibições aos divorciados que se casarem novamente, entre elas a de serem padrinhos de batismo e de casamento.

Os padres sinodais insistem, contudo, em que é necessário um “discernimento”, um exame “caso a caso”, para autorizar o acesso aos sacramentos, como a comunhão e a confissão.

Com isso, os bispos fizeram algum movimento no sentido de uma Igreja mais acolhedora com os casais que vivem juntos e com os católicos em situação irregular, ecoando o pedido do papa argentino a favor de uma instituição que pare de julgar e de condenar.

Três parágrafos tiveram um consenso menor – sobretudo, os de número 85 e 86, dedicados a temas bastante sensíveis para a Igreja Católica. Superando a maioria mínima necessária de dois terços (177), os parágrafos 85 e 86 estão entre os menos votados, com 178 votos a favor e 80 contra.

Nesses parágrafos, os bispos sinodais propõem que “os batizados que tiverem se divorciado e voltado a se casar civilmente sejam reintegrados à comunidade cristã, na medida do possível, evitando gerar escândalo”. O texto não especifica se poderão realizar a comunhão.

“Os divorciados que voltarem a se casar não devem se sentir excomungados e podem viver e envelhecer como membros vivos da Igreja, sentindo-a como uma mãe que acolhe sempre”, acrescenta o texto.   O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, lembrou que se trata de propostas dirigidas ao papa, que decidirá se será necessário elaborar um documento papal sobre a família.

“Não se pode negar que, em algumas circunstâncias, a responsabilidade (da crise do casal) pode ser menor, ou anulada (…) As consequências de alguns atos não podem recair sobre todos por igual”, defendem os prelados, ao se referirem aos divorciados.

No encerramento do sínodo, o papa Francisco elogiou a liberdade de expressão que reinou ao longo das três semanas de trabalho e criticou abertamente “os métodos não de todo benévolos” empregados pelos setores conservadores contra suas propostas de reforma.

Decepção para alguns.

O espinhoso tema da homossexualidade foi abordado em apenas um parágrafo, no qual se reitera que a Igreja “respeita” os homossexuais, condena qualquer “discriminação injusta” e se opõe ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O restante desse parágrafo recomenda a Igreja a “acompanhar as famílias com um membro homossexual”.

Para muitos dos presentes, tratar do tema da homossexualidade em uma reunião dedicada à família significou uma anomalia, enquanto para outros prelados, sobretudo africanos, o assunto continua sendo tabu.

“O que parece normal para um bispo de um continente pode ser estranho, quase um escândalo, para outro de outro continente”, reconheceu o sumo pontífice.

Francisco decidiu convocar dois sínodos sucessivos sobre a família – um, em outubro de 2014, e o outro, em outubro de 2015 – para levar a Igreja a se atualizar frente às mudanças na sociedade moderna.

Na sexta-feira, em uma missa, o papa disse querer estimular a Igreja a “avaliar os tempos e a mudar com eles, permanecendo firme no Evangelho”.

Sobre outro ponto importante, no Sínodo, os bispos reiteraram que a instituição aplicará “tolerância zero” em relação à pedofilia, comprometendo-se a colaborar “de forma estreita” com a Justiça.

Fonte: Aleteia

Adaptação: Portal Terra de Santa Cruz